Domingo, 15 de Outubro de 2017
PERU – 2

 

MISTÉRIOS QUÉCHUAS

 

Primeiro mistério:

rio-rimaq.jpg

 

Em conformidade com a pronúncia quéchua, o rio Rimaq pronuncia-se ˈli.maq e, como noutros topónimos, a oclusiva final desapareceu ao passar ao castelhano, preferindo-se, com o tempo, a grafia Lima. Isto, porque o Rimaq é um dos três rios que por ali desaguam e, sendo o maior, impôs o seu nome à cidade.

Não foi, portanto, nenhum cavalheiro de apelido Lima que fundou a cidade.

Segundo mistério:

república-do-peru-mapa-do-país-84537221.jpg

 

A palavra Peru deriva de Birú que, no início do século XVI, era o nome de um cacique indígena do Panamá. Quando, em 1522, os seus domínios foram visitados pelos exploradores espanhóis, logo foram denominados «terras do Biru», toponímia que se estendeu para sul até ao actual Peru mas desaparecendo na origem geográfica.

A Coroa Espanhola oficializou o nome do território em 1529, com a «Capitulação de Toledo», que designou o Império Inca como a Província do Peru. Sob o domínio espanhol, o país era denominado Vice-Reino do Peru, que, após a guerra da independência do país, se tornou a República Popular do Peru.

O nome Peru nada tem, portanto, a ver com a nossa vítima natalícia.

 

Terceiro mistério:

O Inca.jpg

Civilização Inca? Não! Civilização quéchua!

Inca, o rei filho do Sol, governava o povo quéchua e, portanto, a civilização era do povo e não do rei. Se a civilização fosse do rei, morreria com a morte do seu dono; sendo do povo, prossegue…

A este tema – morte e ressurreição da civilização quéchua - regressarei numa crónica futura.

Outubro de 2017

 

Barranco, Lima, Peru, 12 de Outubro de 2017.jpg

 Henrique Salles da Fonseca



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 13:46
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 14 de Outubro de 2017
PERU – 1

 

O BOOKINISTE PERUANO

 

Foi numa das minhas passagens pelo aeroporto de Lima que entrei numa loja de «recuerdos» mas que também vendia livros, me dirigi ao cavalheiro que parecia por ali saber tudo e lhe disse que da literatura peruana só conhecia o Garcia Marquez; se ele me podia sugerir outro autor genuinamente representativo da literatura peruana que ali tivesse obra à venda nos seus escaparates. Mas era claro que podia e que o fazia com o maior «gusto». E põe-me de imediato na mão um livro de bom tacto (os dedos também gostam de mexer na literatura). Nunca eu ouvira falar de Javier Cercas e muito menos da sua obra «El monarca de las sombras». Da editora – LITERATURA RANDOM HOUSE – também nada sabia. Cheirou-me a alguma réstia de passagem mais ou menos fugaz do investimento britânico a favor da aculturação do povo quéchua mas guardei essa suspeita numa das minhas dobras cerebrais mais recônditas. Porquê em Lima, uma editora com tal nome? Mas como da cantracapa e das badanas nada se poderia concluir em desabono de alguma nova literatura peruana, comprei.

E comecei a ler…

El-Monarca-de-las-Sombras.jpg

 

Bem escrito, leitura agradável, prolegómenos em Espanha; enquadramento sublime das circunstâncias que num «pueblito extremeño» conduziram à guerra civil… e já vou nos agradecimentos finais que o Autor faz a quem o ajudou nas investigações para a escrita sair assim histórica, política e sociologicamente tão interessante e ainda não emigrei para o Peru. Mas fiquei a saber muito sobre o que se passava ali do outro lado da fronteira de Elvas. Sim, o «pueblito» chama-se Ibahernando e é ali para as bandas depois do Caia.

E fui eu até aos Andes para ler sobre tão perto.

Então, a pergunta que me ocorre é: terá o «recuerdista» do aeroporto de Lima desejado enfiar o garruço a um papalvo de bigode que por ali passava a pedir conselhos ou seria ele mesmo ignorante quanto à literatura peruana?

A resposta que posso dar é muito simples: é por caminhos inesperados que aprendemos muito do que ignoramos.

Ah! Santa ignorância do bookiniste peruano!

Outubro de 2017

Barranco, Lima, Peru, 12 de Outubro de 2017.jpg

Henrique Salles da Fonseca



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 19:43
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Domingo, 24 de Setembro de 2017
ESCRITORES ESQUECIDOS

 

 

Boileau.jpgNICOLAS BOILEAU

 

Nicolas Boileau-Despréaux (Paris, 1636 — Paris, 1711) jurista, crítico e poeta francês. Publicou o seu primeiro volume de sátiras em 1666. Foi apresentado na corte em 1669 após a publicação de seu Discurso sobre a sátira.

 

Desde cedo aprendeu a não ter qualquer ilusão e cresceu com "o desprezo pelos livros estúpidos". Foi educado no Colégio de Beauvais e continuou os seus estudos de Teologia na Sorbonne. Mudou de curso, para Direito. Seguiu-se breve carreira como advogado. O pai morreu em 1657 deixando-lhe uma pequena fortuna, de forma que se pôde dedicar às letras.

 

PAROLES DU POÈTE À SON JARDINIER, ANTOINE

Antoine, de nous deux, tu crois donc, je le vois,

Que le plus occupé dans ce jardin, c’est toi.

Oh! Que tu changerais d’avis et de langage,

Si, deux jours seulement, libre du jardinage,

Tout à coup devenu poète et bel esprit,

Tu t’allais engager à polir un écrit

Qui dît, sans s’avilir, les plus petites choses,

Fît des plus secs chardons des oeillets et des roses…

 

* * *

 

Sim, eu também não duvido que os trabalhos braçal e intelectual produzem cansaços bem diferentes.

 

Setembro de 2017

 

071.JPG

Henrique Salles da Fonseca

 

 

BIBLIOGRAFIA

  • Wikipédia
  • «Anthologie de la poésie française», Annie Collognat-Barès, LE LIVRE DE POCHE, Libretti, 1ª edição, Setembro de 1998


publicado por Henrique Salles da Fonseca às 18:52
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017
LIDO COM INTERESSE - 19
 
 
 
 
Título«Diário de Leal Marques sobre a formação do primeiro
                 Governo de Salazar»

Fátima Patriarca.jpg

AutoraFátima Patriarca

 
Editora – Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa
              
Edição – “Análise Social” – Vol. XLI, 1º Trimestre 2006, pág. 169 e seg.
 
 
 

Antero_Leal_Marques_1930_1941.jpg

 

 
Poucos serão os portugueses actualmente vivos que já tenham ouvido falar de Antero Leal Marques e ficarão por certo espantados ao saberem que este farmacêutico foi Chefe do Gabinete de Salazar durante uma dúzia de anos, entre 1928 e 1940.
 
Dá para imaginar, num país com 900 anos de História, quantas personalidades ainda estarão envoltas nas brumas da nossa ampla e faustosa ignorância …
 
Pois foi esse desbrumar que a Dr.ª Fátima Patriarca, Investigadora do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, nos proporcionou com este trabalho.
 
Trata-se da explicação do manuscrito do «Diário» em apreço que abarca o período compreendido entre os dias 28 de Junho e 11 de Julho de 1932, ou seja, o relativo à formação do primeiro Governo do Doutor Salazar e nele se compreende como foi complicado gerir um processo cheio de nuances.As subtilezas tinham muito a ver com o regime – República ou Monarquia – mas também havia que considerar a indisciplina que grassava no Exército, na Marinha e na Guarda Nacional Republicana.
 
A mudança de regime foi claramente um processo de transição morosa e traumática em que o alevantamento dos espíritos era frequentemente fomentado por quem pretendia ver satisfeitas mordomias a que se habituara ou a que se queria habituar. O jogo de interesses e a “prestação de serviços” está claramente exposto neste «Diário»: por ele se vê como os quartéis tiveram que “ser postos em sentido” e como foi necessário induzir o “sentido de Estado” a todos aqueles que se queriam manter na política.
 
Transparece como evidente que a preparação do terreno que o Doutor Salazar pisou em muito se deveu ao trabalho do General Domingos de Oliveira que não contou com polícias secretas nem terá recorrido a procedimentos democraticamente menos deontológicos. O autor do «Diário» tece-lhe mesmo assinaláveis encómios com os quais o General se comoveu e … comover um General não será uma tarefa de cumprimento diário, presumo.
 
O «Diário» é antecedido de uma breve apresentação em que a Autora resume a biografia de Antero Leal Marques, nomeadamente nos períodos anterior e posterior à época em que trabalhou directamente com o Doutor Salazar e ao longo do texto do documento transcrito vai produzindo Notas do maior interesse identificando as personalidades amiúde nomeadas de tal forma que o leitor se consegue integrar no ambiente descrito.
 
Para além do mérito científico que o trabalho evidencia, trata-se de uma leitura muito agradável que nos faz compreender os acontecimentos sem a influência da actual propaganda política e que nos incentiva à descoberta de outras personalidades ocultas que nos espreitem lá dos recantos em que se encontrem na História de Portugal.
 
 
Tavira, 10 de Agosto de 2007
 
Henrique Salles da Fonseca


publicado por Henrique Salles da Fonseca às 08:46
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 16 de Setembro de 2017
LIDO COM INTERESSE – 73

História da Companhia de Jesus.png

 

Título – «HISTÓRIA DA COMPANHIA DE JESUS EM PORTUGAL»

Autora – Maria de Deus Beites Manso

Editora – EDIÇÕES PARSIFAL

Edição – 1ª, Setembro de 2016

 

Da badana se extrai que, fundada por Inácio de Loyola, a Companhia de Jesus tornou-se numa das principais ordens religiosas no combate ao Protestantismo, na aplicação das determinações do Concílio de Trento e no estabelecimento de missões fora da Europa.

Com uma responsabilidade maior na doutrinação, desde a sua implementação ao nosso país, a Companhia de Jesus foi um dos agentes centrais da expansão portuguesa revelando, desde sempre, uma notável capacidade de adaptação aos remotos lugares onde chegava com recurso a múltiplas formas de evangelização – adoptando na Ásia costumes locais perante civilizações e religiões complexas; defrontando-se no Brasil com práticas ancestrais de antropofagia, onde seria edificada uma notável rede de ensino.

A Autora é professora na Universidade de Évora, tem escrita enxuta e produziu um livro de verdadeiro interesse para quem gosta de perceber como fizemos um Império.

Descontando anexos, notas, agradecimentos e referências bibliográficas, são 203 páginas de texto que transmitem uma ideia inesperada sobre a dimensão de Portugal ao longo da vida da Companhia desde que para cá veio no reinado de D. João III até à actualidade: a página 199 inaugura a história jesuíta no território a que actualmente estamos confinados porque nas páginas antecedentes tudo era Império. Mais: enquadrada no Padroado Português, a Província do Oriente da Companhia chegou a ter jurisdição desde o Cabo da Boa Esperança até Nagasáqui sendo também «nossas» as Províncias jesuítas do Brasil e a da África Ocidental.

Sim, Portugal foi grande e, em consequência, a Companhia de Jesus também. A Companhia tem, entretanto, um Papa; nós, não.

Setembro de 2017

HSF-2.jpg

 Henrique Salles da Fonseca

(no Sri Lanka, 2015)



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 08:43
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quarta-feira, 13 de Setembro de 2017
ESTAREMOS TRAMADOS ENQUANTO...
 

 

KNORR-arroz malandrinho.png

 

 

... a comida for caseirinha

    (ou a comidinha for caseira);

... o arrozinho for malandro

    (ou o arroz for malandrinho);

... as pombinhas forem da Catrina

    (ou a Catrina for bloqueirinha);

... a cozinha for o reino da panelinha

    (ou o "panelinho" mandar na cozinha);

... as batatinhas forem assadas no braseiro

    (ou a assadura arder no traseiro);

... os poderosos se roerem de inveja

    (ou os invejosos se mantiverem no Poder);

... os analfabetos forem adultos

    (ou os adultos forem analfabetos);

... isto tudo não entrar nos eixos

    (ou um eixo não espatifar tudo).

 

Tenho dito!

 

Chefe índio 2.JPG

Henrique Salles da Fonseca



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 08:40
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 12 de Setembro de 2017
ÉTICA E INFINITO

ÉICA E INFINITO-LÉVINAS.jpg

 

 

ÉTICA E INFINITO, eis o título de um livrinho (uma escassa centena de páginas de texto propriamente dito) com os diálogos, gravados em Março de 1981, entre o entrevistador Philippe Nemo e o entrevistado Emmanuel Lévinas, publicado pelas «Edições 70» em Agosto de 2010.

Da Wikipédia, respigo alguma informação biográfica de Philippe Nemo:

  • Francês, nascido em 1949, é filósofo e historiador;
  • Professor de filosofia política e social, os seus estudos versam sobretudo o liberalismo, a história das ideias políticas, o conceito de Ocidente e o de República; tem-se também dedicado aos temas da educação e da pedagogia.

Para saber mais, ver em https://fr.wikipedia.org/wiki/Philippe_Nemo

 

Emmanuel Lévinas nasceu na Lituânia em 1906, fez os estudos secundários no seu próprio país e na Rússia mas estudou Filosofia em Estrasburgo de 1923 a 1930, nomeadamente com Husserl e Heidegger. Até que se naturalizou francês em 1930. Passou a ensinar Filosofia, foi director da Escola Normal Israelita Oriental e ensinou na Universidade de Poitiers, na de Paris-Nanterre e na Sorbonne. Morreu em Paris no dia de Natal de 1995.

Da contracapa do livrinho se extrai que o cerne da sua obra consiste na análise do laço indestrutível que existe entre a ética e o infinito, na oposição ao neutro, ao mero ser. Não percebi nada. Havia que ler o livrinho para tentar perceber qualquer coisa.

E lá fui eu…

… começando por rever as passagens que numa primeira leitura me chamaram a atenção e que assinalara (a lápis).

Logo na apresentação que Philippe Nemo faz, fiquei encantado com o parágrafo final que me parece digno de transcrição sem mais explicações: «Emmanuel Lévinas é o filósofo da ética, o único moralista do pensamento contemporâneo. Mas aos que o consideram especialista da ética como se a ética fosse uma especialidade, estas páginas darão a conhecer a tese essencial: que a ética é a filosofia primeira, aquela a partir da qual os outros ramos da metafísica adquirem sentido. A questão primeira - pela qual o ser se dilacera e o humano se instaura como “diversamente de ser” e transcendência relativamente ao mundo, aquela sem a qual, ao invés, qualquer outra interrogação do pensamento é apenas vaidade e corrida atrás do vento - é a questão da justiça.»

No tema «Bíblia e Filosofia», Nemo interroga Lévinas sobre a harmonização dos dois modos de pensamento, o bíblico e o filosófico. E a resposta, esperada, tem tudo a ver com a exegese tanto dos textos sagrados como dos filósofos clássicos: «Os textos dos grandes filósofos, com o lugar que a interpretação tem na sua leitura, parecem-me mais próximos da Bíblia do que opostos a ela, ainda que a concretização dos temas bíblicos não se refletisse imediatamente nas páginas filosóficas. Mas não tinha a impressão que a filosofia era essencialmente ateia. E se, em filosofia, o versículo não pode substituir a prova, o Deus do versículo pode permanecer a medida do Espírito para o filósofo.»

Sobre «Heidegger», retive duas ideias: a de que a angústia resulta do nihilismo, não de etapas teóricas de raciocínios mais ou menos sofisticados mas directa e exclusivamente do «nada»; a de que na hermenêutica heideggeriana sobre os filósofos clássicos «não se manipulam velharias mas, antes, se reconduz o impensado ao novo pensamento». Confesso que aqui me apeteceu aplicar a expressão popular «Toma e embrulha!»

Mais para diante, fui dar com algo que me fez recordar um pensamento que sempre tive e que desconhecia por completo que pudesse ter sido abordado com tanta elevação: a solidão do ser. «Ser é o que há de mais privado; a existência é a única coisa que não posso comunicar; posso contá-la mas não posso partilhá-la». E agora digo eu: o nascimento é um acontecimento partilhado com a mãe, a vida é convivida no sentido da simultaneidade, de um certo compromisso, mas a morte é um acontecimento completamente privado, não partilhável mesmo que ocorra simultaneamente com outras mortes – também cada uma delas em total isolamento, solidão, mesmo que cada um rodeado de vivos. E Lévinas conclui: «Tudo se pode trocar entre os seres, excepto o existir.»

Um dos livros mais importantes que Lévinas produziu parece ter sido «Totalidade e Infinito», publicado em 1961, que eu ainda não li. Mas Philippe Nemo leu-o e trouxe-o à colação num dos diálogos que constam deste livrinho. E a primeira pergunta é a de saber em que medida é que totalidade e infinito se relacionam. A resposta é hegeliana: «A filosofia pode interpretar-se como uma tentativa de síntese universal, uma redução de toda a experiência a uma totalidade em que a consciência abrange o mundo, não deixa nada de fora dela, tornando-se assim pensamento absoluto. A consciência de si ao mesmo tempo que consciência do todo.» E quanto ao infinito? Aí, Lévinas é certeiro: «O infinito é Deus.»

Então, se a Ética é a filosofia primeira da qual tudo deriva e se Deus é o infinito que tudo abarca, o título deste livrinho só poderia ser este: «Ética e Infinito»

 

Setembro de 2017

 

071.JPG

Henrique Salles da Fonseca



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 23:57
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 10 de Setembro de 2017
ARENDT E MARX
 

 

O trabalho é a actividade que corresponde ao artificialismo da existência humana (...) porque (...) produz um mundo artificial de coisas nitidamente diferentes de qualquer ambiente natural.

 

Hannah Arendt.jpgHanna Arendt, in The Human Condition, University of Chicago Press, ed. 1984, pág. 7

 

 

É claro que não preconizo o ócio, esse que considero o «pai» de todos os vícios, mas dá gosto comparar esta frase arendtiana com a alienação marxista sobre o que ela escreve a páginas 253-254 da mesma obra:

 

A moderna perda de fé não é de ordem religiosa na sua origem e o seu alcance não se limita à esfera religiosa. Pelo contrário, a evidência histórica demonstra que os homens modernos não foram arremessados de volta a este mundo, mas para dentro de si mesmos. O que distingue a era moderna é a alienação em relação ao mundo e não, como pensava Marx, a alienação em relação ao ego.

 

 

HSF-AGO16-Tavira

Henrique Salles da Fonseca



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 13:07
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 8 de Setembro de 2017
PELA ROTA DA ÍNDIA

MOGADOR-ESSAOUIRA.jpg

 

 

Pela rota de Índia se foi fazendo Portugal e disso é prova que foi com os dinheiros realizados na Europa com mercadorias exóticas, tais como o açúcar madeirense, que se financiou o início da construção em Lisboa do Hospital de Todos os Santos. Corria o ano de 1498.

 

Mas foi bem antes disso, em 1430, que os monges da Ordem da Trindade se instalaram definitivamente em Tavira ali construindo o Hospital do Espírito Santo para apoio aos navegantes e combatentes no norte de África. De tal modo a sua acção se destinava a apoiar os agentes da conquista que há quem considere este o primeiro hospital do ultramar português.

 

Dará para imaginar no que nessas épocas remotas consistiam os hospitais e que medicina neles se praticava?

 

Fossem quais fossem, eram os tratamentos que à época se conheciam mas a higiene devia ser bem duvidosa. Normalmente, aproveitavam-se umas casas que estivessem livres e de que o Alcaide ou Governador militar pudessem dispor nelas autorizando a entrada de doentes que se recolhiam a montes de trapos a que chamavam enxerga. Era sobre esses trapos que se derramavam os humores sempre fétidos só que alguns purulentos e outros apenas orgânicos. Dá para imaginar . . .

 

Quem desses doentes tratava eram religiosos que tudo faziam por amor a Deus pois outro sentimento não poderá ser invocado no meio de tanta pústula, escara, febre e gemido. Era pois necessário que os religiosos seguissem os mareantes. Sobretudo a partir do momento em que pelo ano de 1434 Gil Eanes dobrou o Cabo Bojador e em que a evacuação de doentes para Portugal deixava de ser possível sem acrescidos riscos na sobrevivência do infeliz. A expansão da Fé passou a ser anunciada como um objectivo das descobertas portuguesas mas não restam muitas dúvidas de que só assim é que se conseguiria convencer a Igreja a acompanhar esses meio azougados aventureiros que estavam certamente muito mais interessados no ouro da Mina e nos curativos hospitalares do que na piedade inspirada no crucifixo.

 

Apesar da relativa proximidade, em 1486 foi instalado em Safim um local de acolhimento dos doentes enquanto não eram evacuados para Tavira. Acabou este local por desempenhar as funções de verdadeiro hospital pois chegou a ter físico, cirurgião e boticário. A terra era pobre naquelas paragens mas o mar, esse, era pródigo em pescarias e era nessa faina que os portugueses lá andavam por longos períodos. O pretexto para se instalar este hospital foi o do apoio aos nossos pescadores mas acabou por servir toda a população indígena que muito beneficiou com a situação. Datam de muito mais tarde, 1516, os hospitais de Tânger e Arzila e é incerta no tempo a fundação do Hospital de Santa Cruz do Cabo de Gué, hoje Agadir, que foi praça portuguesa entre 1505 e 1541.

 

Mas se a rota do Algarve d’além-mar (Marrocos) para Portugal se fazia em linha recta e o porto de chegada era algures no Algarve d’aquém-mar, quando a origem da viagem era a sul do Cabo Bojador, a rota era circular zarpando as caravelas para o mar alto rumo à Madeira e Açores, daí tomando o nascente até Lisboa. Eis a razão pela qual foi necessário edificar em Lisboa o Hospital de Todos os Santos e não mais no sul do reino. Só que o hospital de Lisboa nunca foi considerado afecto ao ultramar pois atendia sobretudo às populações residentes na cidade e cercanias.

 

O mais antigo hospital situado além do Bojador foi mandado erigir em 1497 pelo Rei D. Manuel na Ilha de Santiago, em Cabo Verde, a que se seguiu o de S. Jorge da Mina (actual Gana) em 1498. Foi ainda o Rei D. Manuel que em 1504 mandou instalar o hospital em S. Tomé para apoio aos mareantes que demandavam o Manikongo mas que acabou por se destinar sobretudo às populações residentes em clima tão inóspito como aquele que hoje sabemos ser sobretudo palustre.

 

... e assim foi que Bartolomeu Dias dobrou o Cabo das Tormentas.

 

Chegados ao Índico, havia que prover aos cuidados nessa banda já tão longínqua e nada menos do que dois hospitais foram instalados em 1505 em Sofala e Quilôa e o da Ilha de Moçambique em 1507. Foi este último que passou a assumir a liderança no sistema de saúde português na costa oriental de África dadas as condições de salubridade do local e a afabilidade dos povos indígenas.

 

Mas a navegação no Atlântico sul deixou em 1500 de se fazer ao longo da costa africana passando a fazer-se pelo recém-descoberto Brasil com aproveitamento total dos alísios e evitando as calmarias namibianas. Eis como se tornou necessário e possível instalar um hospital na resguardada Bahia de Todos os Santos. Contando com o de Tavira, foi este o 9º na sucessão.

 

Data de 1511 a instalação do hospital em Melinde, não longe de Zanzibar, onde os portugueses largavam habitualmente a navegação costeira para se fazerem à travessia do Índico rumo a Chaul, já na costa do Malabar.

 

A amizade estabelecida por Vasco da Gama com o Rei de Cochim facilitou a instalação naquele porto em 1505 do mais antigo hospital português naquela costa, a que se seguiu em 1506 o de Cananor. São incertas as datas em que se edificaram os hospitais em Goa e Baçaim mas em 1512 Afonso de Albuquerque vê-se obrigado a expulsar os falsos doentes que se recolhiam em mendicidade no hospital de Goa e por carta datada de 31 de Outubro de 1548 da Misericórdia de Baçaim se ficou a saber que “(…) porque serteficamos a Vossa Alteza, que o ano em que sercarão Dio (1546), forão tantas as necessidades desta terra de feridos e doentes e pobres, que a elle della vyeram que nem ho espritall, nem a misericordia, nem o capitão nem outras nenhumas pessoas erão poderosas pera os agasalhar, nem curar, nem respairar, como hera necessaryo, se não forão os moradores desta terra que, ainda que são pobres, vendo quanto compria ao serviço de Deus e de Vossa Alteza, faziãm de suas casas espritais, e gastavão o seu, e davam muita conssolação dos ferydos e doentes que de Dio vynhão, que herão muytos”.

 

Assim contamos 17 hospitais entre Tavira e Baçaim. Ficam por contar os que se instalaram para lá da Índia. Mas disso tratarei alhures quando o Sol cair em terra e se puser por trás de Madurai e Pondicherry.

 

Lisboa, 28 de Março de 2006

 

Buenos Aires, 2012.jpg

Henrique Salles da Fonseca

 

 

BIBLIOGRAFIA:

ARMADAS PORTUGUESAS – apoio sanitário na época dos Descobrimentos

Autor: Médico Capitão-de-mar-e-guerra José de Vasconcellos e Menezes

Editor: Academia de Marinha, Lisboa, 1987



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 14:52
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 7 de Setembro de 2017
ONTOLOGIA E ÉTICA

 

«A vida é susceptível de ser compreendida com os termos que a filosofia reserva para a análise do ser: o ser está em cada ente concreto que existe mas nenhum destes seres concretos domina o ser, nenhum á capaz de esgotar toda a riqueza do ser; do mesmo modo, nenhuma pessoa pode reclamar um direito de propriedade sobre a vida que a atravessa, como se se sentisse superior à sua [própria] vida ao ponto de se reconhecer como o seu dono absoluto.

(…) A existência humana é por definição um tecido de relações com os outros. Assim como não sou proprietário da vida deles nem eles da minha, também não sou dono da minha própria existência».

Michel Renaud.jpg

Michel Renaud

(In «Acerca da eutanásia e da dignidade humana», Brotéria – Julho de 2017, pág. 131)

 

* * *

Assim, se pelo suicídio (assistido ou não) alguém toma como absolutamente seu algo que outrem lhe proporcionou graciosamente (a vida) e abusivamente decide pela extinção do seu próprio ser, coarcta também um direito alheio, o dos outros que com ele convivem, desse modo infringindo a ética e, como tal, cometendo um acto sumamente criticável.

 

Setembro de 2017

071.JPG

Henrique Salles da Fonseca



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 15:33
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


artigos recentes

OLIVARES, ESSE DEMOCRATA

FRASE DO DIA

PERU – 12

PERU – 11

PERU – 10

PERU – 8

PERU – 7

PERU – 6

PERU – 5

PERU – 3

arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

links
Contador

contador de visitas para site
blogs SAPO
subscrever feeds