Domingo, 18 de Abril de 2010
O PONTO E A ALAVANCA

 

 

Foi Arquimedes de Siracusa que afirmou um dia – creio que já depois do lendário grito “Eureka” com que anunciou que descobrira a fórmula de obtenção do volume dos corpos, partindo da água da banheira onde se banhava – que, com um ponto de apoio e uma alavanca ele moveria o mundo.

 

Tratava-se de um sábio, talvez descrente dos mitos que explicavam a criação do mundo e a sua infinita variedade. Daí a arrogância do dito que serviria, no entanto, a outros sábios e a outras descobertas posteriores.

 

Entretanto, um povo com tendências místicas, achara que tal criação do mundo, que povos politeístas atribuíam a poéticos deuses responsáveis pela organização de guerras e a criação de heróis na Terra, fora, pelo contrário, ordenada por um só Deus e que esse Deus a ele confiara pessoalmente o seu papel nessa criação, ditando-lhe umas leis que ficaram inscritas na pedra e anunciando, progressivamente, depois de muito castigar os homens, a vinda dum Messias que com a sua morte os salvaria.

 

Politeísmo, monoteísmo, formas de justificar aquilo que o Homem procura em vão conhecer, o problema da Criação, o problema do Criador. Religiões responsáveis pela criação de obras humanas, com maior ou menor veracidade, mas cuja autoria se perde na noite dos tempos – caso das epopeias gregas, caso das narrativas da Bíblia. E todas elas de extraordinária profundidade e beleza, a par de uma criatividade que nos maravilha, mau grado a bruteza de tantas delas, aliadas ao sentido do milagre nas histórias bíblicas do Velho Testamento, e até do Novo, de que a morte de Cristo seria a mais cruel e inútil.

 

O monoteísmo, prevalecendo sobre outras formas de teísmo, na formação do judaísmo, islamismo, cristianismo, espíritos racionalistas tentariam pôr em causa, posteriormente, o problema dos dogmas, defendendo a liberdade de pensamento, combatendo a superstição, como o fizeram os filósofos da Revolução Francesa, como Voltaire, com o seu frio deísmo racionalista, ou Rousseau, com o seu poético deísmo sentimental, seguidores, de resto, da filosofia inglesa, defendendo a liberdade e a tolerância religiosas, responsabilizando a própria natureza humana pelos seus males e misérias. Muitos mais filósofos se lhes seguiram, os adeptos do agnosticismo teísta ou ateísta, que nega ao homem a possibilidade de definir cientificamente Deus, os primeiros baseando na fé a sua crença, os segundos negando Deus.

 

É esta última a posição de Saramago, que se proclama ateu e que escolhe uma personagem bíblica para condenar a Bíblia, como livro de “maus costumes”, a pretexto de que ficou marcado em criança já, pela injustiça de Jeová contra Caim.

 

Entre as várias parábolas tão poéticas ditas por Jesus aos seus apóstolos, também lembro a história do “Filho Pródigo” como uma história de injustiça, que poderia atrair igual vingança do irmão cumpridor, que nunca teve vitelo nem banquete a festejá-lo. Mas a doutrina de Cristo é de bondade e perdão, temos que a aceitar, enquanto que a de Jeová é de vingança e retaliação.

 

Não é caso para se condenar duma assentada uma obra tão extraordinária criada pelo homem, até porque, ressalvada a perícia de alguma obra sua, o ponto e a alavanca de Saramago não têm a dimensão para destruir que tiveram os de Arquimedes para construir, movendo.

 

Berta Brás



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 09:27
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
18
19

21
23
24
25
26

27
28
29
30
31


artigos recentes

ADESÃO DA GUINÉ-EQUATORIA...

«GRANA PADANO»

17 HOSPITAIS NA ROTA DA Í...

LIDO COM INTERESSE - 11

CRIAR TRABALHO: O AMBICIO...

O CULTO AO ESPÍRITO SANTO...

(IR)RACIONALIDADE TRUMPIS...

MEDO OU FOBIA

DEPOIS DO…

DONALD TRUMP – 3

arquivos

Agosto 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

links
Contador

contador de visitas para site
blogs SAPO
subscrever feeds