Domingo, 15 de Novembro de 2009
PORTUGAL, UM ÍCONE MUNDIAL - 5

 

UM PAÍS DE MISSÃO
 
 
A MISSÃO DE UMA NAÇÃO
 
        
         9. Portugal é um País de grandes, claros e transcendentais objectivos a cumprir. Quaisquer que sejam os inquilinos do poder, dignos ou indignos cidadãos, o país segue seu rumo.
            É um país que tem, no seu psiquismo mais profundo, o sentido de uma grande missão no contexto da Humanidade e da História. É um País de MISSÃO.
            É um país de visão e alma universalista.
 
            Portugal é quase um lugar sagrado, pela reserva moral que guarda em sua história e em sua gente. Um dos espaços de tradição milenar do país é Sagres, situado no Promotorium Sacrum.
 
            Portugal foi um país talhado pelos Cruzados, esses cavaleiros idealistas, com a luz de um Evangelho autêntico no coração, lutando pela fraternidade universal, sem fronteiras. A nação guarda o sentido do V Império, a Era do Espírito Santo, o estágio mais evoluído e mais fraternal da civilização, que um dia será implantado.
            É um País de testemunho. Vê-se que, nos altos e baixos de sua história, vai sendo traçada uma grande directriz.
            Diz, faz e fez.
 
            Descobriu novos mundos, na maior epopeia humana, de todos os tempos.
            O mar que a todos separava, tornou-se o grande laço de união de todos os Continentes, pela acção deste povo destemido e ousado.
            Precisamos ter claro o que nos ensina a nossa história: as nossas forças são muito superiores às nossas fraquezas.  
        
            10. Foram os portugueses que completaram a unificação do planeta descobrindo os dois Continentes que faltavam, por desconhecimento: a América e a Oceania.
            Foi sua obra também a primeira viagem de circunavegação. Levaram, por todo o globo, os grandes valores da nossa civilização: a civilização ocidental cristã. Portugal agiu como um missionário.
 
            Na grande Marcha da Confraternização Universal, Portugal saiu na frente. Foi Porta Bandeira da Unificação Global.
 
            Vivemos para construir um futuro melhor e não para chorar o mal feito e estacionar inertes no passado.
            No passado estão as raízes das forças matriciais que nos impelem para a frente e não nos deixam ficar parados... É que o barco foi construído para navegar e não para ficar estacionado no cais...
 
         11. Os grandes navegadores e colonizadores levaram também, por inevitável, contra-valores: a ganância, a inveja e a corrupção que sempre acompanharam os humanos nas mais nobres acções. Disso Portugal também foi sempre vítima inevitável.
            Crápulas, invejosos, raivosos, maus carácter, embrulhões, exploradores de pessoas de boa fé, sempre vicejam em todas as comunidades humanas.
Que a terra lhes seja leve”, diria Machado de Assis, complacente.
            Enfim, nos momentos mais trágicos, nunca deixou de sobressair a Missão do País.
            Escutemos Fernando Pessoa:
Nem rei nem lei, nem paz, nem guerra
Define com perfil e ser
Este fulgor baço de terra
Que é Portugal a entristecer
            Antes de prosseguir a leitura, pare e releia este fragmento de Pessoa...
 
            É sabido que a cidade grande e o poder podem robotizar as pessoas, que se tornam uma coluna, no livro de Contabilidade.
            É preciso saber retornar às origens para recuperar a solidariedade.
 
 (continua)
 
Setembro de 2009
 
 
 José Jorge Peralta
 

tags:

publicado por Henrique Salles da Fonseca às 09:47
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


artigos recentes

ADEUS

CRIAR TRABALHO: O AMBICIO...

O CULTO AO ESPÍRITO SANTO...

(IR)RACIONALIDADE TRUMPIS...

MEDO OU FOBIA

DEPOIS DO…

DONALD TRUMP – 3

DONALD TRUMP - 2

DONALD TRUMP - 1

ENCONTROS DE ESCRITORES

arquivos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

links
Contador

contador de visitas para site
blogs SAPO
subscrever feeds