Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017
LIDO COM INTERESSE - 19
 
 
 
 
Título«Diário de Leal Marques sobre a formação do primeiro
                 Governo de Salazar»

Fátima Patriarca.jpg

AutoraFátima Patriarca

 
Editora – Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa
              
Edição – “Análise Social” – Vol. XLI, 1º Trimestre 2006, pág. 169 e seg.
 
 
 

Antero_Leal_Marques_1930_1941.jpg

 

 
Poucos serão os portugueses actualmente vivos que já tenham ouvido falar de Antero Leal Marques e ficarão por certo espantados ao saberem que este farmacêutico foi Chefe do Gabinete de Salazar durante uma dúzia de anos, entre 1928 e 1940.
 
Dá para imaginar, num país com 900 anos de História, quantas personalidades ainda estarão envoltas nas brumas da nossa ampla e faustosa ignorância …
 
Pois foi esse desbrumar que a Dr.ª Fátima Patriarca, Investigadora do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, nos proporcionou com este trabalho.
 
Trata-se da explicação do manuscrito do «Diário» em apreço que abarca o período compreendido entre os dias 28 de Junho e 11 de Julho de 1932, ou seja, o relativo à formação do primeiro Governo do Doutor Salazar e nele se compreende como foi complicado gerir um processo cheio de nuances.As subtilezas tinham muito a ver com o regime – República ou Monarquia – mas também havia que considerar a indisciplina que grassava no Exército, na Marinha e na Guarda Nacional Republicana.
 
A mudança de regime foi claramente um processo de transição morosa e traumática em que o alevantamento dos espíritos era frequentemente fomentado por quem pretendia ver satisfeitas mordomias a que se habituara ou a que se queria habituar. O jogo de interesses e a “prestação de serviços” está claramente exposto neste «Diário»: por ele se vê como os quartéis tiveram que “ser postos em sentido” e como foi necessário induzir o “sentido de Estado” a todos aqueles que se queriam manter na política.
 
Transparece como evidente que a preparação do terreno que o Doutor Salazar pisou em muito se deveu ao trabalho do General Domingos de Oliveira que não contou com polícias secretas nem terá recorrido a procedimentos democraticamente menos deontológicos. O autor do «Diário» tece-lhe mesmo assinaláveis encómios com os quais o General se comoveu e … comover um General não será uma tarefa de cumprimento diário, presumo.
 
O «Diário» é antecedido de uma breve apresentação em que a Autora resume a biografia de Antero Leal Marques, nomeadamente nos períodos anterior e posterior à época em que trabalhou directamente com o Doutor Salazar e ao longo do texto do documento transcrito vai produzindo Notas do maior interesse identificando as personalidades amiúde nomeadas de tal forma que o leitor se consegue integrar no ambiente descrito.
 
Para além do mérito científico que o trabalho evidencia, trata-se de uma leitura muito agradável que nos faz compreender os acontecimentos sem a influência da actual propaganda política e que nos incentiva à descoberta de outras personalidades ocultas que nos espreitem lá dos recantos em que se encontrem na História de Portugal.
 
 
Tavira, 10 de Agosto de 2007
 
Henrique Salles da Fonseca


publicado por Henrique Salles da Fonseca às 08:46
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 16 de Setembro de 2017
LIDO COM INTERESSE – 73

História da Companhia de Jesus.png

 

Título – «HISTÓRIA DA COMPANHIA DE JESUS EM PORTUGAL»

Autora – Maria de Deus Beites Manso

Editora – EDIÇÕES PARSIFAL

Edição – 1ª, Setembro de 2016

 

Da badana se extrai que, fundada por Inácio de Loyola, a Companhia de Jesus tornou-se numa das principais ordens religiosas no combate ao Protestantismo, na aplicação das determinações do Concílio de Trento e no estabelecimento de missões fora da Europa.

Com uma responsabilidade maior na doutrinação, desde a sua implementação ao nosso país, a Companhia de Jesus foi um dos agentes centrais da expansão portuguesa revelando, desde sempre, uma notável capacidade de adaptação aos remotos lugares onde chegava com recurso a múltiplas formas de evangelização – adoptando na Ásia costumes locais perante civilizações e religiões complexas; defrontando-se no Brasil com práticas ancestrais de antropofagia, onde seria edificada uma notável rede de ensino.

A Autora é professora na Universidade de Évora, tem escrita enxuta e produziu um livro de verdadeiro interesse para quem gosta de perceber como fizemos um Império.

Descontando anexos, notas, agradecimentos e referências bibliográficas, são 203 páginas de texto que transmitem uma ideia inesperada sobre a dimensão de Portugal ao longo da vida da Companhia desde que para cá veio no reinado de D. João III até à actualidade: a página 199 inaugura a história jesuíta no território a que actualmente estamos confinados porque nas páginas antecedentes tudo era Império. Mais: enquadrada no Padroado Português, a Província do Oriente da Companhia chegou a ter jurisdição desde o Cabo da Boa Esperança até Nagasáqui sendo também «nossas» as Províncias jesuítas do Brasil e a da África Ocidental.

Sim, Portugal foi grande e, em consequência, a Companhia de Jesus também. A Companhia tem, entretanto, um Papa; nós, não.

Setembro de 2017

HSF-2.jpg

 Henrique Salles da Fonseca

(no Sri Lanka, 2015)



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 08:43
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quarta-feira, 13 de Setembro de 2017
ESTAREMOS TRAMADOS ENQUANTO...
 

 

KNORR-arroz malandrinho.png

 

 

... a comida for caseirinha

    (ou a comidinha for caseira);

... o arrozinho for malandro

    (ou o arroz for malandrinho);

... as pombinhas forem da Catrina

    (ou a Catrina for bloqueirinha);

... a cozinha for o reino da panelinha

    (ou o "panelinho" mandar na cozinha);

... as batatinhas forem assadas no braseiro

    (ou a assadura arder no traseiro);

... os poderosos se roerem de inveja

    (ou os invejosos se mantiverem no Poder);

... os analfabetos forem adultos

    (ou os adultos forem analfabetos);

... isto tudo não entrar nos eixos

    (ou um eixo não espatifar tudo).

 

Tenho dito!

 

Chefe índio 2.JPG

Henrique Salles da Fonseca



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 08:40
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 12 de Setembro de 2017
ÉTICA E INFINITO

ÉICA E INFINITO-LÉVINAS.jpg

 

 

ÉTICA E INFINITO, eis o título de um livrinho (uma escassa centena de páginas de texto propriamente dito) com os diálogos, gravados em Março de 1981, entre o entrevistador Philippe Nemo e o entrevistado Emmanuel Lévinas, publicado pelas «Edições 70» em Agosto de 2010.

Da Wikipédia, respigo alguma informação biográfica de Philippe Nemo:

  • Francês, nascido em 1949, é filósofo e historiador;
  • Professor de filosofia política e social, os seus estudos versam sobretudo o liberalismo, a história das ideias políticas, o conceito de Ocidente e o de República; tem-se também dedicado aos temas da educação e da pedagogia.

Para saber mais, ver em https://fr.wikipedia.org/wiki/Philippe_Nemo

 

Emmanuel Lévinas nasceu na Lituânia em 1906, fez os estudos secundários no seu próprio país e na Rússia mas estudou Filosofia em Estrasburgo de 1923 a 1930, nomeadamente com Husserl e Heidegger. Até que se naturalizou francês em 1930. Passou a ensinar Filosofia, foi director da Escola Normal Israelita Oriental e ensinou na Universidade de Poitiers, na de Paris-Nanterre e na Sorbonne. Morreu em Paris no dia de Natal de 1995.

Da contracapa do livrinho se extrai que o cerne da sua obra consiste na análise do laço indestrutível que existe entre a ética e o infinito, na oposição ao neutro, ao mero ser. Não percebi nada. Havia que ler o livrinho para tentar perceber qualquer coisa.

E lá fui eu…

… começando por rever as passagens que numa primeira leitura me chamaram a atenção e que assinalara (a lápis).

Logo na apresentação que Philippe Nemo faz, fiquei encantado com o parágrafo final que me parece digno de transcrição sem mais explicações: «Emmanuel Lévinas é o filósofo da ética, o único moralista do pensamento contemporâneo. Mas aos que o consideram especialista da ética como se a ética fosse uma especialidade, estas páginas darão a conhecer a tese essencial: que a ética é a filosofia primeira, aquela a partir da qual os outros ramos da metafísica adquirem sentido. A questão primeira - pela qual o ser se dilacera e o humano se instaura como “diversamente de ser” e transcendência relativamente ao mundo, aquela sem a qual, ao invés, qualquer outra interrogação do pensamento é apenas vaidade e corrida atrás do vento - é a questão da justiça.»

No tema «Bíblia e Filosofia», Nemo interroga Lévinas sobre a harmonização dos dois modos de pensamento, o bíblico e o filosófico. E a resposta, esperada, tem tudo a ver com a exegese tanto dos textos sagrados como dos filósofos clássicos: «Os textos dos grandes filósofos, com o lugar que a interpretação tem na sua leitura, parecem-me mais próximos da Bíblia do que opostos a ela, ainda que a concretização dos temas bíblicos não se refletisse imediatamente nas páginas filosóficas. Mas não tinha a impressão que a filosofia era essencialmente ateia. E se, em filosofia, o versículo não pode substituir a prova, o Deus do versículo pode permanecer a medida do Espírito para o filósofo.»

Sobre «Heidegger», retive duas ideias: a de que a angústia resulta do nihilismo, não de etapas teóricas de raciocínios mais ou menos sofisticados mas directa e exclusivamente do «nada»; a de que na hermenêutica heideggeriana sobre os filósofos clássicos «não se manipulam velharias mas, antes, se reconduz o impensado ao novo pensamento». Confesso que aqui me apeteceu aplicar a expressão popular «Toma e embrulha!»

Mais para diante, fui dar com algo que me fez recordar um pensamento que sempre tive e que desconhecia por completo que pudesse ter sido abordado com tanta elevação: a solidão do ser. «Ser é o que há de mais privado; a existência é a única coisa que não posso comunicar; posso contá-la mas não posso partilhá-la». E agora digo eu: o nascimento é um acontecimento partilhado com a mãe, a vida é convivida no sentido da simultaneidade, de um certo compromisso, mas a morte é um acontecimento completamente privado, não partilhável mesmo que ocorra simultaneamente com outras mortes – também cada uma delas em total isolamento, solidão, mesmo que cada um rodeado de vivos. E Lévinas conclui: «Tudo se pode trocar entre os seres, excepto o existir.»

Um dos livros mais importantes que Lévinas produziu parece ter sido «Totalidade e Infinito», publicado em 1961, que eu ainda não li. Mas Philippe Nemo leu-o e trouxe-o à colação num dos diálogos que constam deste livrinho. E a primeira pergunta é a de saber em que medida é que totalidade e infinito se relacionam. A resposta é hegeliana: «A filosofia pode interpretar-se como uma tentativa de síntese universal, uma redução de toda a experiência a uma totalidade em que a consciência abrange o mundo, não deixa nada de fora dela, tornando-se assim pensamento absoluto. A consciência de si ao mesmo tempo que consciência do todo.» E quanto ao infinito? Aí, Lévinas é certeiro: «O infinito é Deus.»

Então, se a Ética é a filosofia primeira da qual tudo deriva e se Deus é o infinito que tudo abarca, o título deste livrinho só poderia ser este: «Ética e Infinito»

 

Setembro de 2017

 

071.JPG

Henrique Salles da Fonseca



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 23:57
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 10 de Setembro de 2017
ARENDT E MARX
 

 

O trabalho é a actividade que corresponde ao artificialismo da existência humana (...) porque (...) produz um mundo artificial de coisas nitidamente diferentes de qualquer ambiente natural.

 

Hannah Arendt.jpgHanna Arendt, in The Human Condition, University of Chicago Press, ed. 1984, pág. 7

 

 

É claro que não preconizo o ócio, esse que considero o «pai» de todos os vícios, mas dá gosto comparar esta frase arendtiana com a alienação marxista sobre o que ela escreve a páginas 253-254 da mesma obra:

 

A moderna perda de fé não é de ordem religiosa na sua origem e o seu alcance não se limita à esfera religiosa. Pelo contrário, a evidência histórica demonstra que os homens modernos não foram arremessados de volta a este mundo, mas para dentro de si mesmos. O que distingue a era moderna é a alienação em relação ao mundo e não, como pensava Marx, a alienação em relação ao ego.

 

 

HSF-AGO16-Tavira

Henrique Salles da Fonseca



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 13:07
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 8 de Setembro de 2017
PELA ROTA DA ÍNDIA

MOGADOR-ESSAOUIRA.jpg

 

 

Pela rota de Índia se foi fazendo Portugal e disso é prova que foi com os dinheiros realizados na Europa com mercadorias exóticas, tais como o açúcar madeirense, que se financiou o início da construção em Lisboa do Hospital de Todos os Santos. Corria o ano de 1498.

 

Mas foi bem antes disso, em 1430, que os monges da Ordem da Trindade se instalaram definitivamente em Tavira ali construindo o Hospital do Espírito Santo para apoio aos navegantes e combatentes no norte de África. De tal modo a sua acção se destinava a apoiar os agentes da conquista que há quem considere este o primeiro hospital do ultramar português.

 

Dará para imaginar no que nessas épocas remotas consistiam os hospitais e que medicina neles se praticava?

 

Fossem quais fossem, eram os tratamentos que à época se conheciam mas a higiene devia ser bem duvidosa. Normalmente, aproveitavam-se umas casas que estivessem livres e de que o Alcaide ou Governador militar pudessem dispor nelas autorizando a entrada de doentes que se recolhiam a montes de trapos a que chamavam enxerga. Era sobre esses trapos que se derramavam os humores sempre fétidos só que alguns purulentos e outros apenas orgânicos. Dá para imaginar . . .

 

Quem desses doentes tratava eram religiosos que tudo faziam por amor a Deus pois outro sentimento não poderá ser invocado no meio de tanta pústula, escara, febre e gemido. Era pois necessário que os religiosos seguissem os mareantes. Sobretudo a partir do momento em que pelo ano de 1434 Gil Eanes dobrou o Cabo Bojador e em que a evacuação de doentes para Portugal deixava de ser possível sem acrescidos riscos na sobrevivência do infeliz. A expansão da Fé passou a ser anunciada como um objectivo das descobertas portuguesas mas não restam muitas dúvidas de que só assim é que se conseguiria convencer a Igreja a acompanhar esses meio azougados aventureiros que estavam certamente muito mais interessados no ouro da Mina e nos curativos hospitalares do que na piedade inspirada no crucifixo.

 

Apesar da relativa proximidade, em 1486 foi instalado em Safim um local de acolhimento dos doentes enquanto não eram evacuados para Tavira. Acabou este local por desempenhar as funções de verdadeiro hospital pois chegou a ter físico, cirurgião e boticário. A terra era pobre naquelas paragens mas o mar, esse, era pródigo em pescarias e era nessa faina que os portugueses lá andavam por longos períodos. O pretexto para se instalar este hospital foi o do apoio aos nossos pescadores mas acabou por servir toda a população indígena que muito beneficiou com a situação. Datam de muito mais tarde, 1516, os hospitais de Tânger e Arzila e é incerta no tempo a fundação do Hospital de Santa Cruz do Cabo de Gué, hoje Agadir, que foi praça portuguesa entre 1505 e 1541.

 

Mas se a rota do Algarve d’além-mar (Marrocos) para Portugal se fazia em linha recta e o porto de chegada era algures no Algarve d’aquém-mar, quando a origem da viagem era a sul do Cabo Bojador, a rota era circular zarpando as caravelas para o mar alto rumo à Madeira e Açores, daí tomando o nascente até Lisboa. Eis a razão pela qual foi necessário edificar em Lisboa o Hospital de Todos os Santos e não mais no sul do reino. Só que o hospital de Lisboa nunca foi considerado afecto ao ultramar pois atendia sobretudo às populações residentes na cidade e cercanias.

 

O mais antigo hospital situado além do Bojador foi mandado erigir em 1497 pelo Rei D. Manuel na Ilha de Santiago, em Cabo Verde, a que se seguiu o de S. Jorge da Mina (actual Gana) em 1498. Foi ainda o Rei D. Manuel que em 1504 mandou instalar o hospital em S. Tomé para apoio aos mareantes que demandavam o Manikongo mas que acabou por se destinar sobretudo às populações residentes em clima tão inóspito como aquele que hoje sabemos ser sobretudo palustre.

 

... e assim foi que Bartolomeu Dias dobrou o Cabo das Tormentas.

 

Chegados ao Índico, havia que prover aos cuidados nessa banda já tão longínqua e nada menos do que dois hospitais foram instalados em 1505 em Sofala e Quilôa e o da Ilha de Moçambique em 1507. Foi este último que passou a assumir a liderança no sistema de saúde português na costa oriental de África dadas as condições de salubridade do local e a afabilidade dos povos indígenas.

 

Mas a navegação no Atlântico sul deixou em 1500 de se fazer ao longo da costa africana passando a fazer-se pelo recém-descoberto Brasil com aproveitamento total dos alísios e evitando as calmarias namibianas. Eis como se tornou necessário e possível instalar um hospital na resguardada Bahia de Todos os Santos. Contando com o de Tavira, foi este o 9º na sucessão.

 

Data de 1511 a instalação do hospital em Melinde, não longe de Zanzibar, onde os portugueses largavam habitualmente a navegação costeira para se fazerem à travessia do Índico rumo a Chaul, já na costa do Malabar.

 

A amizade estabelecida por Vasco da Gama com o Rei de Cochim facilitou a instalação naquele porto em 1505 do mais antigo hospital português naquela costa, a que se seguiu em 1506 o de Cananor. São incertas as datas em que se edificaram os hospitais em Goa e Baçaim mas em 1512 Afonso de Albuquerque vê-se obrigado a expulsar os falsos doentes que se recolhiam em mendicidade no hospital de Goa e por carta datada de 31 de Outubro de 1548 da Misericórdia de Baçaim se ficou a saber que “(…) porque serteficamos a Vossa Alteza, que o ano em que sercarão Dio (1546), forão tantas as necessidades desta terra de feridos e doentes e pobres, que a elle della vyeram que nem ho espritall, nem a misericordia, nem o capitão nem outras nenhumas pessoas erão poderosas pera os agasalhar, nem curar, nem respairar, como hera necessaryo, se não forão os moradores desta terra que, ainda que são pobres, vendo quanto compria ao serviço de Deus e de Vossa Alteza, faziãm de suas casas espritais, e gastavão o seu, e davam muita conssolação dos ferydos e doentes que de Dio vynhão, que herão muytos”.

 

Assim contamos 17 hospitais entre Tavira e Baçaim. Ficam por contar os que se instalaram para lá da Índia. Mas disso tratarei alhures quando o Sol cair em terra e se puser por trás de Madurai e Pondicherry.

 

Lisboa, 28 de Março de 2006

 

Buenos Aires, 2012.jpg

Henrique Salles da Fonseca

 

 

BIBLIOGRAFIA:

ARMADAS PORTUGUESAS – apoio sanitário na época dos Descobrimentos

Autor: Médico Capitão-de-mar-e-guerra José de Vasconcellos e Menezes

Editor: Academia de Marinha, Lisboa, 1987



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 14:52
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 7 de Setembro de 2017
ONTOLOGIA E ÉTICA

 

«A vida é susceptível de ser compreendida com os termos que a filosofia reserva para a análise do ser: o ser está em cada ente concreto que existe mas nenhum destes seres concretos domina o ser, nenhum á capaz de esgotar toda a riqueza do ser; do mesmo modo, nenhuma pessoa pode reclamar um direito de propriedade sobre a vida que a atravessa, como se se sentisse superior à sua [própria] vida ao ponto de se reconhecer como o seu dono absoluto.

(…) A existência humana é por definição um tecido de relações com os outros. Assim como não sou proprietário da vida deles nem eles da minha, também não sou dono da minha própria existência».

Michel Renaud.jpg

Michel Renaud

(In «Acerca da eutanásia e da dignidade humana», Brotéria – Julho de 2017, pág. 131)

 

* * *

Assim, se pelo suicídio (assistido ou não) alguém toma como absolutamente seu algo que outrem lhe proporcionou graciosamente (a vida) e abusivamente decide pela extinção do seu próprio ser, coarcta também um direito alheio, o dos outros que com ele convivem, desse modo infringindo a ética e, como tal, cometendo um acto sumamente criticável.

 

Setembro de 2017

071.JPG

Henrique Salles da Fonseca



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 15:33
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 6 de Setembro de 2017
LIDO COM INTERESSE – 72

O SAMURAI NEGRO-JPOCosta.jpg

 

Título – O SAMURAI NEGRO

Autor – João Paulo Oliveira e Costa

Editora – Temas e Debates - Círculo de Leitores

Edição – 1ª, Maio de 2016

 

Romance histórico escrito por um Professor (universitário) de História, tem naturalmente fundamento histórico relevante. Envolto em trama romanesca, faz com que a leitura seja menos académica, mais leve.

 

A componente romanesca consiste na história de Carlos, um príncipe do Congo, de Pedro, um luso-brasileiro e de Ana, uma japonesa. No Japão, os dois amigos deparam-se com uma civilização diferente mas que os atrai, em especial por causa de Ana.

 

A componente histórica refere-se aos negócios que correm pela feitoria portuguesa de Nagasáqui, base a partir da qual os jesuítas espalham a religião católica sob o olhar algo apreensivo de Roma devido às adaptações introduzidas nos ritos para melhor compreensão dos japoneses. Ao Padre Visitador Alessandro Valignano, incumbido pelo Geral jesuíta de verificar se havia desvios de doutrina, o Autor chama Giuseppe para que se não diga que está aqui a debitar uma aula de História. E é dali, Nagasáqui, que parte a «nau do trato» com prata para ser vendida na China e ali aporta a mesma nau com sedas e porcelanas chinesas para serem vendidas no Japão.

 

De volta à «capa e espada», são os piratas cruéis, os mercadores gananciosos, as mulheres enigmáticas, os samurais disciplinados, os missionários e espiões, os grandes generais e os poderosos senhores feudais que se cruzam com crentes de todas as religiões vivendo paixões intensas, ambições e ciúmes, desejos de vingança e tudo o mais que possa interessar numa história romanceada baseada na História. Interessante, sem dúvida, para quem queira dar um giro pelo entrelaçamento que efectivamente houve entre Lisboa, Goa, o Sul da China e todo o Japão.

 

Foi aqui que fiquei a saber da «ilha dos coelhos gigantes». Se o leitor quiser saber do que se trata, leia o livro.

 

Julho de 2017

071.JPG

Henrique Salles da Fonseca



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 18:59
link do post | comentar | favorito
|

LIDO COM INTERESSE – 17

 

 

 Amos Oz - Contra o fanatismo.jpg

Título: Contra o Fanatismo

Autor: Amos Oz

Tradutor: Henrique Tavares e Castro

Editores: ASA Editores; PÚBLICO, Comunicação Social

Edição: 1ª, Abril de 2007

 

 

Pequeno livro para meter num bolso sem deformar a vestimenta, consta de três conferências proferidas pelo Autor em 2002, tudo em 95 páginas de leitura muito fácil e agradável.

 

Nunca tinha ouvido falar deste escritor israelita mas uma coisa tenho desde já por certa: não me vão escapar os próximos livros dele com que me cruze.

 

Se me ponho a dissertar sobre o livro, corro o risco de produzir um texto mais longo que o original e com a diferença de que serei enfadonho onde o Autor é interessante, vago onde ele é preciso. Portanto, opto por algumas transcrições que me parecem elucidativas da qualidade do escritor.

 

Da contracapa extraio que Amos Oz nasceu em Jerusalém numa época em que a cidade estaria dilacerada pela guerra e que por isso mesmo observou em primeira mão as consequências nefastas do fanatismo. Neste livro oferece-nos uma visão única sobre a verdadeira natureza do fanatismo e propõe uma abordagem racional que permita resolver o conflito israelo-palestiniano.

 

Da natureza do fanatismo – conferência proferida em 23 de Janeiro de 2002 em local não identificado

 

(…) Conheço bastantes não-fumadores que o queimariam vivo por acender um cigarro ao pé deles! Conheço muitos vegetarianos que o comeriam vivo por comer carne! Conheço pacifistas (…) desejosos de dispararem directamente à minha cabeça só por eu defender uma estratégia ligeiramente diferente da sua para conseguir a paz com os Palestinianos. (…) a semente do fanatismo brota ao adoptar-se uma atitude de superioridade moral que impeça a obtenção de consensos. (…) o culto da personalidade, a idealização de líderes políticos ou religiosos, a adoração de indivíduos sedutores, podem muito bem constituir (…) formas disseminadas de fanatismo. (…) A essência do fanatismo reside no desejo de obrigar os outros a mudar. (…) O poeta israelita Yehuda Amijai (…) afirma: «Onde temos razão não podem crescer flores.» (…) julgo ter inventado o remédio contra o fanatismo. O sentido de humor é uma grande cura. Jamais vi (…) um fanático com sentido de humor (…) Ter sentido de humor implica a capacidade de se rir de si próprio. (…) Todo o sistema político e social que converte cada um de nós numa ilha (…) e o resto da humanidade em inimigo ou rival é uma monstruosidade. (…)

 

Da necessidade de chegar a um compromisso e da sua natureza – conferência proferida em data e local não identificados

 

(…) O conflito israelo-palestiniano não é um filme do Faroeste selvagem. Não é uma luta entre o Bem e o Mal, mas antes (…) um choque entre quem tem razão e quem tem razão (…) (…) luto como um demónio pela vida e pela liberdade. Por nada mais. (…) isto me distingue do pacifista europeu normal que insiste em que o Mal supremo do mundo é a guerra. (…) a guerra é terrível se bem que o Mal supremo não seja a guerra mas a agressão. (…) quando percebemos a agressão, temos de lutar contra ela, venha de onde vier. Mas só pela vida e pela liberdade, não por territórios extra ou recursos extra. (…) Não acredito que o amor seja a virtude com a qual se resolvem os problemas internacionais. Precisamos de outras virtudes. (…) sentido de justiça, (…) senso comum, (…) imaginar o outro (…).

 

Do prazer de escrever e do compromisso – conferência proferida em 17 de Janeiro de 2002 em local não identificado

 

(…) se eu sou de um país em que toda a gente discute sobre tudo, porque não poderei eu fazê-lo também? (…) (…) Israel não é um país nem uma nação. É uma feroz e vociferante colecção de discussões, um eterno seminário na via pública. (…) Existe um impulso anárquico, não só em Israel, mas julgo que também na herança cultural judaica. Por alguma razão os judeus nunca tiveram Papa (…) esta veia anárquica de discussão é a cruz da nossa civilização (…) (…) O contrário de comprometer-me a chegar a um acordo é fanatismo e morte. (…) E quando digo acordo não quero dizer capitulação (…) quero dizer procurar encontrar-se com o outro em algum ponto a metade do caminho. (…) Se há uma mensagem metapolítica nos meus romances (…) é a necessidade de optar pela vida rejeitando a morte, pela imperfeição da vida rejeitando as perfeições da morte gloriosa.

 

Lisboa, Maio de 2007

 

30816_396526834329_3396631_n.jpg

 Henrique Salles da Fonseca



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 14:35
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 4 de Setembro de 2017
AS MEDALHAS QUE NÃO TIVE

 

 

 

 

O peito do herói soviético é um autêntico mar de medalhas. Deve-as tanto ao número de nazis ou chechenos que abateu nas guerras como ao modo eficaz que praticou ao varrer a parada do quartel ou à poupança registada no consumo do desinfectante dos urinóis do Metro de Moscovo. Recitar um poema de louvor ao camarada Secretário-geral do Soviete Supremo também era motivo para a condecoração do jovem Pioneiro da revolução socialista e a prática louvaminheira da hierarquia também ia sendo motivo para o soviético julgar que era herói só pela acumulação de medalhas que ia pendurando do pescoço à cintura passando por tudo quanto era peito.

 

Só o acto eminente merece destaque; o desempenho cuidadoso da vulgar missão é obrigação funcional e o desleixo é punível. A banalização da condecoração destrói a essência do realce e só se justificava num regime político e económico, o soviético, que nada mais tinha para dar a não ser a flatulência condecorativa.

 

Também nós, portugueses, estivemos quase a cair na “condecoratite” pois bastava ao militar em comissão no Ultramar não ser punido para ter automaticamente direito a uma medalha. E tanto fazia que se tratasse de operacional no mato em zona de combate como de administrativo em zona urbana sossegada e com turistas à volta. Saindo à Ordem da Região Militar que fulano ou beltrano cumprira a comissão de serviço sem punições, era-lhe automaticamente conferida a condecoração. Contudo, a medalha teria que ser comprada pelo condecorado.

 

Chegado aos 18 anos lá fui “dar o nome à tropa” e de então em diante lá fui todos os anos informando o Distrito de Recrutamento de que cumprira os estudos com aproveitamento, assim me sendo conferido o adiamento legal de incorporação nas fileiras. Até que cheguei ao fim do curso e me considerei em condições para “ir pr’à tropa”. Que não, que tinham economistas a mais.

 

- Então você não tem mais nada que fazer? - perguntou-me o Sargento lá de trás do guichet - Venha cá pr’ó ano!

- Muito bem, venho cá pr’ó ano mas, já agora, diga-me cá em que época é que é melhor eu cá vir.

- Olhe: vamos já tratar disso. Você nem cá volta ao Distrito de Recrutamento e vai directamente apresentar-se em Mafra na incorporação de Abril do ano que vem.

 

E assim foi que fiquei um ano em pseudo-férias ou em pseudo-trabalho (passados quase 40 anos continuo sem saber classificar aquele meu ano de espera) pois passei por uma empresa a que a família estava ligada mas montei a cavalo todos os dias e voltei à ginástica até que... lá fui “assentar praça” em Mafra.

 

Assim, contei até aqui sete actos voluntários de ingresso no Serviço Militar: dar o nome; confirmar o fim dos cinco adiamentos; apresentar-me no quartel para a recruta.

 

Não fora o caso de ter engordado cinco quilos durante o primeiro ciclo da recruta e nada de especial haveria para contar, a não ser o facto de ter estado na iminência de ser encaminhado para Infantaria a fim de frequentar o Curso de Comandantes de Companhia e passar a desempenhar as funções de Capitão daquela Arma. Mas à última hora, os Comandos decidiram que os economistas poderíamos optar entre o desempenho das funções de subalternos em Administração Militar (Contabilidade e Pagadoría) ou de Capitães de Infantaria.

 

Eis como todos os estudiosos de Adam Smith e Milton Friedman seguimos direitinhos para o segundo ciclo da recruta na Escola Prática de Administração Militar.

 

Se considerarmos cada regresso de fim-de-semana ao quartel (11, no primeiro ciclo da recruta) como um acto voluntário de construção do Mundo Lusófono, somo 18 até aqui, mais outros 11 durante o segundo ciclo da recruta e ainda mais 11 durante o estágio. Tudo, somando 40 vezes que concordei cumprir o Serviço Militar Obrigatório. E depois desta enorme quantidade de actos voluntários, eis-me mobilizado em rendição individual para Moçambique, terra que há muito ambicionava visitar.

 

Já ia no avião quando um companheiro de viagem me disse que nós, os de Contabilidade e Pagadoría, só tínhamos em Moçambique como colocações possíveis Nampula, Beira ou Lourenço Marques pois os Conselhos Administrativos das Unidades militares espalhadas pela quadrícula tinham sido extintos e a gestão fazia-se conjuntamente nos respectivos Comandos Territoriais. Assim foi que fiquei a saber que iria para uma cidade e não para o mato.

 

Como todos os que iam em rendição individual, fui ao Quartel-general em Nampula – capital militar de Moçambique – receber colocação e . . . fui colocado em Lourenço Marques. Bem sei que “a sorte protege os audazes” (1) mas a minha audácia ainda estava totalmente por provar.

 

Chegado a Lourenço Marques, fui colocado na Comissão de Apoio à Liquidação e Extinção dos Conselhos Administrativos a qual ocupava uma “flat” no bairro militar, mesmo junto ao Clube Militar que, por sua vez, se situava perto da Polana, zona chique da cidade.

 

Faço desde já notar que a documentação a classificar tinha certamente sido colocada na referida casa em conformidade com um processo muito expedito sob o ponto de vista logístico mas algo problemático na perspectiva administrativa: transportada a granel e despejada à pasada.

 

Não será necessário explicar por que é que nesta posição geográfica não utilizei arma de fogo mas o armamento químico a que recorri na primeira missão militar de que fui incumbido em Moçambique destinava-se a exterminar pretos rastejantes e saltitantes, dava pelo nome de “Dum-Dum” e com ele nos íamos libertando de baratas e pulgas.

 

Mas ao fim de três esforçados meses de relativamente pouca classificação documental, muito extermínio químico de elementos indesejáveis e com inesquecível convívio social militar e civil, eis que sou recambiado para o Quartel-general em Nampula no âmbito duma determinação de ali juntar todos os economistas em serviço militar.

 

Colocado na Chefia de Administração e Orçamento, integrei-me de imediato num grupo bem divertido de militares e raparigas (filhas de militares mais velhos que nós), comprávamos três filas do cinema e esgotávamos a capacidade hoteleira quando íamos à Ilha de Moçambique. O serviço era cumprido com a maior normalidade, sem esforço nem sequelas mas com um grande sentido de responsabilidade perante os que, no mato, garantiam o nosso conforto. E se nas horas vagas contribuíamos para que Nampula tivesse um pequeno ensaio de cosmopolitismo, isso era muito positivo para os operacionais que vinham à cidade descansar. Dentre nós, havia os que à noite davam aulas no liceu, os que colaboravam nas missões da Igreja e os que participávamos nas múltiplas actividades da sociedade civil, todos vivendo e deixando viver num espírito de missão histórica a que não conhecíamos o ponto de chegada mas que muito nos fez pensar quando acabou a guerra no Vietname: «Agora foram os americanos; os próximos somos nós» – e fomos mesmo!

 

Muitas foram as histórias que por lá tivemos mas a que mais carinhosamente recordo é a da minha dactilógrafa Claudina, nada e criada em Nampula, miscelânea de sangues macua e goês, a quem nunca fui capaz de convencer de que em Lisboa havia um comboio que circulava debaixo do chão: - Ah! O Senhor Alferes está a brincar comigo.

 

No seu percurso de casa para o escritório (oficialmente era um quartel mas de facto tratava-se de um prédio de escritórios), a Claudina encurtava caminho pela floresta de cajueiros mas depois de almoço não resistia a estender o braço e colher um ou dois frutos. Só que aquele fruto fermenta mesmo a sério quando comido assim em fresco e vai daí que a nossa amiga chegava ao serviço sempre com “um grãozinho na asa”. Era por essa hora que lhe apetecia dançar e vai daí tínhamos que lhe fazer a vontade mas púnhamos o Ázito, o soldado que fazia de contínuo da Chefia, de plantão à escada para nos prevenir da chegada do Coronel. Nunca fomos apanhados a dançar, nunca ninguém faltou ao respeito a ninguém e sempre fomos convidados para os casamentos e baptizados que iam ocorrendo entre o pessoal civil autóctone da cidade e suas redondezas. Quando era hora de trabalhar, trabalhava-se; quando havia menos pressão, podíamos descontrair. Fui fiador de um escriturário que precisava de um pequeno empréstimo bancário para fazer um telhado de zinco na sua casa nova. É claro que fui ao festim de inauguração da casa e ele pagou o empréstimo na íntegra antes da minha saída de Nampula. Gente séria nota-se à distância. Chamava-se Boaventura e tinha acabado de casar quando o conheci.

 

Foi ele que me indicou o Faria Dois Mil, famoso ourives que derretia as moedas de dez Escudos para fazer pulseiras e brincos. Deixava-nos assistir ao trabalho quase todo mas a dada altura voltava-nos as costas com um pedido de desculpas dizendo – Agora tem esperteza, meu Alferes não podes ver. E é claro que o Alferes, eu, nada fazia para ver, estava lá para comprar pulseiras e brincos para a namorada de circunstância e ainda hoje estou convencido de que se visse o que ele escondia não havia de perceber onde podia estar o segredo a que ele chamava “esperteza”.

 

Sentadas, da direita para a esquerda, a D. Glória cujo apelido esqueci e assessorava o Carlos Traguelho, a minha assessora Pedrina Pinto, a  «dançarina» Claudina e uma Senhora que já não identifico; nos militares, também a partir da direita, o 1º é o António Seruca Salgado, o 2º sou eu (não, não estou metido num buraco, sou mesmo mais baixo que os outros), o 3º é o Carlos Prieto Traguelho, todos Alferes Milicianos, a que se segue o nosso Comandante José Giro que então era Major, a seguir está o Capitão Melo, o Alf. Mil. Delmiro Carreira e o Sargento Ajudante de que também esqueci o nome; na varanda e sempre a contar da direita, começamos pelo famoso João Lacerda mas depois só identifico o 3º que é o Boaventura.

 

Um dia houve um forasteiro que, entre outras originalidades, terá limpado os sapatos à toalha das mãos e o funcionário da limpeza, que pomposamente se chamava João Lacerda, colou no autoclismo um escrito que rezava assim:

 

“É favor que não dêtas pabel zenigo nosão nem limpas zabato gom tualha”

 

No 14 de Julho de 1972 saí de Nampula no meu carro com destino a Lourenço Marques – para onde fora novamente transferido – fazendo-me acompanhar de dois amigos, o António Sousa Pires e o Miguel Lory. Tive despedida especialmente organizada por esses “nampulitanos” por quem criei amizade, organizou-se cortejo de carros até ao limite da cidade para nos desejarem boa viagem e houve alguma emoção na despedida final.

 

O meu revólver fez a viagem dentro duma mala e as balas noutra mala, ambas no porta-bagagens. Guerra? Mentira! (2)

 

Ao fim destes anos todos, que será feito da Claudina, do Boaventura e do João Lacerda? Terão sobrevivido ao comunismo? Temo que o cilindro revolucionário tenha feito das suas . . .

 

Passados trinta anos, voltei a Moçambique mas fiquei-me pelo sul e não fui a Nampula. Da próxima vez que lá voltar, hei-de procurá-los mas eventualmente terei que me limitar a encomendá-los. E não haverá por certo qualquer confusão uma vez que os macuas estão muito islamizados e o Allah deles é o nosso Deus: no acto da encomendação, é só uma questão de nome e de ritos. Mas irei à procura deles, ai isso é que vou!

 

Chegado a Lourenço Marques, passei a desempenhar as funções de Tesoureiro do Quartel-general do Comando Territorial do Sul e assim acabei a comissão de serviço na Região Militar de Moçambique: sem actos heróicos nem punições.

 

Duvido que a máquina militar tenha tido grandes ganhos com esta minha missão; limitou-se a ter algum controle orçamental e a ter quem pagasse alguns compromissos. Mas eu ganhei imenso em mundividência, em humanidade, em experiência.

 

Onde está o motivo para a condecoração a que por lei tive direito? Fiz a tropa porque quis; não fui operacional; na vida estritamente militar, nada mais fiz do que o que me cumpria – mas reconheço que o fiz empenhadamente e as punições eram tão raras que a sua ausência não se fazia notar.

 

Por todos estes motivos, entendo que se me dispusesse a receber as medalhas das Campanhas de 1971, 1972 e 1973 em Moçambique, isso seria uma afronta aos operacionais que garantiram o conforto de que usufrui. Por esse mesmo tipo de razões, não me sinto com direito a ombrear com os verdadeiros ex-combatentes nas comemorações do 10 de Junho. A eles, toda a honra.

 

Eis, portanto, as medalhas que não tive.

 

Por isso comprei agora a cópia em miniatura da da Ordem de Cristo editada por um jornal de Lisboa em colaboração com o Museu de Presidência. Como a condecoração verdadeira nunca me foi conferida, comprei a cópia sem a mais leve hipótese de impostura.

 

 

Tavira, Agosto de 2006

 

Henrique Salles da Fonseca

 

(1) - Lema dos Comandos do Exército Português

(2) - Sobre esta viagem bem como sobre a componente não militar da minha presença em Moçambique durante quase quatro anos, farei outras crónicas



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 18:48
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
14
15

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


artigos recentes

LIDO COM INTERESSE - 19

LIDO COM INTERESSE – 73

ESTAREMOS TRAMADOS ENQUAN...

ÉTICA E INFINITO

ARENDT E MARX

PELA ROTA DA ÍNDIA

ONTOLOGIA E ÉTICA

LIDO COM INTERESSE – 72

LIDO COM INTERESSE – 17

AS MEDALHAS QUE NÃO TIVE

arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

links
Contador

contador de visitas para site
blogs SAPO
subscrever feeds