Segunda-feira, 11 de Janeiro de 2010
OS CALMANTES DA NOSSA IMPOTÊNCIA EDUCATIVA

 

 
Às vezes, quando recordo com a minha amiga os tempos da nossa escola primária e da nossa escola secundária, em contestação contra os que a acusam de demasiada rigidez, é para lembrarmos o encantamento dessa fase, de inconsciência da vida que nos esperava. Lembramos os professores, bons e menos bons, os colegas, as brincadeiras no recreio, que, logo que acabavam os cinquenta minutos de aula, não podíamos perder, ocupando as respectivas posições para os jogos de basebol, os mortos, com o ringue, o caçador, os saltos à corda e o berlinde... Oh! O berlinde!
 
Em África, as aulas começavam às 7h 30, às vezes às 6h30 da manhã, para a ginástica com a Dr.ª Deolinda Martins, acabavam às 12h20 e, duas vezes por semana, salvo erro, havia mais duas aulas à tarde. Lanchávamos bem, líamos, brincávamos, estudávamos, éramos disciplinados segundo as regras de então. As notas finais mostravam o nosso cumprimento, era necessário ter positiva em todas as disciplinas para se passar de ano.
 
Mais tarde, já professora no mesmo espaço africano, as modernas pedagogias aliadas às modernas técnicas de ensino, apontaram o rigor da disciplina antiga, defenderam mais autonomia para o aluno, foram retirando gradativamente a autoridade disciplinar ao professor, permitiram que os alunos acedessem ao ano seguinte reprovados numa disciplina, posteriormente em duas. O papel reservado à memória, pela interiorização de conhecimentos foi gradualmente abandonado, recorreu-se à compreensão e dedução pela imagem, por vezes os livros lembravam as bandas desenhadas, com cada vez menor recurso à palavra escrita, na escola primária o método global da imagem para a letra e o fonema substituiu o tradicional e mais racional método da leitura alfabética, silábica e frásica. A aritmética ignorou  as tabuadas, adoptou a teoria dos conjuntos. E nunca mais os alunos tiveram problemas para resolver, problemas que os livros escolares da 4ª classe tão profusamente continham, nem a álgebra nos anos seguintes, em que tantas gerações de alunos resolviam os inúmeros problemas do Palma Fernandes, despertou mais as capacidades de compreensão dos alunos, incapazes de resolver contas sem ser por computador.
 
O 25 de Abril, na vizinhança do liberalizador “Maio de 68” francês, trouxe a explosão, com a destruição das regras – de disciplina, sobretudo – geradora do caos. O caos nas famílias, o caos nas escolas. Os professores passaram por isso, mas nunca como hoje, em que os professores têm uma sobrecarga de aulas e acompanhamentos, nas mesmas turmas de cerca de trinta alunos, como eram dantes, em que estes se comportavam bem.
 
 
Não estará o nosso Ensino a formar uma geração de selvagens?
Rousseau achava que os selvagens eram bons. Contudo, os da Papua são antropófagos...
 
Mas a notícia que vem no Diário de Notícias deste domingo, 10/1, é a prova flagrante da insensatez brutal instalada no nosso mundo de falsa bondade para com a criança, em que pais e professores são condicionados por leis atropeladoras do seu direito a uma repressão sensata, leis hipocritamente escamoteadoras da realidade social exigente e repressiva que a espera na vida activa.
 
Ela refere, em letras garrafais, que “CRIANÇAS TOMAM  CADA VEZ MAIS MEDICAMENTOS PARA SE ACALMAREM”. E conta casos. O de três irmãos hiperactivos, com défice de atenção na escola que tomam comprimidos de “Ritalina”, o que os domou, tornando-se mais atentos na escola e mais sociáveis.
 
35.845 as embalagens de metilfenidato vendidas em 2004, 140.424, as vendidas em 2009, diz o esquema gráfico da notícia. Com efeitos secundários de febre, agressividade, alteração de humor, hipertensão arterial, perda de apetite, perda de cabelo, de sono, taquicardia, dores de estômago, erupções cutâneas.
 
É este o novo universo infantil.
 
E para se domarem as crianças, que uma palmada a tempo teria ensinado no momento próprio a respeitar regras de educação, dão-se-lhes medicamentos para a nova designação de má criação: hiperactividade, que os torna desatentos, insubordinados, preguiçosos, desinteressados, esquivos.
 
A medicação para a docilidade, para o cada vez maior embrutecimento. Para vivermos em paz. Demos calmantes aos nossos filhos hiperactivos. Em vez de regras de educação. Mostremos ao mundo que somos pais amoráveis, incapazes da tapona, enquanto, às escondidas, ou mesmo às  claras, os vamos drogando para os domesticar.
 
Berta Brás


publicado por Henrique Salles da Fonseca às 16:29
link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De Adriano Lima a 12 de Janeiro de 2010 às 02:04
Infelizmente, esta é a realidade actual, Doutora Berta Brás. É uma realidade que vem sendo denunciada pelos mais lúcidos e inconformados, mas tem sido como pregar no deserto. E a dificuldade é que o cerne do problema está nas famílias, mas o seu endossamento vai para os professores, que hoje constituem uma classe profissional muito ingrata. Ou talvez que, consciente disso, o Estado procure aliviar o papel do professor com o facilitismo instalado na aprendizagem. Digamos que alimentamos com este processo um autêntico paradoxo, por absoluta falta de coragem em assumir a reconstrução do edifício que deixámos ruir por utopias e enganos em que fomos induzidos por alguns pseudo-iluminados. Há que tirar a máscara a esses, mas o problema é que não somos só nós. O Mundo Ocidental e Cristão, com a sua filosofia pseudo-humanista, é sempre o mais vulnerável aos fenómenos libertários e dissolutórios, e enquanto for assim...


De Henrique Salles da Fonseca a 12 de Janeiro de 2010 às 18:40
RECEBIDO POR E-MAIL:

O seu comentário, Sr. Adriano Lima, revela bem a lucidez, seriedade e bom senso de outros seus textos e comentários. Era importante que muitas mais pessoas assim pensassem e discernissem, neste nosso país que se vai destruindo pela nossa inconsciência e tranquila idiotia que se quer fazer passar por humanismo. É pena que muitas pessoas como o senhor, não tomem em mãos o papel de remendar tanto deste mal que nos vai desgastando e poluindo, fazendo chegar esses avisos aos poderes que só são superiores porque zarolhos, em terra de cegos e de aproveitadores.
Berta Brás


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


artigos recentes

PERU – 6

PERU – 5

PERU – 4

PERU – 3

PERU – 2

PERU – 1

ESCRITORES ESQUECIDOS

LIDO COM INTERESSE - 19

LIDO COM INTERESSE – 73

ESTAREMOS TRAMADOS ENQUAN...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

links
Contador

contador de visitas para site
blogs SAPO
subscrever feeds