Quarta-feira, 21 de Dezembro de 2016
2017 – O ANO DE TODOS OS RISCOS

 

FHS-relações internacionais.jpg

 

 

Em 2017, imperando a demagogia, a incerteza, temores reais ou infundados, resultados de referendos vários, eleições nos membros fundadores da euro-zona (e da UE), uma América em redefinição, um Médio Oriente instável e um vento árduo que sopra nas planícies de Leste, o que é que ainda sobra?

 

Em suma, 2017 vai ser, muito provavelmente, um ano para esquecer, em termos de êxitos ou, quiçá, pelo contrário, para recordar, passe o paradoxo, em termos de insucessos. Por um lado, a demagogia e o populismo, no sentido latino-americano do termo, crescem um pouco por toda a parte como se viu, recentemente, nas eleições austríacas e no referendo italiano, a meu ver e salvo melhor opinião, dos dois lados da barricada. Por outro, com eleições, por ora incertas, nos 4 Estados da Eurozona e fundadores da UE (França, Itália, Holanda e Alemanha), em que tudo pode acontecer, com um Brexit, ainda mal delineado, o destino da Europa pode estar traçado, ou, talvez, mesmo, riscado. Por outro, ainda, com a imprevisibilidade real do futuro rumo político norte-americano, com um Magrebe e Médio Oriente instáveis, em que os refugiados pesam cada vez mais nas sociedades europeias, para já não falar nos ventos temíveis que sopram de Leste, vamos entrar num ano de mil ameaças.

 

Via referendária, via suicidária?   

 

A via referendária, exemplo tido por perfeito da democracia directa fazendo jus ao estafado lema: “o Povo é quem mais ordena,” foi a opção (suicidária, acrescentaria eu) escolhida pelo Reino Unido e pela Itália para resolver problemas bicudos que o Povão não tem, à partida, capacidade para compreender e menos ainda de solucionar. Não, não estamos a passar um atestado de menoridade ao eleitorado, mas são questões de tal forma complexas, que não se desfazem com um simples “sim” ou “não”. São verdadeiros nós górdios à espera da espada de Alexandre Magno. Todavia foi tudo posto em jogo por Cameron e por Renzi, com demagogia q.b.  (sim, com demagogia, sublinho o termo). Vou simplificar de modo grosseiro: existem estrangeiros oriundos da UE a mais no RU, pois sai-se da UE e corre-se com eles – problema resolvido; o comércio com o continente logo se vê. É o capítulo seguinte. Em Itália, o Senado e as regiões têm demasiado poder dêem-se mais poderes à Câmara baixa e ao Governo central e acaba-se com essa história. Fazer compreender ao eleitorado, apesar de algo rudes e incompletas, estas subtilezas políticas, cuja complexidade é manifesta, obrigam-no ou a abster-se ou a votar, não no que está realmente em causa, mas num voto-sanção ou num voto-apoio em quem está, quer estar ou se aproxima do Poder.

 

Eleições: o establishment, o anti-establishment e a possível implosão

 

Depois temos um calendário eleitoral que juntamente com a via referendária terá a capacidade real de fazer implodir a UE, eleições em 4 estados-membros fundadores da União, com resultados muito incertos: Alemanha, França, Holanda e Itália (aqui em função do referendo perdido por Renzi).

 

Mas vamos lá por partes, interessa analisar um pouco o porquê das coisas:

Antes do mais, as elites europeias, à semelhança, aliás, das norte-americanas, não escutaram (nem escutam) as mensagens dos respectivos eleitorados, o mesmo se aplica aos media convencionais de consumo corrente (TV, jornais, rádio) que se dessintonizaram do povo comum, das suas aspirações e anseios e se identificaram com as elites, à esquerda e à direita, ou se se quiser ao centro-direita e ao centro esquerda – os chamados “centrões”. Todavia, o homem da rua não se sente representado nas elites, nem nos “mass media”. Donald Trump parece ter sido o balde de água fria que fez acordar alguns, por ora, nem todos, nos EUA. O recurso preferencial às redes sociais (Facebook, Instagram, Twitter, You Tube, blogs, jornais digitais, etc.) com notícias verdadeiras ou falsas, reais ou inventadas, começam a ser os meios preferidos de comunicação de massas que envolvem riscos, mas em que se chuta para a frente e os objectivos são atingidos. Desde há muito que o Estado Islâmico se apercebeu disso. O Ocidente, como é hábito, nestas coisas, acorda tarde e a más horas.  

 

Ninguém se apercebeu que a globalização nunca foi uma situação “win-win”, como nos quiseram sempre vender. Com efeito, abriu mercados e trouxe benefícios a alguns países do 3º Mundo e a outros do 1º, mas, sobretudo, às elites, ao tal 1% de ricos. Rezam as estatísticas que, por exemplo, nos EUA, houve quebras salariais nas camadas mais pobres da ordem dos 90%. As deslocalizações são um facto indesmentível e, hoje, irreversível. Quando a indústria automóvel abandona Flint, Michigan para se instalar no México; ou os computadores concebidos em Silicon Valley mas “made in China” invadem os mercados; quando os pequenos agricultores se sentem ameaçados pelas produções mexicanas, há algo que está mal. Argumenta-se, optimisticamente, com o baixo nível de desemprego. Certo. Mas uma coisa era um trabalhador da indústria siderúrgica da Pennsylvania ganhar USD 60.000/ano e, depois da empresa fechar, ir trabalhar como caixa no supermercado “Walmart” e levar para casa 20.000, se é que lá chega.

 

Nesta matéria, a velha Europa corre o risco de colapsar a não ser que a riqueza seja distribuída mais equitativamente (vejam-se as desigualdades de rendimento per capita, por exemplo, no RU, em Espanha e em Portugal) e que os trabalhadores beneficiem de algum tipo de salvaguarda que os proteja dos efeitos colaterais da globalização. Caso contrário, toda a classe política começa, de uma forma ou de outra, a reivindicar o proteccionismo.   

 

Se o sistema é isto, se o “establishment” político-partidário nos conduz a estas situações como não ser anti-sistema, como não ser anti-establishment? 

 

A Itália como exemplo, mas não só

 

A situação em Itália merece um momento de atenção. Por um lado, trata-se de uma revolta contra a UE, máxime contra a Alemanha, em que Roma quer uma devolução de poderes por parte de Bruxelas e diz claramente não ao “diktat” financeiro de Berlim. Por outro lado, ao seguir presumivelmente para eleições, a Itália pode ver-se num imbróglio monumental com as formações anti-sistema a puxarem cada uma para o seu lado (o Movimento 5 Estrelas de Beppe Grillo, a Forza Itália, a Lega Nord, etc.). Uma coisa é certa: o sentimento nacionalista ou ultra-nacionalista veio para ficar. Se chegará ou não ao Poder é o que vamos ver.

 

Na Áustria, o candidato da ultra-direita (FPÖ), Norbert Hofer, atinge os 46,4% contra 53,6% do vencedor, Alexander van der Bellen. O sinal é claro. Quase metade do eleitorado vota nas forças anti-sistema e contra as políticas do centrão local.

 

Os países do grupo de Visegrado (Chéquia, Eslováquia, Hungria e Polónia) situam-se todos eles à direita do espectro político, reivindicando invariavelmente posições nacionalistas, quando não claramente anti-UE, desde Viktor Órban na Hungria ao Partido Lei e Justiça na Polónia.

 

E a França, quase sem mácula, a quem, entre outras coisas, se perdoam os défices e as múltiplas transigências aos exageros dos extremistas islâmicos que residem no hexágono? Penderá para o lado de Fillon, de Marine Le Pen, de Manuel Valls ou de quem quer que represente a esquerda? O medo do salto no desconhecido vai fazê-la de novo apostar num qualquer centrão? Quem sabe?

 

E a Alemanha? Estará com Merkel e recomenda-se? Com as portas abertas a todo o tipo de refugiados, quer se quadrem nas definições legais, quer fora delas, ou seja meros imigrantes económicos que se acolhem de braços abertos, sem hesitações, nem perguntas? E será que os recém-chegados se adaptam ou será que a Alemanha e os alemães têm de se adaptar a quem chega? Desgermaniza-se? A tanto se obriga Berlim ao multiculturalismo e ao “politicamente correcto”?

 

Do Médio Oriente instável à Rússia imprevisível

 

 2017, verá, presumivelmente, o fim do Estado Islâmico, cuja queda não será tão rápida como previam os optimistas, mas já anunciada e, para todos os efeitos, consistente. Resta saber se a erradicação dos núcleos cancerosos, no Médio Oriente e no Norte de África, extirparão de vez a doença? Que ninguém se iluda, o problema são as metásteses e estas já chegam a toda a parte.

 

         Temos, porém, de estar atentos a outros desenvolvimentos. Com a morte de Bouteflika (mais próxima do que parece), a implosão da Argélia é dada como quase certa (excepto se os militares intervierem activamente no processo como no Egipto) e a implantação do jihadismo mais extremista pode tornar-se uma realidade tangível. A consequente guerra civil e os milhões (repito, milhões) de refugiados que a Europa irá acolher, consistirá num verdadeiro tsunami de que a versão síria mais não terá sido senão uma mera turbulência ou agitação marítima de equinócio.

 

         Entretanto, a Rússia está no jogo do “esperar para ver” e, se tem alguns interesses no Médio Oriente, tem outros muito mais relevantes no quadro europeu, sobretudo no Leste e no Báltico. Para já, aguarda sinais da nova administração estadunidense e, igualmente, dos europeus, sobretudo das novas situações criadas ou a criar. O que é que vai fazer? Por ora, é cedo para dizer, mas que vai flectir alguns músculos, pois com certeza que vai.

 

         Apesar de tudo, defendamos princípios

 

O “establishment” esquerdista e liberal (no sentido norte-americano do termo), preconizando a abertura de fronteiras, a imigração irrestrita e a abolição gradual dos estados-nações, apesar da sua popularidade ter-se vindo a desvanecer ao longo dos anos e, hoje, mais do que nunca na mó de baixo, tem vindo a dominar o mundo ocidental durante décadas, designadamente através dos média que lhe são afectos e da tentativa de universalização do “politicamente correcto”, o “newspeak” de que falava Orwell em “1984”, que aí está a demonstrar-nos que o marxismo tem também uma tradução cultural e que pode impor, com subtileza, uma ditadura pela palavra, escrita e falada – leia-se: uma ameaça clara à liberdade. Mas, não, neste caso, não passarão!  

 

 

Francisco Henriques da Silva.jpg

Francisco Henriques da Silva



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 00:32
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 28 de Março de 2016
A PROPÓSITO DOS ATENTADOS DE BRUXELAS

 

FHS-brussels-display.jpg

 

Este artigo da Stratfor é de leitura obrigatória:

https://www.stratfor.com/analysis/brussels-attacks-tear-fabric-european-union?utm_medium=email&utm_content=stratfor_analysis&utm_campaign=nid-224299&utm_source=Facebook

 

O caos instalou-se nessa farsa grotesca e gigantesca auto-denominada União Europeia com os resultados trágicos que se conhecem e que dispensam a abundância de comentários por despicienda.


Já o escrevi no Facebook e repito-me: "A UE é de um imobilismo total, por um lado é o receio de ser considerada xenófoba, racista ou, no mínimo, politicamente incorrecta (uma doença "mental" que se espalhou por toda a parte e que impede que a verdade emirja) e, por outro, a descoordenação, inconsistência e ineficácia dos serviços de informações (intelligence), não só belgas, mas europeus, que impediram que se tomassem as medidas preventivas que se impunham."

 

Podemos enumerar alguns factores e a lista não é exaustiva: a incapacidade real e efectiva de lutar contra o terrorismo: o medo prevalecente, instalado e abrangente; a emergência de forças nacionalistas um pouco por toda a parte, a não absorção ou, nalguns casos, mesmo, a rejeição integral das consequências do 13 de Novembro; o problema dos refugiados/migrantes ainda sem solução à vista, mas com cedências inauditas à Turquia; o eventual termo da live circulação de pessoas, leia-se do acordo de Schengen; a crise financeira, carente de soluções sólidas e minimamente consensuais. Chegámos ao fim do caminho?.

 

Depois admiramo-nos do que diz Donald Trump, Viktor Orban, Kaczynski, Marine Le Pen, o Pegida,a AfD? Admira-me, isso, sim, que as reacções não sejam ainda mais fortes e mais generalizadas.

 

Temos, pois, dois problemas, ambos internos: o terrorismo está entre nós (aliás, sempre esteve), o extremismo impõe-se com força acrescida (o que é uma verdade Lapaliciana)

 

Que fazer?

Francisco Henriques da Silva.jpg

Francisco Henriques da Silva



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 13:05
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Terça-feira, 2 de Fevereiro de 2016
O EI REIVINDICA A PENÍNSULA IBÉRICA

 

 

escravas-do-estado-islamico.jpg

 O Estado Islâmico na sua grande pujança

 

Num vídeo em que um militante do Estado Islâmico (Daesh) executa um alegado espião a tiro, o mesmo militante tece ameaças a Portugal e Espanha. O homem avisa os inimigos do Estado Islâmico que poderão esperar um ataque tão violento que fará esquecer o 11 de Setembro. Os avisos são centrados na Península Ibérica.

 

Esta ameaça não é nova, porquanto os islamitas sempre reivindicaram como seu o território peninsular, que, aliás, figura muitas vezes nas bandeiras do Daesh, em que aparece desenhado o mapa das pretensões territoriais do Estado Islâmico à escala mundial, onde se destaca com especial ênfase Al-Andalus.

 

Em suma: os jihadistas querem recuperar Portugal e Espanha. Há que tomar-se boa nota do que foi recentemente publicado pelos media, que confirmam o que precede, designadamente no Jornal de Notícias. Vale a pena perder uns minutos com a respectiva leitura

 

É por estas e por outras que temos de pensar seriamente em orçamentos dignos e consistentes para as Forças Armadas, para as forças de segurança interna e para os serviços de informações (intelligence). Todavia, parece que existem outras prioridades, na Tugalândia: i.e., se vão subir ou baixar o IVA dos galões e das torradas, o retorno da sobretaxa do IRS e se as Juntas de freguesia devem agrupar ou não várias antigas circunscrições congéneres, entre outros assuntos de palpitante interesse. Aliás, por outro lado, se repararem bem nenhum, mas nenhum, dos 10 candidatos à Presidência da República se referiu, mínima e seriamente, a estas questões de primeira grandeza da vida nacional, ou seja às questões de segurança externa e interna. E, não obstante, o PR, nos termos da Constituição, "garante a independência nacional, a unidade do Estado e o regular funcionamento das instituições democráticas e é o Comandante Supremo das Forças Armadas.", Assim vai Portugal!

 

Se o que os jihadistas afirmam não é relevante para os superiores interesses de Portugal, o que será?

 

O EI, por ora, está confinado a um território relativamente extenso entre o Iraque e a Síria, ou seja o núcleo central do cancro está aparentemente controlado. O problema são as metástases e elas estão por toda a parte, como bem se sabe, inclusive intra-muros.

 

É provável que esta ameaça às nossas sociedades, cada vez mais visível, crescente e perturbadora, não nos venha a afectar, no tempo que ainda nos resta de vida, mas vai seguramente sobrar para os nossos filhos e netos.

 

A resposta tem de ser dada por todos nós, antes que seja tarde de mais.

 

1 de Fevereiro de 2016

 

Francisco Henriques da Silva.jpgFrancisco Henriques da Silva



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 12:53
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Segunda-feira, 11 de Janeiro de 2016
"LE MÉPRIS CIVILISÉ"

 

Voltaire.jpg

 

Um amigo mandou-me a mensagem que se segue, que não resisto em mandar aos meus amigos e correspondentes, com dois pequenos comentários:

- Será que os descendentes de Tárique vão-nos pedir desculpa pela invasão muçulmana da Península em 711 e por terem ganho a batalha de Guadalete? Se o Podemos quer negar a Espanha, a História e os valores comuns que defendemos então que se atire a um poço sozinho e que se afogue, mas que nos deixe viver em paz.

 

- O “politicamente correcto” assinou, de uma forma estulta e inaceitável, a sentença de morte da nossa civilização. A meu ver, é, de facto, a deformação total e aberrante do princípio da tolerância. Com efeito, se as outras culturas não podem ser criticadas então também não podemos defender a nossa.

 

Francisco Henriques da Silva.jpgFrancisco Henriques da Silva

 

 

AOS COVEIROS DA LIBERDADE

 

O ano começou com o ataque organizado por centenas (um milhar?) de norte-africanos contra as mulheres que desciam na estação central de Colónia para festejarem a tradicional festa da passagem do ano; até agora mais de 120 queixas, duas por violação, roubos de telemóveis, dinheiro, etc.; o relatório policial foi publicado há umas horas pela Polícia local: altamente interessante! Lembram-se dos acontecimentos no Cairo?

 

O ano começou e o Podemos tuítou:

 

La toma de Granada fue un genocidio contra los andaluces. Deberia ilegalizarse esas celebraciones fascistas y ofecer disculpas.

 

E hoje, finalmente, o Kindle transferiu a obra do psicanalista suíço Carlo Strenger (cv desconhecido na Wikipédia port - se calhar ainda bem…) "Le Mépris civilisé", que se lê muito bem, um ensaio de noventa páginas, cuja tese central o autor assim explicita:

 

"… à se crisper sur le politiquement correct, on perd de vue le principe fondamental des Lumières, à savoir que rien ni personne n'est au-dessus de la critique. L'idéologie du politiquement correct représente … une grossière déformation du principe de tolérance formulé par les Lumières. Celui-ci visait protéger l'individu des attaques politiques ou religieuses qui mettaient à mal sa libertè de conscience ou de croyance; jamais ce principe de tolérance n'a eu de valeur d'absolution globale pour toutes les pratiques religieuses, philosophiques et culturelles. Mais en transformant et en déformant ce principe, beaucoup de gens de gauche se sont dépossédés eux-mêmes de leur pouvoir: si les autres cultures n'ont pas le droit d'être critiquées, il est de fait impossible de défendre la sienne.

 

Croire que le politiquement correct allait garantir la cohabitation harmonieuse de cultures différentes s'est révélé être une illusion. Du seul point de vue psychologique déjà, cette attitude n'est absolument pas tenable. Aucun individu ne peut respecter en toute sincérité ce qu'il considère au fond comme immoral, irrationnel ou simplement stupide…

 

… la doctrine du politiquement correct … plonge ses racines dans la conviction qu'il est temps que les anciennes puissances coloniales expient les péchés de l'impérialisme, de l'esclavage et du racisme. L'homme blanc - encore un péché! - (et la femme blanche a aussi fini par en prendre pour son grade) …"

 

Donde, em lugar do politicamente correcto o autor propor o desprezo civilizado sob condições claro está. Quais? Estas 90 páginas levam menos de duas horas a ler…

 

O livreiro da "Pó dos Livros" diz-me que o "Tratado sobre a Tolerância", de Voltaire, se tem vendido muito bem. Não me admira, pois não só é uma óptima tradução como - caso raro - tudo se aproveita: Nietzsche via em Voltaire "um dos maiores libertadores do espírito".

 

Em 1983 teve lugar em Budapeste uma grande conferência organizada pelo Ministério da Cultura húngaro dedicada às Luzes; a orientar a nossa jovem delegação estava Helena Vaz da Silva.

 

Bom Ano, e Força para o que aí vem!

 

Abraço

 

7 de Janeiro de 2016



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 08:53
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quinta-feira, 24 de Dezembro de 2015
FELIZES PARA SEMPRE

FHS-FELIZES PARA SEMPRE.jpg 

Li atentamente o programa do governo do PS. Cheguei às seguintes conclusões:

 

• Passarei a viver num Portugal melhor a partir de 2016;

 

• Um país com mais feriados, mais direitos, melhores salários, menos impostos, melhores serviços públicos, refeições mais baratas, rendas mais baixas, uma transportadora aérea nacional, mais pessoas contratadas definitivamente, menos precariedade, menos desemprego, mais natalidade, melhor educação e cultura;


• Um país onde, aconteça o que acontecer, não haverá nem mais uma privatização, onde todos os menos favorecidos poderão estudar com maiores apoios sociais, onde as universidades terão mais financiamento, onde as taxas moderadoras serão reduzidas ou eliminadas, onde se poderão utilizar gratuitamente os serviços de saúde públicos para fazer abortos sem pagar sequer um euro, onde existirão mais abonos, mais subsídios, mais complementos, onde se valorizarão os funcionários públicos, e onde novos e velhos serão mais amigos.

 

Portugal passará, pois, a partir de 2016, a ser um país onde todos quererão viver (não admira, pois, que se preveja, o regresso dos que emigraram).

 

Tudo isto será conseguido com redução da despesa pública corrente, com redução da despesa em pessoal, com redução da despesa com as prestações sociais, com a diminuição acentuada da dívida pública.

 

Nasceu, hoje, um novo manual de economia que levará os seus autores ao prémio Nobel.


Que bom será viver a partir de agora em Portugal.


Um amigo da onça mandou-me este texto e eu antes de o reencaminhar para os meus amigos, lembrei-me dos:

• Belos tempos que eu passei quando era pequenino e o Zorro, o Super-homem, o Batman, O Tarzan, o Homem Aranha, o Popeye, o Tim Tim, apanhavam sempre os ladrões e saiam sempre bem de todas as situações e nunca morria ninguém.

• Das saudades das histórias em que o rapaz (mocinho em brasileiro), ficava sempre com a miúda mais gira e casava com ela para toda a vida.

• Tempos em que eu sonhava (imaginava) ser sempre o mocinho destas histórias.

• O pior foi quando me contaram a história da galinha dos ovos de ouro e depois a da tartaruga e do corvo, mas onde eu acordei para a realidade, foi quando me avisaram para o lacrau da história do lacrau e do sapo.

Eu não quero ser sapo - nem mesmo aquele que se transformou num príncipe, porque nessa história viajaram para o reino do príncipe onde viveram felizes para sempre e eu quero ficar cá no nosso Portugal.

Francisco Henriques da Silva.jpgFrancisco Henriques da Silva



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 20:10
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 22 de Dezembro de 2015
ELEIÇÕES EM ESPANHA

 

Cortes-Generales-Felipe-VI.jpg

 

 

PERANTE A IMPOSSIBILIDADE DE CENÁRIOS À ALEMÃ OU À PORTUGUESA VAI SURGIR UM GOVERNO FRÁGIL NA PERSPECTIVA DE NOVAS ELEIÇÕES EM 2016

 

Os resultados das legislativas espanholas de ontem, se bem que tenham garantido, tal como em Portugal, uma vitória pirrónica ao partido no Poder, vão dar origem a um período muito complexo e de difícil solução em termos de governabilidade. Trata-se, pois, de uma situação manifestamente débil e, salvo milagres de última hora, ainda possíveis, todavia improváveis, que poderá ter de ser resolvida a médio prazo com a convocação de novas eleições.

 

O bipartidarismo terminou definitivamente em Espanha e o novo quadro quadripartidário, inúmeras vezes anunciado, que implica – et pour cause, alguma atomização das pequenas formações – parece que veio para ficar. De salientar a ascensão fulgurante do Podemos (o Syriza espanhol), que, todavia, não pode ainda aspirar ao Poder e o aparecimento do Podemos que, quiçá por erros de campanha e inexperiência politica, ficou aquém das expectativas.

 

O certo é que nenhuma das grandes formações, mesmo em coligação com forças que lhe estão próximas, garante a maioria absoluta no parlamento (ou seja, 176 assentos na Câmara e Deputados). Assim, à direita, o PP (123) com o Ciudadanos (40) garante apenas 163 lugares. À esquerda, o PSOE (90) com o Podemos (69), ainda menos, 159. Todavia, se lhe adicionarmos a Izquierda Unida (comunistas - 2) e mesmo com os 9 da Esquerra Republicana da Catalunha, atingiriamo os 170, ou seja quedar-se-iam 6 lugares aquém do desejado. Além disso, uma tal coligação implicaria cedências de monta às pretensões soberanistas dos catalanistas – maxime a aceitação de um referendo pró-independência – que o PSOE não pode, por forma alguma, aceitar. Por conseguinte, uma coligação negativa “à portuguesa” é, praticamente, impossível.

 

Subsistem outras soluções, designadamente uma grande coligação à alemã, ou seja uma aliança conjuntural PP-PSOE, que teria, presumivelmente, um mandato curto e um programa mínimo, na pendência de novas eleições. Mas esse cenário foi, de imediato, afastado pelos socialistas e por algumas reputadas figuras do PP.

 

Outra hipótese, seria a avançada pelo Ciudadanos: deixar o PP governar, com as abstenções daquele partido e do PSOE. Não obstante este já disse que votará não à investidura de Rajoy. Para além da ingenuidade de uma tal solução, se acaso fosse viabilizada, presume-se que conduziria a Espanha a uma situação de instabilidade permanente. Ao menor sinal, o edifício ruiria.

 

Finalmente, resta saber que tipo de processo negocial poderá ser conduzido, quer à direita, quer à esquerda, com os pequenos partidos, que tipo de cedências terão de ser feitas e que linhas vermelhas não poderão ser franqueadas.

 

Não sendo viáveis as soluções portuguesa (por falta de quórum parlamentar), alemã (por diferenças irreconciliáveis entre as 2 principais forças), fantasiosa a solução do Podemos e demasiado complexa a negociação taco-a-taco com as pequenas formações, aguarda-se para o início de Janeiro a formação de um governo de transição conduzido por Rajoy e o provável anúncio de eleições antecipadas em 2016.

 

Francisco Henriques da Silva.jpgFrancisco Henriques da Silva



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 03:24
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Segunda-feira, 14 de Dezembro de 2015
ISLAMISMO RADICAL

 

Estado Islâmico.jpg

 


Nem sempre o politicamente correcto corresponde ao factualmente correcto e, quer Obama, quer Hillary Clinton, mas, principalmente o primeiro, não só faltam à verdade, como cometem erros grosseiros, a bem não se sabe muito bem de quê, nem como, nem porquê.


Todos os que conhecem minimamente o Islão, não podem, por forma alguma, pôr em causa que o Estado Islâmico é, precisamente, isso mesmo, islâmico. Podemos considerar que se trata de uma forma extrema, violenta e medieval do Islão, mas os apoiantes do EI não são apóstatas e interpretam literalmente o Corão. Por outro lado, quando Obama afirma que 99,9% dos muçulmanos condena os actos de violência e brutalidade perpetrados pelo EI e pelos jihadistas radicais isso não é verdade e ele sabe-o. Com efeito, se os muçulmanos correspondem a 1,6 mil milhões de crentes, apenas 160.000 apoiariam as acções do Daesh, quando sabemos que só os militantes dos grupos mais radicais (EI, Hamas, Hezbollah, Al-Shabbab, Boko Haram, etc) ultrapassam várias vezes essa cifra.
Quanto ao radicalismo, vejamos alguns dados apresentados pelo Pew Research Institute, em 2013, que fez um inquérito às crenças de muçulmanos em 39 países do mundo.

 

Verificam-se, entre outras, as seguintes situações:

  • 27% apoiam a execução de apóstatas;
  • 39% são favoráveis aos assassinatos em defesa da honra (“honour killings”);
  • 53% apoiam a instauração da Sharia como legislação oficial aplicável;
  • 51% favorecem a lapidação das mulheres adúlteras.


Verdade seja dita, que em grande parte dos casos, as populações não apoiam o extremismo, nem a violência cega, mas o certo é que, segundo os dados apurados, um número considerável, de centenas de milhões e não de 0,1% é favorável a práticas que violam os direitos humanos mais elementares.


Quando Obama alega que o EI não é um Estado, está claramente a faltar à verdade: o Daesh domina um território com uma área comparável à da Grã-Bretanha (cerca de 200.000 Km2), com uma população de 8 a 8,5 milhões de habitantes, com um governo e administração próprias e com forças armadas que contam com mais de 80.000 homens (todos estes dados são, obviamente, susceptíveis de alterações conjunturais, consoante a evolução da situação no terreno). Além disso, inúmeras regiões do mundo muçulmano juraram fidelidade ao EI como “wilayats” (províncias). O Daesh tem duas características: não reconhece fronteiras, nem tem (nem quer ter) assento nas Nações Unidas. Mas posto isto: se não é Estado é o quê exactamente?

É para evitarmos cair na demagogia, na islamofobia e em radicalismos extremos que temos de lutar pelo esclarecimento cabal da verdade e não cairmos na conversa confusa e distorcida dos políticos que nos vendem o discurso débil e estulto do politicamente correcto, por outras palavras a “banha da cobra". Além disso, temos de defender os nossos princípios e valores de civilização, sobretudo norteamo-nos por este lema: na nossa terra mandamos nós. E esta questão é incontornável.

 

 

 

Dezembro de 2015

 

Francisco Henriques da Silva.jpgFrancisco Henriques da Silva



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 18:44
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 12 de Dezembro de 2015
A TURQUIA, O PETRÓLEO E O ESTADO ISLÂMICO

 

Russia's air force destroyed 500 ISIS tanker truck

 

O jogo duplo de grandes e pequenas potências é desmascarado neste artigo. Não parece tratar-se de propaganda sectária ou de desinformação mas sim de leitura prioritária!!!

http://www.zerohedge.com/news/2015-11-27/how-turkey-exports-isis-oil-world-scientific-evidence


How Turkey Exports ISIS Oil To The World: The Scientific Evidence

Submitted by Tyler Durden on 11/28/2015

Over the course of the last four or so weeks, the media has paid quite a bit of attention to Islamic State’s lucrative trade in “stolen” crude.

On November 16, in a highly publicized effort, US warplanes destroyed 116 ISIS oil trucks in Syria. 45 minutes prior, leaflets were dropped advising drivers (who Washington is absolutely sure are not ISIS members themselves) to “get out of [their] trucks and run away.”

FHS-Leaflet.png

The peculiar thing about the US strikes is that it took The Pentagon nearly 14 months to figure out that the most effective way to cripple Islamic State’s oil trade is to bomb... the oil.

Prior to November, the US “strategy” revolved around bombing the group’s oil infrastructure. As it turns out, that strategy was minimally effective at best and it’s not entirely clear that an effort was made to inform The White House, Congress, and/or the public about just how little damage the airstrikes were actually inflicting. There are two possible explanations as to why Centcom may have sought to make it sound as though the campaign was going better than it actually was, i) national intelligence director James Clapper pulled a Dick Cheney and pressured Maj. Gen. Steven Grove into delivering upbeat assessments, or ii) The Pentagon and the CIA were content with ineffectual bombing runs because intelligence officials were keen on keeping Islamic State’s oil revenue flowing so the group could continue to operate as a major destabilizing element vis-a-vis the Assad regime.

Ultimately, Russia cried foul at the perceived ease with which ISIS transported its illegal oil and once it became clear that Moscow was set to hit the group’s oil convoys, the US was left with virtually no choice but to go along for the ride. Washington’s warplanes destroyed another 280 trucks earlier this week. Russia claims to have vaporized more than 1,000 transport vehicles in November.

Of course the most intriguing questions when it comes to Islamic State’s $400 million+ per year oil business, are: where does this oil end up and who is facilitating delivery? In an effort to begin answering those questions we wrote:

Turkey's role in facilitating the sale of Islamic State oil has been the subject of some debate for quite a while. From "NATO is harbouring the Islamic State: Why France’s brave new war on ISIS is a sick joke, and an insult to the victims of the Paris attacks", by Nafeez Ahmed:

"Turkey has played a key role in facilitating the life-blood of ISIS’ expansion: black market oil sales. Senior political and intelligence sources in Turkey and Iraq confirm that Turkish authorities have actively facilitated ISIS oil sales through the country. Last summer, Mehmet Ali Ediboglu, an MP from the main opposition, the Republican People’s Party, estimated the quantity of ISIS oil sales in Turkey at about $800 million—that was over a year ago. By now, this implies that Turkey has facilitated over $1 billion worth of black market ISIS oil sales to date."

Here's what former CHP lawmaker Ali Ediboglu said last year:

“$800 million worth of oil that ISIS obtained from regions it occupied this year [the Rumeilan oil fields in northern Syria — and most recently Mosul] is being sold in Turkey. They have laid pipes from villages near the Turkish border at Hatay. Similar pipes exist also at [the Turkish border regions of] Kilis, Urfa and Gaziantep. They transfer the oil to Turkey and parlay it into cash. They take the oil from the refineries at zero cost. Using primitive means, they refine the oil in areas close to the Turkish border and then sell it via Turkey. This is worth $800 million.”

Earlier this month, Ediboglu told Russian media that "ISIL holds the key to these deposits and together with a certain group of persons, consisting of those close to Barzani and some Turkish businessmen, they are engaged in selling this oil" ("Barzani" is a reference to Masoud Barzani, President of the Iraqi Kurdistan Region).

But even as Turkey's ties to the ISIS oil trade have been hiding in plain sight for the better part of two years, the Western media largely ignores the issue (or at least the scope of it and the possible complicity of the Erdogan government) because after all, Turkey is a NATO member.

Unfortunately for Ankara, Erdogan's move to shoot down a Russian Su-24 near the Syrian border on Tuesday prompted an angry Vladimir Putin to throw Turkey under the ISIS oil bus for the entire world to see. Here's what Putin said yesterday after a meeting in Moscow with French President Francois Hollande:

"Vehicles, carrying oil, lined up in a chain going beyond the horizon. The views resemble a living oil pipe stretched from ISIS and rebel controlled areas of Syria into Turkey. Day and night they are going to Turkey. Trucks always go there loaded, and back from there – empty. We are talking about a commercial-scale supply of oil from the occupied Syrian territories seized by terrorists. It is from these areas [that oil comes from], and not with any others. And we can see it from the air, where these vehicles are going."

“We assume that the top political leadership of Turkey might not know anything about this [illegal oil trade although that's] hard to believe," Putin continued, adding that “if the top political leadership doesn’t know anything about this, let them find out."

 

FHS-ISISErdogan.png

 

Obviously, Putin is being sarcastic. He very clearly believes that the Erdogan government is heavily involved in the transport and sale of ISIS crude. In the immediate aftermath of the Su-24 incident, Putin said the following about Ankara:

  • PUTIN: OIL FROM ISLAMIC STATE IS BEING SHIPPED TO TURKEY
  • PUTIN SAYS ISLAMIC STATE GETS CASH BY SELLING OIL TO TURKEY

As part of our continuing effort to track and document the ISIS oil trade, we present the following excerpts from a study by George Kiourktsoglou, Visiting Lecturer, University of Greenwich, London and Dr Alec D Coutroubis, Principal Lecturer, University of Greenwich, London. The paper, entitled "ISIS Gateway To Global Crude Oil Markets," looks at tanker charter rates from the port of Ceyhan in an effort to determine if Islamic State crude is being shipped from Southeast Turkey.

* * *

From "ISIS Gateway To Global Crude Oil Markets"

The tradesmen/smugglers responsible for the transportation and sale of the black gold send convoys of up to thirty trucks to the extraction sites of the commodity. They settle their trades with ISIS on site, encouraged by customer friendly discounts and deferred payment schemes. In this way, crude leaves Islamic State-run wells promptly and travels through insurgent-held parts of Syria, Iraq and Turkey.

Since allied U.S. air-raids do not target the truck lorries out of fear of provoking a backlash from locals, the transport operations are being run efficiently, taking place most of times in broad daylight. Traders lured by high profits are active in Syria (even in government-held territories), Iraq and south-east Turkey.

The supply chain comprises the following localities: Sanliura, Urfa, Hakkari, Siirt, Batman, Osmaniya, Gaziantep, Sirnak, Adana, Kahramarmaras, Adiyaman and Mardin. The string of trading hubs ends up in Adana, home to the major tanker shipping port of Ceyhan.

 

FHS-TradingHubsISIS.png

Ceyhan is a city in south-eastern Turkey, with a population of 110,000 inhabitants, of whom 105,000 live in the major metropolitan area. It is the second most developed and most populous city of Adana Province, after the capital Adana with a population of 1,700,000. It is situated on the Ceyhan River which runs through the city and it is located 43 km east of Adana. Ceyhan is the transportation hub for Middle Eastern, Central Asian and Russian oil and natural gas (Municipality of Ceyhan 2015).

 

FHS-Ceyhan_0.png

The port of Ceyhan plays host to a marine oil terminal that is situated in the Turkish Mediterranean and has been operating since 2006. It receives hydrocarbons for further loading in tankers, which carry the commodity to world markets.

Additionally, the port features a cargo pier and an oil-terminal, both of 23.2m depth that can load tankers of more than 500 feet in length (Ports.com 2015). The annual export capacity of the terminal runs as high as 50 million tonnes of oil. The terminal is operated by Botas International Limited (BIL), a Turkish state company that also operates the Baku-Tbilisi-Ceyhan pipeline on the territory of Turkey.

The quantities of crude oil that are being exported to the terminal in Ceyhan, exceed the mark of one million barrels per day. Putting this number into context and given that ISIS has never been able to trade daily more than 45,000 barrels of oil (see Section 2, ‘The Upstream Oil Business of ISIS’, page 2), it becomes evident that the detection of similar quantities of smuggled crude cannot take place through stock-accounting methods. However, the authors of the present paper believe that there is another proxy-indicator, far more sensitive to quantities of ultracheap smuggled crude. This is the charter rates for tankers loading at Ceyhan.

The Baltic Exchange (2015 a) tracks the charter rates on major seaborne trading routes of crude oil. To render its service more efficient and easily understood, it uses the system of Baltic Dirty Tanker Indices (Baltic Exchange 2015 b). One of these indices used to be the BDTI TD 11, 80,000 Cross Mediterranean from Baniyas, Syria to Laveras, France (see Map VI). Route 11 was discontinued in September 2011, due to Syria’s civil war and soon thereafter, it was replaced by BDTI TD 19 (TD19-TCE_Calculation 2015), of exactly the same technical specifications as BDTI TD 11, with the exception of the loading port of Ceyhan instead of Baniyas.

From July 2014 until February 2015, the curve of TD 19 features three unusual spikes that do not match the trends featured by the rest of the Middle East trade-routes (see Graph IV):

  1. The first spike develops from the 10th of July 2014 until the 21st, lasting approximately ten days. It coincides with the fall of Syria’s largest oil field, the AlOmar, in the hands of ISIS (Reuters 2014);
  2. The second spike takes place from the end of October until the end of November 2014, lasting one month. It happens at the same time with fierce fighting between fundamentalists and the Syrian army over the control of the Jhar and Mahr gas fields, as well as the Hayyan gas company in the east of Homs province (International Business Times 2014; Albawada News 214);
  3. The third spike lasts from the end of January 2015 until the 10th of February, stretching roughly ten days. It happens simultaneously with a sustained US-led campaign of airstrikes pounding ISIS strongholds in and around the town of Hawija east of the oil-rich Kirkuk (Rudaw 2015);

FHS-TankerRates_0.png

The authors of this paper would like to make it clear from the very beginning that this has not been the case of a ‘smoking gun’. The evidence has been inconclusive. But even if volumes of ISIS crude found their way, beyond any reasonable doubt, to the international crude oil markets via the Ceyhan terminal, this fact would not conclusively point to collusion between the Turkish authorities and the shadow network of smugglers, let alone ISIS operatives.

However, having clarified such a politically sensitive issue, the authors believe that there are strong hints to an illicit supply chain that ships ISIS crude from Ceyhan. Primary research points to a considerably active shadow network of crude oil smugglers and traders (see section 2.1, page 3), who channel ISIS crude to southeast Turkey from northeast Syria and northwest Iraq. Given the existence of Route E 90, the corresponding transportation of oil poses no unsurmountable geographic and topological challenges.

An additional manifestation of the invisible nexus between Ceyhan and ISIS became evident through the concurrent study of the tanker charter rates from the port and the timeline of the terrorists’ military engagements (see section 3.4 on this page). It seems that whenever the Islamic State is fighting in the vicinity of an area hosting oil assets, the 13 exports from Ceyhan promptly spike. This may be attributed to an extra boost given to crude oil smuggling with the aim of immediately generating additional funds, badly needed for the supply of ammunition and military equipment. Unfortunately, in this case too, the authors cannot be categorical.

 

* * *

 

No, it can't be categorical and frankly, if the authors claimed to have discovered indisputable proof, we would be immediately skeptical. What they have done however, is identify a statistical anomaly and develop a plausible theory to explain it.

The key thing to note, is that this is a state-run terminal and it certainly seems as though charter rates spike around significant oil-related events involving Islamic State. Indeed, the fact that the authors mention collusion between Turkish authorities and ISIS operatives (even if they do so on the way to hedging their conclusions) indicates that the researchers think such a partnership is possible.

 

FHS-ErdoganISIS2_0.png

Finally, note that Ceyhan is less than two hours by car from Incirlik air base from which the US is flying anti-ISIS sorties. In other words, ISIS oil is being shipped to the world right down the road from Washington's preferred Mid-East forward operating base.

Now that we can add what looks like quantitative evidence that ISIS oil is shipped from Turkey to the voluminous qualitative evidence supplied by ex-Turkish lawmakers, investigative reporters, and the Russian government (to name just a few sources), we can now proceed to consider one final question: where does the crude that helps to fund Bakr al-Baghdadi's caliphate ultimately end up? More on that over the weekend.

 

 * * *

É preciso salientar dois ou 3 pontos fundamentais:


a) As hesitações hamletianas de Washington, como revela o autor:
"...it took The Pentagon nearly 14 months to figure out that the most effective way to cripple Islamic State’s oil trade is to bomb... the oil.”

b) Segundo Vladimir Putin – e faz todo o sentido – o petróleo do Estado Islâmico é exportado para a Turquia para benefício, muito lucrativo, diga-se de passagem, do Estado Islâmico.

c) O terminal petrolífero de Ceyhan, na costa turca, perto da zona de fronteira regista anomalias, no sentido da alta, que não se registam nas demais regiões produtoras do Médio Oriente e que coincidem com períodos de maior actividade bélica no terreno (vizinho, entenda-se), o que pode traduzir-se na necessidade de "cash" por parte do Daesh (acrónimo do Estado Islâmico, segundo designação árabe) para a compra de armamento. O envolvimento do governo turco fica por demonstrar, mas é certo e sabido que a Turquia tem lucrado com o negócio e o Estado Islâmico tem escoado a sua produção através do contrabando transfronteiriço.

 

É extremamente interessante, elucidativo e, além disso, bastante objectivo este artigo de que recomendo adequada leitura e reflexão. Que se extraiam as conclusões que se impõem!

 

Lisboa, Dezembro de 2015

 

Francisco Henriques da Silva.jpgFrancisco Henriques da Silva



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 14:08
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quinta-feira, 10 de Setembro de 2015
O DEBATE PAROQUIAL

 

Passos vs Costa.png

 

Assisti ao debate. Tenho as minhas ideias sobre o que vou fazer no próximo dia 4.

 

Aparentemente, a vertente externa não interessa nem aos candidatos a futuros governantes, nem aos entrevistadores. Com efeito, estamos perante um fenómeno deveras curioso. Sem prejuízo do impacto na nossa vida, sobretudo de um país aberto ao exterior, além disso de uma extrema vulnerabilidade, não se mencionou uma só vez as relevantes influências que nos chegam de fora para dentro, designadamente as seguintes:

 

  • A tragédia grega, que ainda vai na fase inicial e que, em caso de desastre, aliás mais do que provável, as ameaças pendentes para Portugal são enormes (estamos na linha da frente);
  • A provável implosão do Euro e da própria União Europeia;
  • A recessão nos BRIC’s, designadamente o rebentar da “bolha” financeira chinesa e as suas repercussões na economia mundial;
  • O problema dos refugiados e dos migrantes que nos vem bater à porta;
  • A expansão do Estado Islâmico (sabendo-se, concreta e especificamente, que os respectivos dirigentes planeiam em 2020 "reconquistar" a Península Ibérica - "bluff", simples brincadeira ou algo porventura mais sério?) e como contrariá-la;
  • A guerra na Ucrânia que pode degenerar de um momento para o outro;
  • As eleições em vários países europeus, maxime na Grécia e em Espanha.

 

Resumindo, o mundo à nossa volta não existe, nem jamais existiu. Resta-nos olhar para o umbigo e saber se vamos ou não pagar mais impostos e se há ou não plafonamento horizontal ou vertical.

 

Vivemos autisticamente num quarto de brinquedos, perdido num sótão esconso, com que nos entretemos diariamente, desconhecendo o que está para além da porta. 


 

Tratou-se, pois, de um debate paroquial, completamente fora da realidade do mundo em que vivemos. Mas isto é Portugal no seu esplendor ou, se quiserem, o esplendor de Portugal!


 

Não peçam para fazer mais comentários e muito menos a minha opinião sobre o vencedor e vencido: perdemos todos e, a prazo, ainda mais vamos perder!

 

Francisco Henriques da Silva.jpg Francisco Henriques da Silva



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 16:55
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 10 de Abril de 2015
GUERRA NA BOLANHA

FHS-Guerra na Bolanha Capa

 

DE ESTUDANTE, A MILITAR E A DIPLOMATA

 

Publiquei recentemente um livro subordinado ao título e subtítulo acima transcritos. Como existem, por ora, apenas 3 ou 4 referências e recensões criticas, que circulam na Net, permitam-me, um pouco egocentricamente apresentar um pequena sinopse e, que me perdoem o pecadilho, fazer um pouco a publicidade da obra. A 5 de Maio haverá uma sessão de apresentação na Sociedade Histórica da Independência de Portugal, no Largo de S. Domingos, em Lisboa, de entrada livre.

 

À semelhança de muitos jovens da minha geração, fui alferes miliciano de infantaria na então Guiné Portuguesa, entre 1968 e 1970. 27 anos mais tarde fui nomeado embaixador de Portugal na Guiné-Bissau independente, onde assisti e intervim, como testemunha privilegiada e como mediador, na guerra civil daquele país entre 1998 e 1999, o que já descrevi numa minha obra anterior “Crónicas dos (des)feitos da Guiné” (2012).

 

Não é de mais salientar que se tratou de uma situação sui generis, na medida em que, tanto quanto sei, fui o único embaixador que exerceu a chefia de uma missão diplomática, num território onde havia previamente combatido como militar.

 

O presente livro assume um carácter marcadamente intimista e autobiográfico. Para alguns talvez demasiado intimista, quase roçando a linha vermelha do pudor. Mas trata-se, como escreveu o meu antigo camarada de armas Mário Beja Santos, do “crepúsculo dos combatentes” – ou seja, a nossa hora - em que podemos dizer tudo o que nos vai na alma: para nós, hoje, com a idade que temos, já não existem segredos, nem angústias. Somos transparentes e frontais. Chegou o momento de nos assumirmos plenamente, com a coragem e o à-vontade dos cabelos brancos.

 

Este livro refere-se a três momentos distintos, na vida de um jovem.

 

Antes da guerra, ou seja, o dia-a-dia de um adolescente no Portugal dos anos 60 do século passado, da classe média urbana, que foi estudante e roqueiro, os seus hábitos, as suas leituras, o seu percurso académico e os respectivos namoros, até ao seu ingresso nas fileiras e as suas primeiras experiências, como militar.

 

Durante a guerra, a confrontação com um cenário bélico real numa terra estranha consistiu num reality shock complexo - o quotidiano da luta, as condições de vida, os dramas humanos envolvidos, as questões psicológicas, enfim, tudo o que marca de modo indelével um jovem para toda a vida.

 

Depois da guerra, surge uma nova etapa: o regresso definitivo. Como se processou a reinserção na sociedade portuguesa dos anos 70? Que objectivos de vida tinha quando voltou: a retoma ou não dos estudos, os primeiros empregos um tanto mixurucos, a vida sentimental e sexual, a diluição dos traumas de guerra? Que acolhimento lhe reservou o Portugal e os portugueses desse tempo?

 

Via de regra, a maioria dos autores menciona o que foi o conflito nas suas diferentes dimensões, por vezes, com uma incursão ou outra no passado anterior à ida para África, mas muito poucos mencionam a reintegração na sociedade que deixaram, aspecto que procurei abordar na minha perspectiva própria, com franqueza, sem subterfúgios e sem silêncios.

 

Francisco Henriques da Silva.jpg Francisco Henriques da Silva



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 06:45
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
14
15

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


artigos recentes

2017 – O ANO DE TODOS OS ...

A PROPÓSITO DOS ATENTADOS...

O EI REIVINDICA A PENÍNSU...

"LE MÉPRIS CIVILISÉ"

FELIZES PARA SEMPRE

ELEIÇÕES EM ESPANHA

ISLAMISMO RADICAL

A TURQUIA, O PETRÓLEO E O...

O DEBATE PAROQUIAL

GUERRA NA BOLANHA

arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

links
Contador

contador de visitas para site
blogs SAPO
subscrever feeds