Terça-feira, 12 de Setembro de 2017
ÉTICA E INFINITO

ÉICA E INFINITO-LÉVINAS.jpg

 

 

ÉTICA E INFINITO, eis o título de um livrinho (uma escassa centena de páginas de texto propriamente dito) com os diálogos, gravados em Março de 1981, entre o entrevistador Philippe Nemo e o entrevistado Emmanuel Lévinas, publicado pelas «Edições 70» em Agosto de 2010.

Da Wikipédia, respigo alguma informação biográfica de Philippe Nemo:

  • Francês, nascido em 1949, é filósofo e historiador;
  • Professor de filosofia política e social, os seus estudos versam sobretudo o liberalismo, a história das ideias políticas, o conceito de Ocidente e o de República; tem-se também dedicado aos temas da educação e da pedagogia.

Para saber mais, ver em https://fr.wikipedia.org/wiki/Philippe_Nemo

 

Emmanuel Lévinas nasceu na Lituânia em 1906, fez os estudos secundários no seu próprio país e na Rússia mas estudou Filosofia em Estrasburgo de 1923 a 1930, nomeadamente com Husserl e Heidegger. Até que se naturalizou francês em 1930. Passou a ensinar Filosofia, foi director da Escola Normal Israelita Oriental e ensinou na Universidade de Poitiers, na de Paris-Nanterre e na Sorbonne. Morreu em Paris no dia de Natal de 1995.

Da contracapa do livrinho se extrai que o cerne da sua obra consiste na análise do laço indestrutível que existe entre a ética e o infinito, na oposição ao neutro, ao mero ser. Não percebi nada. Havia que ler o livrinho para tentar perceber qualquer coisa.

E lá fui eu…

… começando por rever as passagens que numa primeira leitura me chamaram a atenção e que assinalara (a lápis).

Logo na apresentação que Philippe Nemo faz, fiquei encantado com o parágrafo final que me parece digno de transcrição sem mais explicações: «Emmanuel Lévinas é o filósofo da ética, o único moralista do pensamento contemporâneo. Mas aos que o consideram especialista da ética como se a ética fosse uma especialidade, estas páginas darão a conhecer a tese essencial: que a ética é a filosofia primeira, aquela a partir da qual os outros ramos da metafísica adquirem sentido. A questão primeira - pela qual o ser se dilacera e o humano se instaura como “diversamente de ser” e transcendência relativamente ao mundo, aquela sem a qual, ao invés, qualquer outra interrogação do pensamento é apenas vaidade e corrida atrás do vento - é a questão da justiça.»

No tema «Bíblia e Filosofia», Nemo interroga Lévinas sobre a harmonização dos dois modos de pensamento, o bíblico e o filosófico. E a resposta, esperada, tem tudo a ver com a exegese tanto dos textos sagrados como dos filósofos clássicos: «Os textos dos grandes filósofos, com o lugar que a interpretação tem na sua leitura, parecem-me mais próximos da Bíblia do que opostos a ela, ainda que a concretização dos temas bíblicos não se refletisse imediatamente nas páginas filosóficas. Mas não tinha a impressão que a filosofia era essencialmente ateia. E se, em filosofia, o versículo não pode substituir a prova, o Deus do versículo pode permanecer a medida do Espírito para o filósofo.»

Sobre «Heidegger», retive duas ideias: a de que a angústia resulta do nihilismo, não de etapas teóricas de raciocínios mais ou menos sofisticados mas directa e exclusivamente do «nada»; a de que na hermenêutica heideggeriana sobre os filósofos clássicos «não se manipulam velharias mas, antes, se reconduz o impensado ao novo pensamento». Confesso que aqui me apeteceu aplicar a expressão popular «Toma e embrulha!»

Mais para diante, fui dar com algo que me fez recordar um pensamento que sempre tive e que desconhecia por completo que pudesse ter sido abordado com tanta elevação: a solidão do ser. «Ser é o que há de mais privado; a existência é a única coisa que não posso comunicar; posso contá-la mas não posso partilhá-la». E agora digo eu: o nascimento é um acontecimento partilhado com a mãe, a vida é convivida no sentido da simultaneidade, de um certo compromisso, mas a morte é um acontecimento completamente privado, não partilhável mesmo que ocorra simultaneamente com outras mortes – também cada uma delas em total isolamento, solidão, mesmo que cada um rodeado de vivos. E Lévinas conclui: «Tudo se pode trocar entre os seres, excepto o existir.»

Um dos livros mais importantes que Lévinas produziu parece ter sido «Totalidade e Infinito», publicado em 1961, que eu ainda não li. Mas Philippe Nemo leu-o e trouxe-o à colação num dos diálogos que constam deste livrinho. E a primeira pergunta é a de saber em que medida é que totalidade e infinito se relacionam. A resposta é hegeliana: «A filosofia pode interpretar-se como uma tentativa de síntese universal, uma redução de toda a experiência a uma totalidade em que a consciência abrange o mundo, não deixa nada de fora dela, tornando-se assim pensamento absoluto. A consciência de si ao mesmo tempo que consciência do todo.» E quanto ao infinito? Aí, Lévinas é certeiro: «O infinito é Deus.»

Então, se a Ética é a filosofia primeira da qual tudo deriva e se Deus é o infinito que tudo abarca, o título deste livrinho só poderia ser este: «Ética e Infinito»

 

Setembro de 2017

 

071.JPG

Henrique Salles da Fonseca



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 23:57
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


artigos recentes

OLIVARES, ESSE DEMOCRATA

FRASE DO DIA

CARTA DE UN MINISTRO AL R...

LIDO COM INTERESSE – 74

PERU – 12

PERU – 11

PERU – 10

PERU – 9

PERU – 8

PERU – 7

arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

links
Contador

contador de visitas para site
blogs SAPO
subscrever feeds