Sexta-feira, 27 de Novembro de 2009
LUSOFONIA – 3

 

 UM CONVITE AO SIGNIFICADO
 
 
A DIÁSPORA
 
A cultura portuguesa tem hoje uma dimensão universal pois tivemos que nos fazer à vida – e ao mundo – para ganharmos a dimensão necessária à salvaguarda da Soberania Nacional. E essa dimensão universal desmaterializou-se pois subsiste mesmo já depois de confinados ao território permitido.
 
Assim, foi pensando em Pasárgada que construímos um Império mas foi na realidade da vida que mantivemos a nostalgia da terra natal, ela também entretanto miragem do lugar longínquo, lura para o regresso sonhado.
 
Eis o caminho da diáspora e o do regresso, o sentimento do centro, o culto da origem, a que ganha dimensão com a periferia. Assim andam os portugueses numa permanente peregrinação entre lá e cá.
 
E donde vem esse “formigueiro” que nunca nos deixa parar?
 
Se o povoamento da Europa se fez a partir do Levante como rezam as crónicas, das hordas que chegaram da Ásia seguindo a rota do Sol foram-se uns quantos fixando no caminho e seguindo em frente os demais. Ficavam os que entendiam que para eles bastava de aventura; seguiam os que queriam mais ou que não se acomodavam às normas sedentárias entretanto estabelecidas. Sede de aventura e inconformismo dá uma mistura que não é compatível com a pacatez dos sossegados. E se isto foi acontecendo ao longo dos milhares de léguas que distam da foz do Danúbio ao Cabo da Roca, fácil será compreender o grau de apuramento a que a dita mistura levou os que alcançaram o extremo ocidental e se debruçaram das arribas sobre o mar, nesta parte do mundo a que nos tempos megalíticos chamariam Ofiuza, a terra da serpente.
 
Aqui, onde a terra acaba e o mar começa...
 
 
 
Talvez seja esta a explicação para o queixume do romano Augusto quando se lastimava de que cá nos confins da Ibéria havia um povo que não se governava nem se deixava governar…
(continua)
 
Bragança, 5 de Outubro de 2007 – VI Encontro da Lusofonia
 
 Henrique Salles da Fonseca

tags:

publicado por Henrique Salles da Fonseca às 09:28
link do post | comentar | favorito
|

4 comentários:
De Henrique Salles da Fonseca a 27 de Novembro de 2009 às 15:32
Também se diz que a virtude está no meio, por isso não acredito nesse tal apuramento dos do extremo ocidente, tudo rebelde a normas, todos preferindo a amizade do rei de Pasárgada, que é a melhor forma de libertação das responsabilidades...
Berta Brás


De Adriano Lima a 29 de Novembro de 2009 às 15:42
Belo pensamento e rica expressão literária.
Quase se pode dizer que a diáspora nos fez perder a noção do centro e o verdadeiro sentido de nós mesmos, tal a força centrífuga da longínqua e sedutora periferia. Extinto o império, ainda não soubemos regressar a casa e arrumá-la em função de outras conveniências e desafios, relegando a saudade do longe para as páginas da literatura e do devaneio poético. Importa é saber se a fuga diaspórica de outrora foi o impulso de uma condição genética ou se apenas resposta a uma realidade instante. Mas, a fazer fé nas palavras atribuídas a Gaius Julius Caeser, “nem se governam nem se deixam governar”, teremos de ver se não há efectivamente um fatalismo genético a explicar manifestações comportamentais que dificultam a nossa normal inserção comunitária. Que seria precisamente a razão da nossa fuga, para, em vez de nos olharmos pelos nossos olhos, preferirmos ver-nos no espelho do olhar dos outros.


De Henrique Salles da Fonseca a 29 de Novembro de 2009 às 18:19
Obrigado Senhor Coronel pela correcção subtil de César em vez de Augusto. Vou corrigir no original.
Resta a desculpa de que César também foi augusto no sentido magestático.


De Adriano Lima a 29 de Novembro de 2009 às 23:52
Prezado Doutor, fique claro que não o quis corrigir. Não o podia fazer porque não há sequer certeza sobre a figura do Império Romano que proferiu tal afirmação. Uns dizem apenas que foi um imperador romano, outros que foi o Gaius Julius Caeser, outros que foi o pretor Asínio Polião. Sabe-se que César foi nomeado governador da Hispânia Ulterior em 61 a. C., tendo tido especiais problemas com o núcleo da resistência instalado nos Mons Herminius (Serra da Estrela). E sabe-se também que Asínio Polião se seguiu a Caeser na governação da Hispânia Ulterior e que enfrentou muitas rebeliões da Lusitânia mesmo depois da pacificação conseguida por Caeser. Mas diz-se que a afirmação foi escrita em carta dirigida a Roma em que a ilustre pessoa pedia substituição ou manifestava vontade de regressar precisamente por estar farto do tal povo que “nem se governava nem…” Mas Julius Caeser é o mais citado como autor da frase. Talvez um comentarista historiador esclareça melhor.






Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


artigos recentes

PERU – 6

PERU – 5

PERU – 4

PERU – 3

PERU – 2

PERU – 1

ESCRITORES ESQUECIDOS

LIDO COM INTERESSE - 19

LIDO COM INTERESSE – 73

ESTAREMOS TRAMADOS ENQUAN...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

links
Contador

contador de visitas para site
blogs SAPO
subscrever feeds