Segunda-feira, 5 de Abril de 2010
CURTINHAS Nº 77

 

PONTO DE ORDEM À MESA

 

 De cada vez que ouvir funcionários públicos, funcionários de empresas públicas, funcionários de empresas de capitais públicos, funcionários de fundações constituídas e alimentadas com dinheiros públicos, sindicalistas e outros que tais a gritarem que não podem ser eles, sempre os mesmos, a suportar a saída da crise, levantar-me-ei para dizer bem alto:

 

- Não me endividei para comprar o que não podia pagar;

- Não foi por minha causa que os Bancos se endividaram no exterior até à ponta dos cabelos;

- O Estado não me deu emprego (nem sequer a misericórdia de um trabalho);

- O Estado não me pagou salários;

- O Estado não me fez a atenção de uma prestação social (que também não requeri);

- O Estado não cuidou de mim (porque felizmente não estive doente);

- A Justiça não me inspira confiança;

- Se tivesse filhos em idade escolar, benzer-me-ia porque o Estado não me dá o direito de escolher a escola que melhor me pareça;

- Em suma, nada recebi do Estado (e também nada pedi) - e não terá sido por minha causa que o Estado se endividou para lá do razoável;

- E vou pagar esta crise, como todos os demais, com língua de palmo;

- E faço-o na esperança (ténue, muito ténue) de que os sacrifícios que me esperam tenham algum préstimo.

 

 Já agora, aproveitarei para esclarecer funcionários públicos, funcionários de empresas públicas, funcionários de empresas de capitais públicos, funcionários de fundações constituídas e alimentadas com dinheiros públicos, sindicalistas e outros que tais que quem tem pago crises e desvarios é, sempre e só, o contribuinte (onde eles também se incluem, naturalmente, na medida da carga fiscal que suportem).

 

 Aqueles de Vosselências que estejam na mesma situação que eu, façam o favor de se pronunciarem.

 

 A. Palhinha Machado


tags:

publicado por Henrique Salles da Fonseca às 09:30
link do post | comentar | favorito
|

4 comentários:
De Miguel Mota a 5 de Abril de 2010 às 13:44
Se, como a maioria dos portugueses, A. Palhinha Machado, acredita que "isto" é democracia, só tem que culpar a maioria dos seus concidadãos, que tão maus governos têm eleito. (Eu sei que, em qualquer parte do mundo, um sistema onde os cidadãos não se podem candidatar a deputados e onde meia dúzia de pessoas ditam a 8 milhões de eleitores em quem é que eles têm "licença" de votar - e em listas com ordem fixa! - é uma ditadura, sem quaisquer resquícios de democracia. Se me queixava, no antigamente, de, apesar de me poder candidatar ou de apoiar quem desejasse, nada conseguir porque aldrabavam as contas, como é que posso aturar esta ditadura, que até tem alguns pontos piores que a outra, como se vê pelo afundamento do país e a brutal perda do poder de compra da maior parte dos portugueses).
Sem ser jurista mas porque sei o que quero para o meu país, já publiquei numa revista universitária uma "Proposta de Alterações à Constituição", de que aqui transcrevo dois artigos:

Artigo 149º
Alterar para:
Os Deputados são eleitos por círculos eleitorais uninominais, constituídos por um conjunto de freguesias adjacentes, somando um total de (40.000 a 50.000 ?) eleitores ou, no caso de haver freguesias com mais do que esse número de eleitores, por bairros adjacentes, de forma a situarem-se dentro daqueles limites.

Artigo 151º
1 - Alterar para:
As candidaturas serão apresentadas, nos termos da lei, por um grupo de não menos de X nem mais de Y eleitores do respectivo círculo eleitoral.
Definir os números X e Y. Pode considerar-se como referência a eleição para o cargo de Presidente da República, em que a proporção é de, aproximadamente, um a dois por cada mil eleitores. Para um círculo de 40.000 eleitores teríamos 40 a 80 proponentes, que parece ser número aceitável.

Miguel Mota


De apmachado a 6 de Abril de 2010 às 17:11
Estou de acordo, embora pense que os partidos políticos têm também um papel a desempenhar, sempre que, através do debate interno, criem um segundo círculo democrático, mais apertado e mais intenso, como forma de contrabalançar a tendência para o caciquismo que invariavelmente acompanha o método de círculos uninomiais. Para mim, a Democracia (como p modelo de mercado) nao é caminho seguro para nenhum "óptimo social". É sim uma organizaçao da "polis" que nao faz da mudança um drama, ou uma tragédia. E, nessa medida, faz apelo â paciência, â tolerância - e â persistência. As 3 virtudes que a actual realidade exige.


De Luis Santiago a 6 de Abril de 2010 às 17:45
Dr. Palhinha Machado, Eu defendo os círculos uninominais como base da representação democrática directa e da responsabilização política pessoal, ou seja, como representados poderemos bater à porta do representante e pedir-lhe explicações pelos seus actos. Quando nos refere o caciquismo no método uninominal não estaremos, de certeza, a falar da mesma coisa. O método uninominal carece de um estudo e avaliação pública do comportamento familiar do candidato que tem a ver, na minha opinião, com a sua identificação pessoal, cultural, moral e geográfica em que será apreciado para merecer a nomeação. O caciquismo é o contrário disto. Temos de identificar e saber, de uma vez por todas, quem merece representar-nos e em quem podemos confiar. Os partidos na sua vivência actual é que são um exemplo de caciquismo interno e externo, de grupos e grupinhos de interesses e toda a panóplia de aberrações resultantes deste estado de intensa degradação interna social.


De apmachado a 6 de Abril de 2010 às 23:20
Acontece que uma boa parte do bom povo português sonha ser pdrinho e exige ser afilhado (ou seja, que haja alguém que o tenha por conta). Nestas circunstâncias, nao surpreenderá que apareça quem ofereça prendas para conquistar votos - e quem aceite as prendas e vote. Mesmo na nossa modesta democracia, alguns exemplos tem havido - apesar da pretensa pseudo disciplina partidária.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


artigos recentes

O FILHO DAS SALSAS ERVAS

FRASE DO DIA

RESTAURADORES DA SOBERANI...

OLIVARES, ESSE DEMOCRATA

FRASE DO DIA

CARTA DE UN MINISTRO AL R...

LIDO COM INTERESSE – 74

PERU – 12

PERU – 11

PERU – 10

arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

links
Contador

contador de visitas para site
blogs SAPO
subscrever feeds