Sábado, 6 de Fevereiro de 2010
ORÇAMENTO 2010: UMA OPORTUNIDADE PERDIDA

 

Na Mensagem de Ano Novo, o Senhor Presidente da República Portuguesa fez um apelo simples e claro. Disse o Senhor Presidente da República que, face ao actual estado da economia portuguesa, das contas públicas e do endividamento externo era essencial que os partidos chegassem a um compromisso de médio prazo para que Portugal pudesse inverter a tendência actual e resolver os seus principais problemas. Ao lançar este desafio, o Professor Cavaco Silva só poderia ter querido dizer duas coisas: uma, que um eventual acordo a que se pudesse chegar quanto às contas públicas não se ficasse pelo ano de 2010; a outra, que, realisticamente, o acordo a conseguir deveria sê-lo com os partidos à direita do PS. Estando o PSD no estado em que está, isto é, não estando a Dra. Manuela Ferreira Leite em condições de poder vincular o seu partido a um acordo que vigoraria integralmente para lá da sua liderança, era no CDS que se depositavam todas as esperanças.
 
Ora, o CDS dispunha de várias hipóteses. De entre todas, duas foram tomando forma: uma, a do “caderno de encargos”; outra, a da resposta ao desafio lançado pelo Presidente da República e que se consubstanciaria num compromisso plurianual de pelo menos dois anos. O CDS, aparentemente, preferiu manter-se na do “caderno de encargos”, isto é, naquela que dava sequência às bandeiras que o partido havia levantado durante a campanha eleitoral, traduzindo-as no Orçamento de Estado para 2010. Tendo aderido às negociações, que antes havia proposto como método para a apresentação da proposta de Orçamento, o CDS foi a jogo, tendo todavia ultrapassado o ponto de não-retorno sem que o Governo tivesse garantido a aceitação da totalidade do “caderno de encargos” do CDS. Obrigado a anunciar que viabilizaria o Orçamento e com o PSD completamente fora de jogo, foi evidente o amargo de boca do CDS no anúncio da abstenção, tal como foi evidente a satisfação do Governo no anúncio da proposta de Orçamento.
 
Se o CDS tivesse preferido o caminho do compromisso plurianual de médio prazo com metas claramente definidas, na linha do que um partido de alternativa, de projecto, de poder e de Governo teria feito, o CDS teria obrigado o PS ou a aceitar uma acertada inversão das políticas estruturais seguidas até aqui ou a ficar com o ónus de não ter correspondido ao desafio lançado pelo Presidente da República. Como nada disto parece ter acontecido, então, aparentemente o Orçamento para 2010 constitui uma oportunidade perdida. Uma oportunidade perdida para o CDS, mas também - e sobretudo - uma oportunidade perdida para o país.
 
Para o CDS, porque dispôs, de facto, de uma possibilidade enorme para influenciar verdadeiramente o rumo dos acontecimentos nas contas públicas; o revés é que, agora, por muito que tente, não se vai conseguir livrar da partilha de responsabilidades pelo que certamente vai correr mal na execução orçamental, que não é sua. Para o país, é também uma oportunidade perdida, porque dificilmente daqui a um ano se voltarão a reunir as mesmas condições para alterar a trajectória das contas públicas portuguesas. A menos que tudo esteja pior - o que também não se deseja.
 
O que deveria interessar é que o Orçamento do Estado fosse o melhor possível para o país. Isto é, que perseguindo uma exigência reformista pudesse reduzir efectivamente a despesa pública (a médio prazo, não deveria ultrapassar os 40% do PIB), pudesse reduzir realmente a carga fiscal, sobretudo, sobre as empresas e as famílias, e pudesse permitir crescimento económico, potenciando oportunidades, retomando a convergência com a média da União Europeia, criando mais emprego e mais riqueza. E que pudesse definir metas de médio prazo quer para o nível anual máximo de endividamento externo quer para o nível anual máximo da dívida pública.
 
Salvo a existência de informações de que não disponho, acho, pois, que a proposta de Orçamento de Estado para 2010, tal como apresentada pelo Governo, constitui, nos termos em que atrás o disse, uma oportunidade perdida que dificilmente se repetirá no decorrer desta legislatura.
 
Lisboa, 28 de Janeiro de 2010
 Martim Borges de Freitas
 

tags:

publicado por Henrique Salles da Fonseca às 09:08
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De Henrique Salles da Fonseca a 6 de Fevereiro de 2010 às 09:19
Mudanças estruturais? Como assim, meu Amigo Martim? Entre PS, PSD e CDS a única diferença são as Pessoas pois a doutrina política e conómica é a mesma: liberalismo à outrance.
É fundamental que os Partidos retomem as respectivas doutrinas e passem a representar verdadeiras alternativas entre si. Hoje é sempre mais do mesmo. E o resultado está à vista e não é «brilhante».
Henrique Salles da Fonseca


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


artigos recentes

LIDO COM INTERESSE - 11

ADEUS

CRIAR TRABALHO: O AMBICIO...

O CULTO AO ESPÍRITO SANTO...

(IR)RACIONALIDADE TRUMPIS...

MEDO OU FOBIA

DEPOIS DO…

DONALD TRUMP – 3

DONALD TRUMP - 2

DONALD TRUMP - 1

arquivos

Agosto 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

links
Contador

contador de visitas para site
blogs SAPO
subscrever feeds