Quarta-feira, 5 de Maio de 2010
ESPÍRITO SANTO – SALVAÇÃO DE PORTUGAL

  

 

 

Nos grandes lances de vida, quando o homem se sente chamado para alguma coisa importante, não o move tanto o conhecimento, mas basicamente o instinto gravado no seu DNA. O impulso ganha movimento, marcha, vai em frente, através do valor do seu juízo pessoal, na busca de um ideal de felicidade, força motivadora que o leva a um tipo de atitude perante o mundo e a ele mesmo.

 

Sentimento como o patriotismo advém de uma emoção incutida por comportamentos racionais, aprendidos e exercidos com respeito e crença. O Português nasceu sob o signo da fé, tendo nas veias o germe da curiosidade, da aventura, do comércio. Desde remotos tempos, guiado por um ideal divino, nele ganhou força, desenvolveu coragem, criou asas.

 

Como nação unificada, primeira da Europa, ergueu-se como produto das Cruzadas. Subjugou os mouros, cresceu, dominou os mares, conquistou outras terras, levou e trouxe para outros povos coisas, conhecimentos, riquezas, culturas novas. Sob a égide da Cruz da Ordem de Cristo, lutou, matou e morreu, construiu um império, criou uma identidade reconhecida em todo o mundo. Religioso, submeteu-se à Igreja católica romana, sua luz e cadeia.

 

Para além da necessidade material, a crença que o homem se liga ao Ser Supremo, através da fé no Pai, no Filho e no Espírito Santo, leva-o a comportamentos intrépidos, heróicos, que a racionalidade ateia desconhece. Portugal identificou-se com as crenças do Cristianismo, nele achou respostas aos sofrimentos e injustiças humanas. Espera a recompensa divina na imortalidade da alma que Deus promete, num mundo esclarecido, sem desigualdades sociais, de paz para todos, de força para fazer o que é preciso, de temor para refrear o orgulho, de conselho para tomar cuidado, de piedade para combater o egoísmo; dons que o Espírito Santo representa.

 

Com D. Sebastião, Portugal morre como expoente na Civilização Ocidental do século XVI. Após Alcácer-Quibir, o Império Português desmorona aos poucos, vítima de uma sequência de factos históricos e secretos, que o prostrou ao Espanhol, à Igreja Romana, ao mundo civilizado. Com a Inquisição tolheram aos portugueses o domínio do saber e da economia. Com a Espanha, encimando as coroas ibéricas, perderam feitorias africanas e asiáticas, frotas mercantes, armas, fortunas familiares, compradas aos morgados. Quase perderam o Brasil para os Países Baixos.

 

Esvaziado de riquezas, ideias e de ideais, em ciclos de prosperidade passageira, Portugal viu seu povo entrar em depressão, negligenciar-se nos estudos e na defesa, afastar-se da evolução da modernidade europeia. Se não fosse Salazar, um patriota que pôs a soberania do país acima de qualquer coisa, talvez até os Açores fossem americanos agora, coisa que o ressentimento contra o Continente deixaria muitos ilhéus contentes.

 

Mas o tempo tudo muda, as situações, o ambiente, fica só o gene das pessoas, também modificado pelas misturas.

 

Hoje Portugal globalizado, parcialmente modernizado, deficientemente educado, insuficientemente produtivo, inchado por governos burocráticos e pouco eficientes, com problemas ético-administrativos para resolver, vê-se outra vez economicamente submetido ao estrangeiro (vizinho), tentando superar os desafios de se manter uma nação idónea, numa comunidade que o encara com pouco crédito.

 

Entre tudo isso, o que mais assusta é perceber uma juventude apática, sem ideias próprias, com a identidade esquecida, com a história da pátria ignorada, com valores estranhos à sua cultura, sem um ideal comunitário que puxe para adiante o país. Talvez, na actual conjuntura, o que se precisa é recorrer à Reserva Espiritual de Portugal, os Açores. Quem sabe não seja o Culto ao Espírito Santo, preservado na memória e exercido na cultura insular, a fonte anímica e restauradora da identidade nacional? Quem sabe não seja o arquipélago atlântico a mostrar o caminho, o desígnio profético da Nova Era?

 

Numa época materialista, fria de sentimentos, que cultua o individualismo, o egoísmo e a indiferença ao que se passa com o irmão, resta-nos buscar, como antigamente, respostas na fé que anima a alma e revigora o espírito. Afinal somos produtos da criação de alguma força sobrenatural que nos submete e que ao mesmo tempo nos fortalece, que dá a ilusão que, embora tão pequenos, nos sintamos tão grandes.

 

 Maria Eduarda Fagundes

Uberaba, 21/04/2010

 

Fonte da Foto: Livro “O Culto do Espírito Santo” (Tomaz Duarte Jr.)


tags:

publicado por Henrique Salles da Fonseca às 09:33
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


artigos recentes

PERU – 6

PERU – 5

PERU – 4

PERU – 3

PERU – 2

PERU – 1

ESCRITORES ESQUECIDOS

LIDO COM INTERESSE - 19

LIDO COM INTERESSE – 73

ESTAREMOS TRAMADOS ENQUAN...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

links
Contador

contador de visitas para site
blogs SAPO
subscrever feeds