Domingo, 10 de Setembro de 2017
ARENDT E MARX
 

 

O trabalho é a actividade que corresponde ao artificialismo da existência humana (...) porque (...) produz um mundo artificial de coisas nitidamente diferentes de qualquer ambiente natural.

 

Hannah Arendt.jpgHanna Arendt, in The Human Condition, University of Chicago Press, ed. 1984, pág. 7

 

 

É claro que não preconizo o ócio, esse que considero o «pai» de todos os vícios, mas dá gosto comparar esta frase arendtiana com a alienação marxista sobre o que ela escreve a páginas 253-254 da mesma obra:

 

A moderna perda de fé não é de ordem religiosa na sua origem e o seu alcance não se limita à esfera religiosa. Pelo contrário, a evidência histórica demonstra que os homens modernos não foram arremessados de volta a este mundo, mas para dentro de si mesmos. O que distingue a era moderna é a alienação em relação ao mundo e não, como pensava Marx, a alienação em relação ao ego.

 

 

HSF-AGO16-Tavira

Henrique Salles da Fonseca



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 13:07
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 9 de Janeiro de 2017
TRETAS # 19

 

QUO VADIS, TEORIA?

 

  • As teorias económicas (as boas, que das más nem vale a pena falar) são ferramentas preciosas – e perigosas. As que reflectem sobre o comércio transfronteiriço – e, com mais generalidade, as que abordam as relações económicas internacionais – são disso bom exemplo.

 

  • O caso que nos toca mais de perto é, talvez, o do Tratado de Methuen (1703), pelo qual, nem os vinhos portugueses poderiam ser objecto de discriminação fiscal no mercado inglês, nem os tecidos ingleses poderiam ser fiscalmente prejudicados no mercado português.

 

  • Por esse tempo, o vinho era um dos produtos mais apreciados no comércio intra-europeu - e os vinhos franceses os mais valorizados. Graças ao Tratado, os vinhos portugueses passavam a concorrer no apetecível mercado inglês em condições excepcionalmente favoráveis – únicas, mesmo.

 

  • O que, de início, foi visto como um golpe de génio da diplomacia económica portuguesa veio a revelar-se uma vitória pírrica. A dinâmica económica que começava a esboçar-se iria abandonar a agricultura (que nos calhou em sorte) e apostaria tudo na indústria manufactureira (dada de bandeja a Inglaterra). Uma dinâmica que, após a Conferência de Berlim (1884-5), desencadeou a corrida aos impérios coloniais e teve por epílogo duas guerras mundiais (1914-18 e 1939-45).

 

  • Adam Smith (n. 1723) e David Ricardo (n. 1772) terão sido os primeiros de uma longa plêiade de ilustres pensadores (entre os quais o nosso tão esquecido Frederico de La Figanière, n. 1827) a reflectir sobre os efeitos do comércio internacional no desenvolvimento económico, no bem-estar das populações – e, acima de tudo, na promoção da paz.

 

  • Reflexões que não tardaram a ser contaminadas pelo veneno ideológico que, desde o final do séc. XIX, tem infectado a dismal science – a saber: o “postulado da optimalidade”. Trocado por miúdos: o modelo de mercado (com maior rigor, a economia de base contratual), mais que gerar benefícios visíveis, é visto como o óptimo absoluto – o nec plus ultra. Dali, por definição, nenhum mal poderá advir. Só o bem, a prosperidade e a harmonia – e é dever primeiro da teoria revelar isso mesmo.

 

Robert Mundell.jpg Marcus Fleming.jpg

  • O modelo de Mundell (n. 1932) e Fleming (n. 1911) veio navegar nestas águas teóricas: a economia de mercado, argumenta, pode evoluir para zonas monetárias onde todos os que nela participem sairão de certeza (teoria dixit) a ganhar – por isso, “óptimas”. Com um pequeno senão (conhecido como o “trilema de Mundell”): não é possível prosseguir uma política monetária independente se as taxas de câmbio estiverem fixadas e os movimentos transfronteiriços de capitais, liberalizados.

 

  • Este senão deveria abalar a fé dos teóricos na “optimalidade” do modelo de mercado (no sentido que acima referi). Mas não. Apesar de Mundell-Fleming, ao pressupor a plena mobilidade das populações no interior do território convertido em zona monetária “óptima”, não ter como garantir a ocupação racional desse território (o que é politicamente desconfortável); e apesar de a “optimalidade” não ser um conceito absoluto, antes relativo – dependendo da variável que for seleccionada como objectivo (o que é ideologicamente irritante).

 

  • Ora isto tem consequências directas na estabilidade da Zona Euro (que não vêm agora ao caso) e nos previsíveis efeitos da globalização (que é o que aqui interessa).

 

  • Inicialmente, a base teórica para a “optimalidade” do comércio internacional eram as vantagens comparativas, pondo-se no mesmo plano o que a Natureza dá (matérias primas, clima) e o que o Homem cria (o saber fazer, as tecnologias).

 

  • O vinho ia de Portugal – porque o solo e o clima da ilha britânica só davam vinhos medíocres; os tecidos vinham de Inglaterra – onde a lã era abundante e de boa qualidade e a tecnologia textil estava mais avançada. Tudo, nesta Europa do séc. XVIII, decorria de igual para igual, com o comércio a transformar em complementaridades virtuosas o que sempre tinham sido incómodas limitações locais.

 

  • Complementaridade seria um modo mais prosaico, mas igualmente apropriado, de referir as vantagens comparativas com que a teoria continuava a explicar o comércio transfronteiriço, decorrido século e meio. Complementaridades entre as economias tecnologicamente avançadas – as quais toleravam mal a concorrência que umas às outras movessem nos respectivos mercados domésticos. Complementaridades com territórios periféricos, mais ou menos distantes, vistos como fontes abundantes de matérias-primas e mercados cativos para o escoamento de produtos manufacturados.

 

  • Longe das páginas dos manuais teóricos, porém, as vantagens comparativas eram não só aproveitadas, mas também disputadas com crescente agressividade. A chave para a compreensão desta nova realidade (a expansão colonial e a luta pelo “espaço vital”) era a palavra “cativo” – que a teoria tardou em interpretar. Não bastavam já as vantagens comparativas. Havia que impedir que outras economias avançadas viessem explorar em proveito próprio toda e qualquer complementaridade.

 

  • O período post-guerra ficou caracterizado por um forte movimento no sentido da reintrodução da livre concorrência no comércio internacional (com o GATT, hoje WTO). Livre concorrência não já circunscrita a matérias primas, bens manufacturados e a alguns serviços, mas estendida também às tecnologias – o que arrastou a livre movimentação transfronteiriça de capitais, mas não de pessoas.

 

  • Era ainda o quadro mental das vantagens comparativas que a teoria tinha para oferecer quando as economias mais avançadas começaram a exportar tecnologias já “maduras” (por isso sujeitas a forte concorrência no contexto do comércio transfronteiriço), a fim de libertarem recursos internos para novas tecnologias, novos produtos e novos serviços que criassem, por sua vez, novas complementaridades - e que lhes conferissem novas vantagens comparativas no plano internacional.

 

  • É claro que a exportação de tecnologias, num primeiro momento, gerava turbulência e desemprego nas economias de origem. Mas a livre movimentação transfronteiriça de mercadorias e de serviços mantinha aí a oferta sem rupturas – e as novas tecnologias rapidamente absorviam esse desemprego. Para mais, custos de produção substancialmente mais baixos nas economias de destino ajudavam a estabilizar os rendimentos reais nos mercados internos das economias avançadas.

 

  • Os movimentos transfronteiriços de capitais é que iam causando, aqui ou ali, crises, por vezes profundas, por vezes prolongadas. Mas a teoria não se detinha em tais ninharias: a movimentação de capitais e os efeitos que essa movimentação poderia causar eram-lhe estranhos. Os Bancos Centrais que tratassem disso – assim rezava a teoria.

 

  • A globalização baseada em complementaridades (tal como, antes, os impérios coloniais alicerçados em complementaridades), agora no quadro liberal de GATT/WTO, era algo que muito interessava às economias tecnologicamente avançadas: (i) viam renovadas e, quantas vezes, reforçadas as suas vantagens comparativas; (ii) viam estabilizados os rendimentos reais no interior das suas fronteiras; (iii) viam sustentado o nível de emprego das suas populações activas.

 

  • O problema era a restrição externa (possíveis deficits das BTC) e a imprevisibilidade do caudal de movimentos transfronteiriços de capitais - que só a focagem das tecnologias (tanto das novas, como daquelas que eram deslocalizadas) no comércio internacional permitia solucionar capazmente.

 

  • A realidade é que o comércio entre países, alicerçado em complementaridades, foi capaz de, num curto espaço de tempo, retirar da pobreza - não à custa de subsídios estatais, não há custa de donativos internacionais, mas através do trabalho remunerado e da movimentação transfronteiriça de capitais - centenas de milhões de pessoas. Que melhor prova da “optimalidade” do modelo de mercado!

 

  • E, no entanto, quando a “livre concorrência” defendida por GATT/WTO começou a ocupar o papel das “complementaridades” no comércio transfronteiriço, o caso mudou de figura. É que as vantagens comparativas em ambiente de concorrência são radicalmente diferentes das vantagens comparativas em ambiente de complementaridade, sobretudo quando os custos de produção reflectem culturas completamente diferentes. E a teoria foi assim apanhada em contra-pé.

 

  • Com a globalização em ambiente de concorrência as vantagens comparativas passam a depender não só das tecnologias (logo, da inovação) e da procura solvente no espaço global, mas também da cultura que dê forma à economia de onde provêm os bens e serviços transaccionados.

 

  • Os rendimentos reais (ou seja, a inflação) até podem continuar bem ancorados. Mas o comércio transfronteiriço deixa de rimar espontaneamente com pleno emprego urbi et orbi– e os movimentos transfronteiriços de capitais ficam emaranhados, não mais fluindo todos no mesmo sentido.

 

  • Voltando ao princípio, o Tratado de Methuen, fruto temporão das complementaridades geradoras de comércio transfronteiriço, jamais poderia ter visto a luz do dia num ambiente de livre concorrência: nem nunca se colocou a hipótese de Portugal celebrar com a França um tratado semelhante para o vinho; nem a Inglaterra viu alguma vez interesse em celebrar com a Flandres um tratado para o comércio de tecidos.

 

  • Forçoso é concluir, então, que a livre concorrência no comércio internacional põe frontalmente em causa a pretensa “optimalidade” do modelo de mercado. Só em circunstâncias muito especiais (ex: a complementaridade no comércio transfronteiriço) é que todos poderão sair a ganhar, como a teoria ainda hoje pretende.

 

  • Em ambiente de concorrência, porém, para que o pleno emprego e a estabilidade dos rendimentos reais sejam, pelo menos no plano teórico, possíveis, as preferências individuais e as tecnologias aptas a satisfazê-las terão de conhecer uma diversificação rápida e extensa. Desde que a restrição externa não estrague a festa – está bem de ver.

 

JANEIRO de 2017

António Palhinha Machado

 A. Palhinha Machado



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 05:38
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 26 de Setembro de 2016
DIZ-SE QUE HERR SCHÄUBLE É MAU!

 

 

Schäuble.png

 

 

Corria o ano de 2013 e dizia-se que «O ministro alemão das Finanças ignora de modo grotesco a crise social europeia»;

 

Herr Schäuble afirmava então: “Ignorem os profetas da desgraça. A Europa está a ser consertada.”

 

E mais se dizia que «O mundo, visto de Berlim, é quase perfeito: “A receita está a funcionar, para desgosto dos numerosos críticos nos media, nas universidades e nas organizações políticas internacionais. O ajustamento era ambicioso e, por vezes, doloroso, mas a sua implementação é flexível e adaptável. As redes de segurança europeias providenciaram uma mistura bem calibrada de incentivos e solidariedade para amortecer o sofrimento.”


O texto de Herr Schäuble é assustador porque é um dogma de fé. As “organizações internacionais” e as “universidades” bem podem produzir estudos – que, entretanto, se têm vindo a comprovar – sobre os riscos da política económica seguida pela Alemanha que, do alto do seu poder e da sua religiosidade intrínsecas, Schäuble ignora-os. A crise social nos países do Sul, os 27,8% da população grega sem emprego, os 16,5% de portugueses sem emprego, os 26,3% de espanhóis sem emprego e os 17,3% de cipriotas sem emprego não entram nas contas de Herr Schäuble.


O ministro alemão das Finanças ignora, de um modo grotesco, a mais grave crise social depois do fim da Segunda Guerra, afirmando que, “em apenas três anos, os custos unitários de trabalho e a competitividade estão rapidamente a ajustar-se (...) e os défices a desaparecerem”. A recessão na zona euro acabou.


O mais traumático no texto de Herr Schäuble, mesmo que tenha sido escrito na semana decisiva de uma campanha eleitoral onde o seu posto está a votos, é que ele despreza ostensivamente a realidade e, nomeadamente, os números. O final do texto é particularmente esclarecedor da arrepiante mistura de fé com bruxaria: “Os sistemas adaptam-se, as tendências mudam. Por outras palavras, o que foi partido pode ser reparado. A Europa de hoje é a prova.”


É extremamente grave o delírio de Herr Schäuble. Mas o mais grave ainda é que ele se pega.»

 

Assim dissertava Ana Sá Lopes no jornal «i» em 18 Set. 2013 – http://www.ionline.pt/iopiniao/herr-schauble-delirio-pega-se


E, contudo, sou da opinião de que Schäuble estava dentro da razão.

Porquê?

Porque:

  • A Europa do Sul foi tomada por uma classe de políticos que não hesitou em «comprar» votos usando a demagogia paga com dinheiros públicos e daí surgiram os gigantescos défices;
  • A Europa do Sul sempre gostou muito mais de folgar nas belas praias (o famoso licenciado em «5º ano de praia») do que estudar nos livros, daí a grande deficiência na instrução e formação e, daí, a pobreza estrutural dos PIB's com inerente dependência económica externa e consequentes dívidas privadas;
  • Os políticos da Europa do Sul convenceram as suas populações de que é aos ricos que cumpre pagar a crise travestindo esse conceito marxista na famosa «solidariedade europeia»;
  • A Europa do Sul contou com todos esses ovos na cloaca da galinha e agora diz que os culpados são os ricos que não querem pagar a factura dos seus dislates, da sua «dolce vita»;
  • O escol de cada povo da Europa do Sul (não confundir com Governos nem com políticos demagogos) já percebeu que a mudança era inevitável e urgente;
  • O escol de cada povo da Europa do Sul rapidamente se apercebeu de que ele próprio teria que ser o agente dessa mudança não esperando pelas medidas de política sempre emperradas por Tribunais Constitucionais e organizações quejandas;
  • O escol de cada povo da Europa do Sul não perguntou aos Governos o que deveria fazer: fez!

Schäuble tinha razão quando proferiu aquelas afirmações: a Europa do Sul estava a safar-se, a modificar estruturalmente os «modelos de desenvolvimento» que a tinham atirado para o abismo, acabando com as actividades que se tinham revelado perniciosas e a desenvolver as que são efectivamente virtuosas, a substituir inaptos por gente profissionalmente competente, a exportar em vez de chorar sobre a ruína dos respectivos mercados domésticos.

 

Mas, entretanto, concertaram-se pérfidas «geringonças» e a evolução sã corre agora o risco de ruir. E depois dessa hecatombe virá por certo à tona o populismo de direita de que a «Alternative für Deutschland» e o «Front National» são meros exemplos.


O drama está em que, à falta de hábitos de estudo e da preferência pela «dolce vita», o escol de cada povo da Europa do Sul não conta com quaisquer ovos na cloaca das galinhas. E, se necessário, o populismo há-de inventar galinhas sem cloaca!


A demagogia tanto saúda de punho erguido como de braço estendido. É uma chatice!

 

Henrique Salles da Fonseca-16AGO16-2

Henrique Salles da Fonseca



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 09:58
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

Quinta-feira, 22 de Setembro de 2016
TEORIA ECONÓMICA APLICADA

 

Circulação monetária.jpg

 

É um dia calmo numa pequena cidade da Irlanda. Está a chover e as ruas estão desertas. Os tempos são de crise, toda a gente deve dinheiro e vive a crédito. Chega à cidade um rico turista alemão, dirige-se ao único hotel e põe uma nota de 100 dólares[1] em cima do balcão, dizendo ao proprietário que deseja inspeccionar os quartos para escolher um para passar a noite.

 

O dono do hotel entrega-lhe as chaves de vários quartos e assim que o visitante sobe as escadas, o hoteleiro pega na nota de 100 dólares e vai à loja ao lado para pagar a sua dívida ao dono do talho. Este, pega na nota e corre rua abaixo para pagar o que deve ao Criador de porcos, seu fornecedor. Este, por sua vez, pega na mesma nota e vai a correr pagar a sua dívida ao fornecedor de rações. Este, pega nos 100 dólares e corre para pagar a sua conta no pub da terra. O dono do bar, discretamente, entrega a nota à prostituta que frequenta o bar que, também vivendo tempos difíceis, tinha sido obrigada a fazer uns “servicinhos” a crédito. Esta corre para o hotel e paga a conta do quarto que habitualmente utiliza.

 

O dono do hotel volta a colocar a nota de 100 dólares em cima do balcão quando, momentos depois, o turista alemão desce as escadas dizendo que os quartos que viu não lhe agradam, pelo que vai seguir viagem. Apanha a nota de 100 dólares e deixa a cidade.

 

* * *

 

Ninguém produziu nada, ninguém ganhou nada. Contudo, todos pagaram as suas dívidas e encaram o futuro com muito mais optimismo!

 

Eis a circulação monetária no seu melhor!

 

Autor Anónimo.png

 

(recebido por e-mail, Autor não identificado)

 

[1] Para evitar qualquer conflito cambial, podem substituir dólares por euros, ienes, rublos ou yuans.



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 13:19
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sábado, 3 de Setembro de 2016
CASSANDRA

 

 

Cassandra.jpg

 

Sacerdotisa de Apolo, Cassandra era bela a ponto

 

de o próprio deus por ela se apaixonar e de lhe

 

conferir o dom da profecia. Mas recusando-se ela

 

a ceder aos avanços do apaixonado, este lançou

 

-lhe a maldição de ninguém acreditar nas

 

profecias que fizesse.

 

 

Assim estão os econometristas que se entretêm a construir modelos matemáticos que supostamente representam a economia de um país e com base nos quais profetizam o que vai suceder no futuro económico. Só que a distância entre as previsões e a realidade medida quando o futuro se transforma em presente é vulgarmente tão grande que já pertence à gíria dizer-se que «os econometristas são muito bons a prever... o passado». Cassandras em toda a linha!

 

E para que servem então essas declarações tão solenes em periódicas conferências de imprensa de que o PIB de tal país vai crescer tantos por cento ou o emprego vai decrescer outros tantos pontos percentuais? A resposta só deveria ser uma: para nada! Mas infelizmente não é assim. Na realidade, servem para justificar a manipulação da informação e esta serve para provocar oscilações bolsistas tanto em títulos de rendimento variável ou fixo como nas taxas de juro dos mercados de capitais, etc. E se a especulação é a base natural do funcionamento bolsista, a manipulação da informação é uma infâmia.

 

E onde está a origem do mal? Nas profecias em que ninguém de boa-fé acredita: acabemos com a manipulação; acabemos com a má fortuna de Cassandra.

 

Sim, os modelos econométricos são muito interessantes como instrumentos académicos mas muito perniciosos cá fora das Universidades.

 

Mandemos calar quem se puser por aí a dizer que a economia vai crescer, decrescer ou manter-se porque seguramente não sabe o que diz e pode não ser tão bem intencionado como nós gostaríamos que fosse.

 

Henrique Salles da Fonseca, Curaçao (2011)Henrique Salles da Fonseca



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 00:40
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Sábado, 13 de Agosto de 2016
MENTES BRILHANTES

 

 

 

Sempre gostei de assistir ao espectáculo que as mentes brilhantes exibem ao exporem o resultado das suas confabulações mas confesso que sempre lhes troquei as voltas preferindo lê-las a ouvi-las. Lendo-as, tenho tempo; ouvindo-as, temo perder o fio à meada e correr o risco de ser enrodilhado. Lembro-me da história que ouvi em criança daquele cigano que falava muito depressa quando queria vender uma certa mula manca – pensaria ele que o comprador teria que dar muita atenção ao discurso e ficava sem tempo para observar a mula com o cuidado conveniente. Contavam-me que nunca chegara a vendê-la.

 

Portanto, gosto de mentes brilhantes lidas, não ouvidas.

 

Varoufakis.jpg

 

A super pausada leitura que venho fazendo vai já para um ano do livro de Yanis Varoufakis, «O MINOTAURO GLOBAL»1, leva-me a pensar que desta vez o cigano foi o Tsipras que arranjou um galã para encantar as grandes credoras na Alemanha e no FMI e lhe encomendou o encantamento suficiente para lhe dar tempo - a ele, o cigano - de consolidar a maluqueira sobre as ruínas de Atenas. Mas o encantamento não produziu quaisquer efeitos junto da «angélica teutónica» e diz-se que foi fogo fátuo na «charmante gauloise». E como o cigano não ia ficar para sempre com a mula manca, empandeirou-a para qualquer lado e mudou de discurso.

 

Pois. Mas eu hoje não quero saber do discurso do cigano e interesso-me sobretudo pelo relinzurro (nem relincho nem zurro) da mula.

 

E porquê nem relincho nem zurro? Porque Varoufakis zurze no capitalismo mas não lhe apresenta uma alternativa credível. Pior: aponta críticas aos credores mas não acha necessário corrigir sequer um pequeno vício nos devedores. Ficamos a saber do que ele se queixa mas sem que nos aponte uma solução.

 

Assim, não vale. E não vale porque não conduz a qualquer parte; constrói um beco sem saída. E como o mundo não acaba no fundo desse beco, é a construção desse «cul de sac» que não faz sentido.

 

A sua tese contra a austeridade também não faz sentido se nos lembrarmos de que foram os países devedores que foram aos mercados de capitais pedir dinheiro emprestado, não foram os detentores desses capitais que impuseram aos perdulários receberem os seus capitais. E a única forma de servir a dívida é deixar de gastar mais do que se produz – a isso chama-se anular défices – e passar a gerar poupanças, sendo que ambos os patamares se alcançam pela redução da despesa (a tal austeridade) e pela produção de bens e serviços transaccionáveis, nunca pela manutenção de défices nem pelo incentivo ao consumo.

 

Mas é claro que Varoufakis tem razão em várias coisas e, dentre essas, realço o absurdo em que se transformou a utilização dos modelos macroeconómicos e o «gato por lebre» dos produtos financeiros tóxicos. De ambas, tratarei futuramente num outro pequeno texto em que resumirei o que Varoufakis delas conta e com que – desde já aviso - eu concordo.

 

Se a estes absurdos juntarmos a manipulação dos mercados em vez da normal especulação bolsista, temos que reconhecer que o Poder do Mundo foi tomado por loucos se não mesmo por criminosos. E neste particular, também tenho que concordar com ele.

 

Sim, gosto de mentes brilhantes mas Deus nos livre das que são marotas.

 

Tavira, Agosto de 2016

 

 

HSF-AGO16-Tavira

Henrique Salles da Fonseca

 

 

1 - BERTRAND EDITORA, Lisboa, 1ª edição, Junho de 2015



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 17:31
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Sábado, 6 de Agosto de 2016
OS XICOS'PERTOS

Chico esperto.png 

 

Sim, eles andam por aí… São os Xicos’Pertos.

 

 

Todos os conhecemos - cheios de si, ignorando que os outros não são tão burros como eles julgam, ambiciosos fulgurantes mas que frequentemente nem sequer sabem o significado do seu próprio hedonismo; adulando o ter que tomam por ser, quanto menos letrados, mais audaciosos e menos cautelosos.

 

 

Sim, eles andam por aí e, aos boçais, nós topamo-los à distância. Mas há outros que se dissimulam e, quando menos esperamos, já fizeram das suas e meteram alguém nos mais ensarilhados sarilhos - são os inteligentes e cultos mas Xicos’Pertos também.

 

 

Exemplos? Muitos e variados desde o simples trafulha que tenta vender gato por lebre – todos esses que cá pela nossa «santa terrinha» inventaram cursos universitários sem qualquer saída profissional e mais não são do que passaportes para o desemprego mas que entretanto sacaram lautas propinas aos paizinhos quase analfabetos de estudantes chumbões que não tiveram média para aceder a cursos sérios, até àqueles que não passam de impostores ao deixarem que lhes chamem «engenheiros» ou «doutores» com licenciaturas concluídas ao Domingo, com passagens administrativas ou com equivalências de legitimidade super duvidosa… até aos que acabam a trás das grades porque acharam que os outros eram todos burros e não topavam que «quem cabritos vende e cabras não tem, de algum lado lhe vem».

 

 

Varoufakis.png

 

Mas se todos estes não passam de simples trapaceiros, outros há que são mesmo sofisticados e até merecem que os cumprimentemos com algumas chapeladas. Por exemplo, refiro-me a Yanis Varoufakis que tentou driblar toda a Europa e demais credores da Grécia, com grande mediatismo meteu o seu país em mais sarilhos ainda do que aqueles em que ele já estava, acabou corrido com um pontapé no «sim senhor» e foi substituído por um Euclides qualquer coisa1 sem carisma de espécie nenhuma e que só deve querer que se esqueçam que ele existe.

 

 

Mas o «encantador de Senhoras» escreveu um livro que venho lendo nos intervalos de outras leituras mais caducáveis e que tem muito que se lhe diga. Trata-se de «O Minotauro global»2 e só lhe pego quando tenho a certeza de que não terei nenhum ataque de azia. Foi-me oferecido por quem me quis lançar um desafio com vista a saber se as nossas (do Autor e minha) inconciliáveis posições políticas seriam de algum modo conciliáveis no plano da doutrina económica.

 

 

E então, a primeira apreciação que me ocorre tem a ver com o prazer de ler algo escrito por um Fulano inteligente e culto, apesar de me ter munido de toneladas de cautelas e desconfianças para não me deixar enlear nalgum «conto de Vigário»; sim, porque os «assobios de Fauno» podem seduzir as mais belas Lagardières mas por mim passam a galáxias de distância.

 

 

Em escritos posteriores contarei sobre esse tal Minotauro, sobre um Plano Global americano que o Autor descreve de modo discutível mas verdadeiramente interessante, sobre o «lago dos derivados tóxicos» e sobre muitos outros temas que fazem do livro uma leitura interessante para quem gosta deste género de temas, todos os da infindável história da economia política.

 

 

Mas hoje deixo apenas uma referência a George Soros quando este grande «Xico’sperto» em 2009 refere em The crash of 2008 and what it means: the new paradigm for finantial markets, Nova Iorque, Public Affairs, que Varoufakis refere em nota ao seu Capítulo 5 a páginas 261: A crença de que os mercados tendem para o equilíbrio, é directamente responsável pela perturbação actual encorajando os reguladores a abandonar a responsabilidade e a dependerem do mecanismo de mercado para corrigir os seus excessos.

 

 

Confesso que por esta é que eu não esperava vinda de quem vem, esse que sempre tomei por ser o maior inimigo de toda e qualquer entidade reguladora em qualquer ponto do nosso planeta e que eu presumira fiel adepto do princípio da autoregulação dos mercados no sentido do equilíbrio.

 

 

Como diriam dos franceses, fiquei de «bouche bée».

 

 

Estou sempre a aprender e assim espero continuar per secula seculorum...

 

 

Tavira, 3 de Agosto de 2016

 

 

Henrique Salles da Fonseca

Henrique Salles da Fonseca

(por Francisco Gomes de Amorim)

 

1- Euclide Tsakalotos

2- Bertrand Editora, 1ª edição portuguesa de Junho de 2015



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 10:25
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|

Sábado, 25 de Junho de 2016
O BREXIT E EU

 MCH-brexit.jpg

 

Perguntado sobre o que penso acerca do BREXIT, gostaria de só responder depois de ter a informação completa sobre o PIB per capita britânico (£ 36700 em 2012) e sobre o PNB também per capita mas apenas relativo à Inglaterra propriamente dita (que optou pela saída mesmo correndo o risco de perder a Escócia e a Irlanda do Norte).

Desde o Banco de Inglaterra até à ONU, bem procurei na Internet mas nada encontrei.

Admito perfeitamente que possa ter sido aselha na busca mas, na verdade, continuo a crer que essa comparação nos poderá elucidar sobre se a decisão foi egoisticamente racional (PNB pc inglês > PIB pc britânico) ou economicamente absurda (PNB pc inglês < PIB pc britânico).

Recordemos que:

- PIB é o valor de todos os bens e serviços produzidos por nacionais e estrangeiros no interior de um certo país durante um ano;

- PNB é o valor de todos os bens e serviços produzidos por nacionais durante um ano dentro ou fora do país considerado.

Será que alguém me pode ajudar com o número em falta?

25 de Junho de 2016

 

028.JPG

Henrique Salles da Fonseca

(algures no Tamil Nadu, NOV15)



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 15:01
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Sexta-feira, 20 de Maio de 2016
TENHO DITO!

Trabalhos forçados.jpg

 

Os Impostos são o equivalente moderno aos trabalhos forçados.

Porto Santo-MAI15-B.jpg

Henrique Salles da Fonseca



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 14:10
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Terça-feira, 22 de Setembro de 2015
DIVAGANDO SOBRE ECONOMIA

 

FGA-Thomas Jefferson.png Thomas Jefferson disse que as instituições bancárias são mais perigosas do que os exércitos permanentes. Isto no século XVIII. Estamos no XXI, e ele tinha toda a razão.

 

Vivemos hoje tempos de incerteza, de desigualdade, concentração de renda, especulação feroz, guerras que proporcionam fabulosos lucros aos fabricantes de armamentos, grande e grave apreensão sobre o futuro a curto e médio prazo, porque a longo ninguém será capaz de prever, por exemplo, como a “pacífica” invasão da Europa que, por força, a vai desestabilizar.

 

O Estado brasileiro detentor do monopólio financeiro, dita as leis mais absurdas que se possam imaginar, como por exemplo um juro básico de 14,25% que permite aos bancos particulares cobrarem aos clientes qualquer coisa como até 500 % ou mais no cheque especial ou no cartão de crédito. Com este tipo de monopólio, e outros, o Estado detém do mesmo modo o uso legítimo da violência, que a usa para aumentar impostos para não enxugar a máquina administrativa, poder comprar congressistas e outras barbáries.

 

Nepotismo, palavra que vem do italiano nepote – sobrinho ou sobrinha, neto ou neta – desde o século XV, de Alexandre VI, o famigerado Borgia, considerado o pior papa de todos os tempos, que chamava sobrinhos aos filhos ilegítimos, para os enriquecer, hoje é prática que por aqui se mantém mais arreigada que lapa na rocha.

 

O EI aproveita esta onda, este tsunami de migrantes, para semear mais terror aos europeus: “Já mandámos junto com os fugitivos mais de 5.000 combatentes”! Por outro lado, assisti há dois dias um pouco ao debate entre os pré-candidatos republicanos nos EUA. Difícil ouvir tanta besteirada! Doem até as meninges! Cada um semeava mais pavor do que o outro, unânimes em acusarem o reinício das relações com o Irão, como extremamente perigosas, argumentando que “sendo o Irão um estado teocrático, na posse da bomba atómica, vai provocar o fim do mundo, despejando bombas por todo o lado. Assim ficariam com a certeza de encontrarem no “crescente azul” as cobiçadas virgens”. E os babacas que assistiam ao debate, entusiasmados batiam palmas!

 

O rombo mundial de 2008 deu-se por uma circunstância simples: ganância desenfreada. Os agentes financeiros dos EUA soltaram pelo país vendedores de créditos! Eram pagos em percentual dos créditos conseguidos, fossem eles seguros, inseguros ou inexistentes. Um pobre do Alabama com uma casa de madeira a cair aos pedaços era fisgado para assinar um contrato de empréstimo de alguns milhares de dólares para melhorar a sua casa, ele que mal tinha dinheiro para sobreviver. O vendedor recebia o pagamento pelo seu trabalho e os “espertinhos” dos bancos passavam o contrato adiante e... provocaram uma tremenda quebra de mercados. Muito pior do que a ingénua Dona Branca em Portugal.

 

Porque ninguém percebeu? Perguntou nessa conjectura, a rainha Elizabeth. Não foi um caso de excesso confiança entre agentes financeiros, mas um caso nítido de compadrio, que o governo americano apadrinhou, entregando bilhões de dólares aos bancos e seguradoras que estavam, fraudulentamente, falidos!

 

Em França o desgoverno do Hollande também corre atrás de bancos e indústrias para não fecharem, transformando assim o país de democrático em socialista, e continua a falar nos “valeurs de la Republique, égalité, état laïque, etc.” linguagem estranha para muçulmanos e judeus, e os próprios franceses.

 

Surgem Partidos Populistas, como Syriza, Podemos de Espanha, Front Nacional em França, que se baseiam no desprezo dos governos sobre a retracção do poder de compra do trabalhador, que dificilmente enxugam a máquina estatal, sem se atreverem a mexer nos Benefício Sociais, que serão, em muito breve, a causa primária da penúria e guerra civis.

 

Por aqui é a cegueira total. Ninguém faz nada, ninguém parece saber algo de qualquer coisa, quando aparece alguém que anuncia alguma medida saudável, no dia seguinte é desautorizado, e o país afunda, afunda, afunda e para o afundar mais depressa recorre, não à contenção dos gastos, mas ao aumento disparatado de impostos.

 

Ninguém confia em ninguém! Em políticos... abrenúncio (!), na polícia, deus nos livre, nos advogados que comandam as câmaras legislativas, é um mal obrigatório, e nas empresas... o mesmo, e o povo pára os carros nas calçadas, avança sinais, bebe muito e conduz, corre em alta velocidade, grita contra o governo, mas, falta-lhe cultura, educação civismo.

 

Pode-se confiar, por exemplo num sueco, mas difícil num brasileiro ou num kuaitiano!

 

No meio do barulho, as facções marxistas enxergam os administradores pagos com fortunas, mesmo que tenham levado as empresas para o fundo, mas limitam-se a “ladrar”.

 

Num país de compadrio basta influenciar os legisladores para que um bom negócio se efectue, para que as leis se baralhem de tal forma para que os julgamentos levem tantos anos que o pior bandido, se tiver bons advogados acaba por se ver livre das acusações, e sobretudo visam proteger os próprios legisladores e os juízes, que se atribuem imunidades.

 

FGA-David Graham Phillips.png A importância do dinheiro não é novidade. Vejam a acusação feita por David Graham Phillips (1867-1911):

 

Traição é uma palavra forte. Mas não forte demais, e sim fraca demais, para descrever a situação na qual o Senado (EUA) é o entusiasmado, engenhoso e incansável agente de interesses tão hostis ao povo americano, quanto o seria um exército invasor, e muito mais perigoso: interesses que manipulam a prosperidade produzida por todos de modo a que ela proporcione riqueza para poucos; interesses cujo crescimento e poder podem significar a degradação do povo, a transformação dos cultos em bajuladores, das massas em servos.

 

Podia dizer isto hoje!

 

Como diz Luigi Zingales: ...não podemos esperar que o processo político, pesadamente influenciado por lobbies, se contenha a si próprio. Isso seria o mesmo como esperar que o peru vote a favor da Ceia de Natal!

 

Reagan: Não há respostas fáceis, mas há respostas simples. Precisamos ter a coragem de fazer aquilo que sabemos ser moralmente correcto.

Os legisladores jamais criam leis simples. Sempre vão fazê-las mais e mais complicadas para que haja uma ou mais brechas, por onde poderão escapar ou adiar a sua própria condenação. Mark Twain tinha sobre essa gente uma opinião simples: Há três tipos de mentiras: mentiras, mentiras simples e mentiras deslavadas e estatísticas. Vemos isso todos os dias na boca dos governantes: mentiras.

 

Se pudéssemos definir, por uma só palavra um governante e/ou político, esta seria: “mentira”.

 

Mas os políticos não são os únicos que mentem, por exemplo ocultando dados. Vimos isso no estouro da bolsa de 2008 com o banco Lehman Brothers (que está aí de novo e poderoso), as ultra seguradoras Fannie Mae e Freddy Mac e outros.

 

O mercado político distorcido permite que o capitalismo de compadrio triunfe, que o governo intervenha e que o contribuinte pague.

 

O governo cria riqueza com os impostos e distribui pelos industriais de maior força política, sempre sacrificando os consumidores.

 

Daí que a livre concorrência e o controle dos lobbies deva ser uma prioridade para um governo justo.

 

Mas... há disso nas Américas? Onde?

 

N.- Algumas ideias retiradas do livro “Capitalismo para o Povo” de Luigi Zingales.

 

19/Set./2015

 

Francisco Gomes de Amorim Francisco Gomes de Amorim



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 17:50
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
14
15

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


artigos recentes

ARENDT E MARX

TRETAS # 19

DIZ-SE QUE HERR SCHÄUBLE ...

TEORIA ECONÓMICA APLICADA

CASSANDRA

MENTES BRILHANTES

OS XICOS'PERTOS

O BREXIT E EU

TENHO DITO!

DIVAGANDO SOBRE ECONOMIA

arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

links
Contador

contador de visitas para site
blogs SAPO
subscrever feeds