Quarta-feira, 11 de Novembro de 2009
“MINHA SENHORA”, “EXCELENTÍSSIMO SENHOR”

 

Sua Excelência

 
Conheço pessoas  de muita gravidade quando olham as outras pessoas ou se lhes dirigem. Geralmente estas sentem~se inferiorizadas, supondo terem incorrido nalgum erro grave que originou a gravidade do olhar daquelas. Era o Conselheiro Acácio que também assim procedia, embora se mostrasse afável e respeitador com aqueles que pertenciam à sua esfera sentimental e social. Descobriu-se mais tarde que tinha aconchegos com a criada, que mal quadravam com a sua personalidade altiva e trabalhadamente eloquente. Mas se os próprios deuses se fartam de ter fraquezas, e nesse campo,  por estranho que pareça, mais até que os próprios humanos e com muitos mais recursos, como não admitir as fraquezas do Conselheiro Acácio e dos seus pequenos recursos? Mas intimidam, não há dúvida, quando lançam o seu olhar sobranceiro e vasto sobre os tímidos.
 
Supor-se-ia que só os homens de idade, tendo atingido determinada craveira no plano intelectual, ou social, ou financeiro, se podem permitir tais poses, mas tive há pouco a confirmação de que não são só os de idade.
 
Foi o caso que estava eu comprando uma cautela a um paralítico, para que o mérito da boa acção me alcançasse os favores divinos numa substancial recompensa, quando uma jovem priminha, acompanhada do noivo jovem, me interrompeu nas minhas caridades e mo apresentou graciosamente. Estendi uma mão afável num “muito prazer” afectuoso, mas imediatamente me imobilizei numa expressão onde o riso esmorecia, ante o “minha senhora” polido, distante, circunspecto, do noivo. Quase me senti na obrigação de retribuir com uma vénia funda, mas lembrei-me de que me faltava o vestido de balão do tempo das vénias fundas e disfarcei com pormenores de tempo e de saúde. Voltei a ouvir à despedida o mesmo “minha senhora” esmerado que ainda agora repito de vez em quando a meia voz e a meia vénia, para saborear na totalidade o prazer dela.
 
Mas não foi a única vez que a ouvi, não decerto. É uma expressão natural na boca dos superiores, quando cruzam connosco curvando lateralmente a cabeça para não olharem de frente, durante a saudação régia “Minha Senhora...” É claro que o possessivo neste caso é perfeitamente falso, pois ao contrário do que aparenta, não exprime aproximação, mas um afastamento intimidante.
 
Para os homens não há possessivos. Às vezes o “Senhor” é precedido de um “Excelentíssimo” tão irónico quanto o “Minha”. Outras vezes emprega-se “cavalheiro”, “tout court”.
 
Temos pois que, para marcar a educação refinada, ou o desprezo também refinado dos superiores para os inferiores, aqueles usam delicadas expressões do tempo das fidalguias, enfileirando assim na classe nobre que, segundo a História, a Revolução Francesa veio eliminar, mas que permanece ainda nestas coisas elegantes do trato social.
 
Não, não se trata, de nenhuma maneira, de pretender que a grosseria venha impor-se aos costumes... ainda mais. O “minha senhora” natural e simples não é para aqui chamado. Apenas aponto a afectação, a falsa elegância e a falsa superioridade.
 
Porque nem sempre os “punhos de renda” encobrem umas mãos bem cuidadas. Os cavalheiros primorosamente bem vestidos e bem falantes que seduziram as “Preciosas Ridículas”, não passavam, afinal, de criados hábeis, desempenhando junto delas, por ordem dos amos repudiados e vingadores, um falso papel de pretendentes, para as castigar da sua presunção, como as desoladas Magdelon e Cathos viriam a descobrir um pouco tarde. 
 
Berta Brás


publicado por Henrique Salles da Fonseca às 09:27
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De Adriano Lima a 12 de Novembro de 2009 às 21:31
Acho muito propositada esta crónica, mau grado pensarmos que a democracia devia, pela sua própria natureza intrínseca, expurgar certos tiques e poses ridículos do trato social. Conheci umas duas ou três pessoas do meu universo profissional que abusavam dos formalismos do trato social. Não da praxis militar, que esta é mera formalidade institucional. Sobre aquelas pessoas, não tardei a concluir que eram personalidades supérfluas, cínicas e vaidosas. E que se refugiavam no vazio das formalidades para esconderem o vazio do seu interior. Portanto, eram pessoas inseguras e sem grande estofo.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


artigos recentes

ADEUS

CRIAR TRABALHO: O AMBICIO...

O CULTO AO ESPÍRITO SANTO...

(IR)RACIONALIDADE TRUMPIS...

MEDO OU FOBIA

DEPOIS DO…

DONALD TRUMP – 3

DONALD TRUMP - 2

DONALD TRUMP - 1

ENCONTROS DE ESCRITORES

arquivos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

links
Contador

contador de visitas para site
blogs SAPO
subscrever feeds