Segunda-feira, 19 de Dezembro de 2016
ESTADO DA ÍNDIA PORTUGUESA (III)

 

 

1 – A 17 olhámos para o “antes”. A 18 para o “durante”. A 19 vamos olhar para o “depois”. E o depois, com a agressão militar, não poderia ter sido outro.

 

Goa foi ocupada pelas forças da União Indiana. Com estas a atravessarem o rio Mandovi e a entrarem em Pangim, capital de Goa, com jactos indianos a sobrevoarem a cidade. E no hospital de Pangim, o comandante do aviso «Afonso de Albuquerque» gravemente ferido, depois de sustentar luta feroz, mas desigual, contra um cruzador e dois contratorpedeiros da marinha indiana na baía de Mormugão.

 

2 – Nas Nações Unidas, o delegado francês Armand Berard, referiu a sua “surpresa, pesar e profundo desgosto”, considerando que o acto em si era “caso típico de agressão militar”. O delegado americano Adlai Stevenson, repudiando afirmações do delegado indiano, dizia que o problema não era discutir as vantagens ou inconvenientes do colonialismo português: o problema, sim, era um Estado membro da ONU ter violado a Carta recorrendo ao uso da força. E acrescentou o delegado americano: “É possível que Goa e as suas dependências sejam colónias ou territórios não autónomos, mas o que eles não são é parcelas da União Indiana e em Direito Internacional, pertencem a Portugal”. E o Chanceler Adenauer, da República Federal Alemã (RFA), na sua mensagem de Natal dirigida ao povo alemão, diz que a força passou a governar e acrescentou: “Goa, província portuguesa que se valorizou pelas suas minas de ferro, foi conquistada à mão armada pela União Indiana que tem uma população de 400 milhões de habitantes”.

 

3 – Perante isto, foi apresentado um texto de moção Afro-Asiática, pelo Ceilão (Sri Lanka), Libéria e R.A.U. (República Árabe Unida – Egipto e Síria), em que pedia a Portugal para terminar a sua acção hostil contra a Índia e que os enclaves portugueses constituíam uma ameaça à paz e à segurança internacional. Está-se mesmo a ver que assim era. E como não era, recebeu 4 votos a favor contra 7 no Conselho de Segurança. E, assim sendo, estava em cima da mesa uma moção apresentada pelo bloco ocidental, que recebe 7 votos a favor e 4 contra. Face a esta votação favorável a Portugal, o delegado soviético carimbou-a com o veto. A URSS utilizava, com este, 99 vezes o veto, o que não permitia mais qualquer discussão. Logo, o Conselho de Segurança da ONU não podia discutir mais o assunto. É de acrescentar que a moção ocidental foi apresentada pelos Estados Unidos, Turquia, Inglaterra e França. A Turquia com os seus altos e baixos na ordem política nacional e internacional, merece depois disto, e ainda hoje, toda a compreensão e ajuda que possamos dar.

 

4 – E no seguimento da tomada de posição que anulava a moção ocidental, a Inglaterra, pela voz do MNE, Lord Home, e na Câmara dos Lordes, afirmava que tinha comunicado a Portugal que seria impossível empenhar-se em hostilidades contra a Índia. Mas, no Conselho de Segurança das Nações Unidas, o apoio inglês a Portugal foi nítido. E círculos de Nova Deli consideravam-no mesmo como «o mais critico acontecimento nas relações indo-britânicas desde 1947». Aliás, o PM Macmillan e o PM Nehru já andavam de candeia às avessas sobre o Mercado Comum Europeu, a acção das tropas indianas no Congo – Kinshasa e a projectada redução pela Inglaterra da imigração na Comunidade. E agora, Goa era mais uma acha para a fogueira nas relações bilaterais.

 

5 – E as notícias continuavam a chegar. Com um porta-voz indiano a referir que a última bolsa de resistência em Goa, o porto de Mormugão, tinha terminado e que o Governador-Geral português, general Vassalo e Silva, tinha sido aprisionado. Mas não era para admirar tudo ter acabado tão depressa. Porque entre tropas invasoras, outras preparadas para reforçar a invasão e reservistas para actuar em caso de necessidade, estaria um contingente estimado em 45 mil militares e 26 mil reservistas. E para se oporem a tão grande número de efectivos, o máximo que podíamos ter armado eram cerca de 4 mil homens. Assim, o Comandante Cunha de Aragão gravemente ferido e o Alferes Santiago de Carvalho e o Segundo-Tenente Oliveira e Carmo mortos em combate, deram mais que provas de grande resistência e heroísmo perante o adversário. E, é de referir, que o comandante-chefe das forças invasoras general Chowdhury visitou no campo de prisioneiros portugueses o general Vassalo e Silva, tendo-lhe manifestado admiração pela determinação das forças portuguesas em querer combater, visto que, até pelo armamento, não havia possibilidades de resistir por muito tempo. Testemunhou o acto o capitão Carlos Azeredo, como intérprete entre os dois, visto que Vassalo e Silva não dominava o inglês. Carlos Azeredo que, como general, foi depois Chefe da Casa Militar do Presidente Mário Soares.

 

JAF-Alf. Alberto Santiago de Carvalho.jpg

 Alferes Alberto Santiago de Carvalho

 

JAF-Segundo Tenente Oliveira e Carmo.jpg

 Segundo-Tenente Oliveira e Carmo

 

 6 – Mas não podemos esquecer que para reforçar a guarnição de Timor onde tinha havido incidentes, retiraram-se tropas do Estado da Índia Portuguesa e quando a guerra em Angola rebentou, foi nova sangria de militares e material que dali saíram da mesma maneira. E quando havia exercícios militares das nossas tropas em Goa, verificava-se que as munições não saíam das armas como devia ser. E não tínhamos um único avião militar. As forças indianas tinham artilharia pesada contra a qual não havia possibilidades de enfrentar. No final dos finais, o general Vassalo e Silva, mais uns tantos oficiais, foram gravemente punidos e só com o 25 de Abril lhe foi feita (e a outros) alguma justiça. E na altura, face à atitude das autoridades militares e políticas, vários oficiais pediram para passar à situação de reserva, o que não lhes foi concedido.

 

7 – E nada mais nos restava que não fosse informar entidades e organizações políticas para tudo o que se tinha passado. Mais uma vez, Marcello Mathias era recebido pelo general De Gaulle. A OTAN (NATO) era informada pelo embaixador português na OTAN, Dr. Vasco Pereira da Cunha, sobre os acontecimentos em terras industânicas. O Chefe do Estado cancelava todas as audiências em Belém até ao final do ano e na entrevista concedida por Salazar ao jornal LE FIGARO, o jornalista Serge Groussard questionava: “Os portugueses mantêm uma alma de cruzados. Mas são cruzados sem armas”. Resposta pronta de AOS: “É sempre mais fácil encontrar armas do que cruzados. Por isso não abdico da esperança”.

 

8 – A imprensa internacional como o New York Herald Tribune diz que “a invasão de Goa faz dobrar os sinos pela ordem mundial e também pela organização internacional”. O New York Times considera chocantes as declarações do embaixador indiano junto da ONU. O New York Post refere “uma auréola manchada em Nehru e no seu Ministro da Defesa Krishna Menon porque preferem lançar as armas contra Goa a enfrentar as forças chinesas nos Himalaias que já lhe ocuparam território infinitamente maior que o Estado da Índia Portuguesa”. A imprensa britânica, a começar pelo Daily Telegraph, comenta “que o Pandita Nehru deixou de ser o grande homem que foi até ontem”. O Daily Herald refere “que Nehru desperdiçou todo o prestígio a favor de um pedacinho de território”. Os diários madrilenos condenam a agressão. O Journal de Genève e a Gazette de Lausanne dizem “que Nehru ficou com a imagem enxovalhada”.

 

9 – Em Nova Iorque, o ministro da Defesa da Índia, Krishna Menon, questionado quando a Índia recuperaria os territórios que perdera em favor da China vermelha, referiu que o tentaria fazer sem recorrer à força. Pois… Porque seria?

 

10 – E não. Não se pense que o autor destes textos pensaria que o Ultramar Português não seria questionado algum dia e seria sempre português. Não. Os novos Brasis aconteceriam. Mas seria sempre melhor sem o sofrimento provocado a tantos. De um lado e de outro. Mas, por vezes, a aceleração dos tempos está ligada a muitos imponderáveis. E passados anos, “as mágoas” são ultrapassadas.

 

11 – E a agradecer ao Henrique Salles da Fonseca, camarada de armas há muitos e muitos anos na parcela do Índico, mais uma vez, o espaço que me dá. E a agradecer também que tenha publicado este pobre contributo, apenas como lembrança do que foi a História, a Geografia e a Política de Portugal.

 

Em 19.12.2016.

José Augusto Fonseca

José Augusto da Fonseca

 

Apoio Documental Principal: IMPRENSA Nacional e Internacional – 1961



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 04:25
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De Henrique Salles da Fonseca a 19 de Dezembro de 2016 às 15:20
Maria Isabel Alcoforado, Pedro Vasconcelos Lima, Fernando Madruga e Mário R R Faria gostam disto


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


artigos recentes

OLIVARES, ESSE DEMOCRATA

FRASE DO DIA

CARTA DE UN MINISTRO AL R...

LIDO COM INTERESSE – 74

PERU – 12

PERU – 11

PERU – 10

PERU – 9

PERU – 8

PERU – 7

arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

links
Contador

contador de visitas para site
blogs SAPO
subscrever feeds