Quarta-feira, 21 de Outubro de 2009
PELA ROTA DA ÍNDIA – III

 

 
 
Ao longo dos 47 anos que mediaram entre 1961[1] e 2008, os lusófonos goeses não se esqueceram de Portugal apesar de terem estado literalmente abandonados à sua sorte entre Dezembro de 1961 e Abril de 1974;estiveram efectivamente abandonados até à abertura do Consulado Geral de Portugal em Goa;deixaram a quase clandestinidade em que se sentiam quando o Consulado Geral foi inaugurado em Abril de 1994; viveram intensamente todas as vicissitudes por que o processo de normalização das relações bilaterais entre a Índia e Portugal foi passando e entenderam esse percurso enquanto parte integrante de uma catarse de aproximação, pacífica convivência e eficaz cooperação face aos desafios comuns que enfrentam as culturas portuguesa e indiana; continuam actualmente a sentir a pressão que os nacionalistas radicais indianos exercem contra eles mas já consideram possível viver livremente sem mais necessidade de se barricarem; têm os antigos territórios portugueses na Índia como partes inquestionáveis da União Indiana e recusam qualquer espécie de neo-colonialismo; apenas pretendem falar livremente a nossa língua, a de todos nós, universal e veículo de um pensamento próprio; pretendem ensiná-la livremente e alargar o seu âmbito àqueles que a reconhecem como língua obrigatória rumo ao futuro global, urbi et orbi; querem sentir-se em plena legalidade, o que confere à língua o seu próprio espaço e que dignifica também todas as outras posturas oficiais, maioritárias ou de expressão menos intensa; apesar de todas as contrariedades, não deixaram morrer a língua portuguesa porque a falavam quase às escondidas em casa e isso apesar de logo no início de 1962 a Igreja da sua devoção se ter passado para a língua inglesa.
 
Gate of Velha Goa
Porta dos Vice-reis - Velha Goa
 
E foi pelo ano de 1997 que, contra ventos e marés, a Sociedade da Amizade Indo-Portuguesa iniciou cursos de língua portuguesa para adultos. Mesmo antes de se saber qual o programa curricular, logo apareceram interessados em retomar contacto formal com a língua que assim abandonava as trincheiras em que se escondera durante tantos anos. Mas também aqueles membros de casamentos mistos que queriam passar a entender a língua da família do consorte, os Advogados que queriam passar a aceder directamente aos Códigos legais por que ainda hoje o Direito se rege em Goa abandonando as traduções nem sempre fiáveis, os que acalentavam a ideia de adquirirem a nacionalidade portuguesa e daí um passaporte que lhes desse acesso ao Espaço Schengen, enfim, os jovens em paz com a História do seu Estado que lhe queriam sentir a alma escondida pelos políticos.
 
Decorridos 10 cursos, a média de conclusões por curso elevou-se ao fantástico número de 92 e o 11º abriu em finais de 2008 com 120 inscrições.
 
Estes cursos compõem-se de quatro graus sendo o primeiro destinado a quem se inicia e o quarto aos alunos mais avançados. Decorrem em Panjim e Margão durante um ano lectivo (cerca de 9 meses a 3 horas semanais) em horário post-laboral e são ministrados por Professores recrutados em Portugal.
 
Também com Professores recrutados em Portugal, os cursos de conversação destinam-se aos alunos que concluíram o 4º grau dos cursos de língua portuguesa e foram imaginados para um máximo de 15 participantes. O primeiro curso deste género decorreu no segundo trimestre de 2007 e teve que ser desdobrado em dois grupos de 15 alunos (um dos grupos a funcionar em Panjim e o outro em Margão) para melhor corresponder à procura. Com a duração de três meses ao ritmo de três sessões semanais, mostrou ser um complemento da maior valia para a obtenção de vocabulário e fluência. O segundo curso de conversação decorreu no primeiro trimestre de 2009 com 30 alunos repartidos em duas turmas, à semelhança do curso anterior.
 
Daqui resulta que da perseverança destes «portugueses abandonados», verdadeiros heróis da lusofonia, em Goa já não são só os mais idosos que falam português e a nossa língua deixou de ser um tabu. A tal ponto que – após décadas de temor – na Universidade de Goa abriu recentemente a Delegação do Instituto Camões na função que lhe é peculiar de formação de formadores.
 
Chegou, portanto, a hora de servir todos os escalões etários e de alargar o ensino da língua portuguesa a outras localidades do Estado de Goa.
 
Eis porque vai brevemente ser inaugurada aEscola da Amizade Indo-Portuguesa destinada a crianças com 7 anos de idade que já frequentem o ensino indiano de língua inglesa.
 
Funcionando por anos lectivos de 9 meses ao ritmo de três aulas semanais de uma hora, terá quatro graus à semelhança dos cursos já ministrados aos adultos mas acrescerão à língua portuguesa as matérias relativas à História e Geografia.
 
Com sede em Panjim na Sociedade da Amizade Indo-Portuguesa, pretende-se que sucessivamente abra delegações em Margão, Mapusa, Vasco da Gama e Pondá. Os professores serão recrutados localmente mas haverá um coordenador pedagógico oriundo de Portugal.
 
Se houver crianças goesas a comunicar entre si em português, então será possível encarar o futuro da nossa língua naquele Estado indiano com verdadeira esperança.
 
Quinhentos anos de Cultura Portuguesa na Costa do Malabar justificam os nossos esforços e acalentam os nossos sonhos no sentido de que da tolerância frutifiquem claros benefícios sobretudo para os residentes locais. Esforços e sonhos maioritariamente privados que passam ao largo de especial empenhamento público.
 
“O sonho comanda a vida”[2] e nós sonhamos com que de tão forte interculturalidade histórica resulte um modelo específico de desenvolvimento único em toda a União Indiana e que a língua portuguesa se revele um instrumento eficaz de aproximação da Índia ao espaço lusófono.
 
Mas a Índia não se esgota em Goa e haverá que multiplicar as iniciativas em Damão e em Diu para não falar ainda de Bombaim, Chaúl e Cochim onde também permanecem traços humanos da secular presença portuguesa.
 
Também o Oriente não se esgota na Índia e por isso não nos podemos esquecer dos lusófonos de Larantuca (nas Molucas, hoje território indonésio), dos de Malaca e dos de Baticaloa (no actualmente belicoso Sri Lanka[3]). A todos eles devemos acorrer antes que morram no desespero de mais séculos de espera.
 
Hoje, felizmente, o vizinho não nos induz a presença da famigerada Inquisição que pela mão dominicana também a partir de Goa semeou o ódio inter-religioso[4]. Assim, estamos em boas condições para seguir o exemplo que Afonso de Albuquerque há quase quinhentos anos nos ensinou de que a convivência se cultiva e a Fé não se discute.
 
A bem da paz e da concórdia, as que faltam.
 
Eis o que me move em relação aos luso-descendentes na rota da Índia e para além da Taprobana; falta imaginar o que deveremos fazer pelos luso-ascendentes no azimute do Cabo Finisterra.
 
Sim, porque «o sonho comanda a vida»[5].
 
Lisboa, Novembro de 2008
 
 Henrique Salles da Fonseca
 
(in Boletim de 2009 da Academia Galega de Língua Portuguesa – pág. 123 e seg.)
 
 
 
BIBLIOGRAFIA:
 
·          Boxer, Charles R. – “O IMPÉRIO MARÍTIMO PORTUGUÊS 1415-1825”, Edições 70, Lisboa, Setembro de 2001
 
·          Vasconcellos e Menezes, José de (Médico, Capitão-de-mar-e-guerra) – “ARMADAS PORTUGUESAS – apoio sanitário na época dos Descobrimentos”, Academia de Marinha, Lisboa, 1987


[1]- A invasão de Goa, Damão e Diu pelas Forças Armadas Indianas ocorreu no dia 18 de Dezembro de 1961
[2] - Pedra filosofal, António Gedeão
[3] - Onde já identifiquei o porta-voz dos «portugueses» de Baticaloa, o Senhor Sonny Ockersz, com quem tenho mantido contactos preparatórios de algo que ainda não nasceu.
[4] - Francisco Xavier SJ, nascido no Castelo de Xavier, Navarra, missionário no Oriente, pediu ao rei D. João III que enviasse a Inquisição para Goa. O rei acedeu (como já acedera ao pedido dos reis espanhóis para a introduzir em Portugal). O missionário morreu na China, foi sucessivamente trasladado para Malaca e para Goa; cognominado o Apóstolo do Oriente, foi canonizado e ficou na História conhecido por São Francisco Xavier.
[5] - Pedra filosofal, António Gedeão

tags:

publicado por Henrique Salles da Fonseca às 10:31
link do post | comentar | favorito
|

4 comentários:
De Henrique Salles da Fonseca a 21 de Outubro de 2009 às 17:58
RECEBIDO POR E-MAIL:

Ainda bem que há pessoas que aliam à capacidade de trabalho a dedicação pelas nobres causas!
Oxalá seja um esforço compensado!
Berta Brás


De Henrique Salles da Fonseca a 22 de Outubro de 2009 às 07:33
RECEBIDO POR E-MAIL:

Grande artigo. Mas Goa está em fim. Portugal deve apostar fortemente em Damão e Diu. Penso eu!

Cumprimentos

Benardo C olaço
Macau


De Henrique Salles da Fonseca a 22 de Outubro de 2009 às 14:07
Goa só se pode afirmar pela cultura luso-indiana.
Melhores cumprimentos,
Henrique Salles da Fonseca


De Henrique Salles da Fonseca a 22 de Outubro de 2009 às 14:10
Estava a referir o ensino da lingua portuguesa.

Cumprimentos

BC


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


artigos recentes

O FILHO DAS SALSAS ERVAS

FRASE DO DIA

RESTAURADORES DA SOBERANI...

OLIVARES, ESSE DEMOCRATA

FRASE DO DIA

CARTA DE UN MINISTRO AL R...

LIDO COM INTERESSE – 74

PERU – 12

PERU – 11

PERU – 10

arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

links
Contador

contador de visitas para site
blogs SAPO
subscrever feeds