Quarta-feira, 3 de Março de 2010
BURRICADAS nº 64

 

Com papas e bolos... OU A COMEDIA DEL’ARTE (I)
 
 
 
v      Corre por aí que BCP, BPN e BPP são fruta da mesma árvore. Assim não é, porém. Deixando de lado o caso BCP, bem mais complicado, o BPN é o exemplo rematado de um Banco gerido como se fosse um Ministério: o chefe máximo convencido de que só ele manda e é sempre obedecido; as ideias mais megalómanas de par com a incompetência mais estonteante; a convicção profunda de que a fonte do dinheiro nunca secará, gaste-se o que se gastar; prestar contas, nem ao travesseiro; enfim, uma cegueira esquizofrénica perante a realidade mais evidente.
v      O BPP, por seu turno, é no que dá o “chico-espertismo” (e com isto, não estou a referir-me, apenas, à Direcção Superior deste Banco) que não percebe patavina daquilo que faz, mas que se considera a inveja do mundo só porque tem de memória uns quantos chavões finos e modernos, em inglês (what else?). E é do BPP e dos seus “produtos de retorno absoluto” que vou tratar aqui.
v      Que eram, então, esses “produtos” (na realidade, eram contratos, aliás, como tudo o mais na vida financeira)? E que diabo se deveria entender por “retorno absoluto”?
v      Segundo parece, não ocorreu aos preclaros Supervisores com poderes na matéria (a CMVM e o BdP): repor o valor das palavras, acabando de vez com eufemismos que confundem a percepção dos riscos envolvidos; perguntar em que consistia isso de “retorno absoluto”; e, já agora, exigir textos contratuais redigidos em português que qualquer um percebesse (já que se destinavam ao público em geral).
v      Então é assim:
o           O Cliente, desafiado e convencido, celebrava por escrito (este ponto é importante!) com o BPP um contrato de gestão fiduciária (ou mandato de gestão), ao abrigo do qual confiava ao Banco uma determinada quantia, por um determinado prazo e com uma determinada finalidade.
o           A quantia (o capital a aplicar) estava sujeita a mínimos (que foram descendo com o passar do tempo), mas não a máximos (ou seja, quanto mais melhor – coisa estranha, quando os Bancos estão sujeitos a exigências mínimas de capitais próprios).
o           O prazo da aplicação oscilava entre poucos meses e 2 anos, sem que a renovação fosse automática (nuns casos era, noutros não).
o           A finalidade, essa, era uma só: adquirir instrumentos representativos de dívida, designados artisticamente por loan notes (assim mesmo, em inglês, para que não restassem dúvidas), que entidades mantidas no segredo dos deuses tinham emitido, ou iriam emitir (o que também ficava na sombra).
o           O BPP, gestor fiduciário, assumia-se fiador das tais loan notes (fiança que, na grande maioria destes contratos, garantia também uma rentabilidade - convencionada, nuns casos, ou mínima, noutros), mas essa fiança só era exigível na data em que o investimento (que nada mais era que um empréstimo a terceiro por identificar) se vencia.
o           O Cliente poderia exigir o reembolso antecipado da aplicação; mas, em tais circunstâncias, só recuperaria o “valor de mercado” do seu investimento (que, recordo, era um crédito, a tal loan note, sobre não se sabia quem) – muito embora em nenhum lado estivesse escrito como é que esse valor de mercado seria apurado (seria, talvez, aquilo que o gestor fiduciário, o BPP, quisesse e pudesse restituir).
o           Para dar um toque final de profissionalismo e demonstrar cuidado com os supremos interesses do Cliente (coisa que fica sempre bem quando se trata de serviços financeiros), os contratos de gestão fiduciária vinham qualificados, ora como de “risco reduzido”, ora como de “risco médio”, ora como de “risco elevado” - para que os interessados não dissessem, mais tarde, que não sabiam ao que tinham ido.
v      Este esquema (que, convém dizer, era – e é – utilizado por vários outros Bancos, nalguns casos promovido e publicitado como “Depósito com Capital Garantido”, sob o olhar complacente dos Supervisores) suscita, desde logo, umas quantas perguntas:
-             O que é isso de loan notes?
-             Como são calculados a que dão lugar (ou seja, cadê a Ficha Técnica)?
-             Que Direito se lhes aplica? E em que jurisdição são dirimidos eventuais conflitos?
-             Sendo o Direito português, que figura jurídica lhes corresponde e qual o foro judicial competente?
-             Quem são os devedores desses empréstimos? A quem pertencem? A que actividades se dedicam? Por que critérios devem pautar a sua gestão?
-             Que destino vão eles dar ao dinheiro que lhes é emprestado?
-             Que diz o BPP sobre a capacidade de pagamento desses devedores, e em que dados fundamenta essa opinião? Ou o facto de ser deles fiador dispensa mais conversa?
-             Qual a natureza da fiança subscrita pelo BPP? Só é exigível após se demonstrar que o património desses devedores (emitentes das tais loan notes) é insuficiente? Ou poderá ser exigida logo que eles entrem em incumprimento?
-             Em que mercados estão essas loan notes admitidas à cotação - pois só assim fará sentido falar de “valor de mercado”?
-             Como será determinado o “valor de mercado” das loan notes, caso o Investidor queira ser reembolsado antecipadamente?
v      Outras perguntas não tão óbvias ocorrem à ideia também:
-             Como é que o BPP contabilizou os fundos que lhe foram confiados para aquisição (ou seria subscrição?) destas loan notes?
-             Como é que o BPP, enquanto gestor fiduciário, deve contabilizar os rendimentos periódicos que as loan notes proporcionem (no pressuposto de que elas, sendo dívida, pagam juros de tempos a tempos)?
v      Vou responder a estas - e a outras perguntas que, entretanto, forem ganhando corpo – nos próximos capítulos (cont.).
Março de 2010
 A. Palhinha Machado

tags:

publicado por Henrique Salles da Fonseca às 08:46
link do post | comentar | favorito
|

3 comentários:
De Luis Santiago a 4 de Março de 2010 às 12:23
Estes "negócios" de alguns bancos, com a permissão do Supervisor e com a minha estupefacção pela falta de fiscalização tempestiva, sofrem de mau hálito crónico, isto é, cheiram muitíssimo mal. Em que entidades bancárias podemos confiar, eis a questão .


De Adriano Lima a 4 de Março de 2010 às 16:25
Faço minhas as palavras do comentarista Dr. Luís Santiago. O sistema financeiro tem de recuperar depressa a sua crediblidade, pelo menos aquela que a sustentou minimamente, pois ela é uma condição irrecusável para debelarmos a crise. Mas, pelo que tenho lido de algumas autoridades na matéria, teme-se que tudo se limite a pequenas cosméticas e que as coisas fiquem na mesma até sermos "surpreendidos" num futuro próximo por nova crise, quiçá com uma recaída que tornará a doença incurável e com um efeito letal e definitivo no sistema que comanda as nossas vidas. Se isso vier a contecer, então, sim, a solução para o mal será qualquer coisa nunca antes vista. E se assim for, as previsões poderão apontar para uma tábua rasa onde tudo irá ser de novo inscrito e ordenado. Sob a batuta de quem e com quem?


De Henrique Salles da Fonseca a 5 de Março de 2010 às 08:40
RECEBIDO POR E-MAIL:

Prestar contas? Onde? Quando? Como? Porquê? Para quê? E assim vamos vivendo...
Berta Brás


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


artigos recentes

PERU – 5

PERU – 4

PERU – 3

PERU – 2

PERU – 1

ESCRITORES ESQUECIDOS

LIDO COM INTERESSE - 19

LIDO COM INTERESSE – 73

ESTAREMOS TRAMADOS ENQUAN...

ÉTICA E INFINITO

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

links
Contador

contador de visitas para site
blogs SAPO
subscrever feeds