Segunda-feira, 19 de Outubro de 2009
PELA ROTA DA ÍNDIA – II

 

 
 
CONCLUSÃO DA 1ª PARTE: Regressado Portugal à dimensão do território permitido, encontramo-nos numa situação equiparável à que em 1415 justificou que as naus zarpassem.
 
+ + +
 
Apaziguadas as turbulências típicas dos períodos inaugurais das novas nacionalidades, regularizadas as relações internacionais com base no mútuo e pleno reconhecimento das várias soberanias e na utilidade da cooperação bi e plurilateral, estão as complementaridades a desenhar diversos modelos de desenvolvimento, tudo no âmbito do moderno processo de globalização que durante o séc. XX viveu centrado no Atlântico Norte, our sea, versão anglo-saxónica do mare nostrum latino.
 
Já o séc. XXI – com alguma probabilidade e à custa de muita propaganda – será intensamente vivido em redor do Pacífico e do Índico. Mas outros pólos surgirão e o Atlântico Sul será seguramente um deles. Aí, os pilares (Angola, na margem Leste; Brasil, na margem Oeste; Portugal, a Norte, fazendo a ponte com a UE e com a NATO; Cabo Verde e S. Tomé e Príncipe em pleno cenário) expressar-se-ão em português (devidamente matizado mas indubitavelmente português).
 
E as questões que agora devemos colocar são simples:
 
·         Que quadro institucional?
·         Que estratégia para o controlo de todo um oceano?
 
Tenho a CPLP – Comunidade dos Países de Língua Portuguesa[1] como o espaço privilegiado para darmos resposta a estas questões e se transformarmos o Atlântico Sul no mare nostrum da língua portuguesa, teremos a vantagem de a Lusofonia não se esgotar nesse novo triângulo de progresso: o papel de Moçambique no ressurgimento da Lusofonia no hemisfério oriental dará uma nova dinâmica à já quase esquecida primeira globalização, a que Portugal iniciou em 1415.
 
E esta dimensão lusófona, imagino-a alargada aos «portugueses abandonados», aqueles que algures no Mundo e na História foram bem ou mal governados por Portugal, que absorveram os valores que lhes levámos e que após a nossa retirada – por vontade própria ou alheia – ficaram, contra ventos e marés, a defender esses valores quantas e quantas vezes rodeados de hostilidade ou, no mínimo, de desdenhosa indiferença. Refiro-me aos lusófonos da Índia, das Molucas, de Malaca, do Sri Lanka. Outros poderia referir se já os tivesse identificado. Sim, ando na senda de todos esses que por aí fora se dizem portugueses e de quem nunca mais ouvimos falar. Se os houver, encontrá-los-ei e se não for eu a encontrá-los, espero deixar a motivação suficiente para que outros o façam depois de mim.
 
E foi nessa busca de «portugueses abandonados», que iniciei pela Índia, que encontrei o Dr. Jorge Renato Fernandes, médico residente em Panjim, capital de Goa, Comendador da Ordem do Infante D. Henrique[2], que esperou 47 anos para que o Governo Português se lembrasse de o incluir no Conselho das Comunidades Portuguesas e que, para além de outras iniciativas em prol da cultura portuguesa em Goa, foi o fundador da Sociedade da Amizade Indo-Portuguesa[3], instituição que congrega os lusófonos goeses mais dinâmicos.
 
(continua)
 
 Henrique Salles da Fonseca
 
 
(in Boletim de 2009 da Academia Galega de Língua Portuguesa – pág. 123 e seg.)
 
NOTA: Agradeço ao Dr. A. Palhinha Machado a inspiração para o mare nostrum referido neste texto

[1] - Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Portugal, S. Tomé e Príncipe e Timor-leste como membros de pleno direito e Guiné Equatorial e Macau como observadores
[2] - Nomeado pelo Presidente da República, Mário Soares, sob proposta do Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Nuno Krus Abecasis
[3] - Também denominada Indo-Portuguese Friendship Society, registada com o nº 6/GOA/93 do Societies Registration Act 1869 (Central Act 21 of 1960) e com sede no Edifício Santosh, r/c, junto ao CBI Office, Altinho, Panjim – Goa, Tel: 0091(832) 2436875

tags:

publicado por Henrique Salles da Fonseca às 09:13
link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De Henrique Salles da Fonseca a 19 de Outubro de 2009 às 14:38
RECEBIDO POR E-MAIL:

Bom é, para alguns passadistas, que a lusofonia ultrapasse as terras do Atlântico, e que no Índico passe além de Moçambique para atingir mesmo o Pacífico com Macau e Timor. E de caminho encontre gente da Índia, culta como também conheci, tentando manter a chama da ilusão de que Portugal teve um nome antes. Mas esse trabalho civilizacional esbarra sempre com questões fundamentais, como sejam a apatia e o desinteresse do "rectângulo" por aqueles que abandonou, embrulhado agora em interesses mais práticos. Ainda assim, um empreendimento bem meritório, o de Salles da Fonseca.
Berta Brás


De Henrique Salles da Fonseca a 28 de Outubro de 2009 às 22:46
Caro Henrique,

Embora hoje em dia eu seja um "simples farmer" agradeço-lhe o envio que tem feito de interessantes textos como estes.

Um abraço amigo,

Pedro Marques de Sousa


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


artigos recentes

ADEUS

CRIAR TRABALHO: O AMBICIO...

O CULTO AO ESPÍRITO SANTO...

(IR)RACIONALIDADE TRUMPIS...

MEDO OU FOBIA

DEPOIS DO…

DONALD TRUMP – 3

DONALD TRUMP - 2

DONALD TRUMP - 1

ENCONTROS DE ESCRITORES

arquivos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

links
Contador

contador de visitas para site
blogs SAPO
subscrever feeds