Sábado, 19 de Setembro de 2009
Devíamos meditar no Decálogo de Lincoln

 

            O texto “Os Gringos”,  de autor anónimo, publicitado por Henrique Salles da Fonseca, é sobre o povo americano, ao qual são reconhecidas qualidades de generosidade, trabalho, amor pátrio, defesa dos direitos humanos, a heroicidade e o altruísmo que encontramos em tantos daqueles filmes antigos, reveladores de coragem e decisão, certamente que decisivas para a formação do país enorme, próspero e atento ao mundo, que intervém nas questões externas, não apenas em manifestações de solidariedade mas em defesa da liberdade, bem representada na sua Estátua de Nova York, não permanecendo, contudo, nos países, como dominador.
            Há muitos, mesmo intelectuais, que odeiam a América. Não lhes perdoam a guerra no Iraque, nem as bombas sobre Hiroshima e Nagasaqui, indiferentes às razões que os moveram. Geralmente ignoram as atrocidades dos povos cujas ideologias prezam, quanto mais não seja por desejo de saliência em torno de um ideal supostamente progressista. Invejosos de um bem-estar que não conseguimos atingir, somos mesquinhamente ingratos para quem ajudou a livrar a Europa do pesadelo nazi, sacrificando os seus homens na defesa de pátrias alheias, quando nós desprezámos a nossa.
            O texto contém ainda uma série de preceitos de Abraham Lincoln, 16º Presidente dos Estados Unidos, entre 1861-1865, eleito pelo partido Republicano, que conseguiu preservar a unidade do país durante a Guerra da Secessão. 
            Eis alguns preceitos do seu “Decálogo”, talvez responsáveis pela energia que emana desse povo alto e espadaúdo, segundo os vemos nos Western dos tempos idos, em cavalarias pelas largas planícies, como espaços da sua grandeza: “Não se pode criar prosperidade desencorajando a iniciativa individual, não se pode fortalecer o débil debilitando o forte, não se pode ajudar os pequenos esmagando os grandes, ou ajudar o pobre destruindo o rico, não se pode formar o carácter e o valor de um homem tirando-lhe a sua independência (liberdade) e iniciativa, não se pode ajudar os homens realizando por eles permanentemente o que eles podem e devem fazer por si próprios.”
            Tais preceitos são um combate à indolência e à irresponsabilidade, um estímulo ao trabalho, à compreensão, à aceitação da diferença, desde que o mérito seja reconhecido.
            É claro que o capitalismo vai forçosamente surgir, num país de gente trabalhadora e inteligente, pois só o capital pode gerar trabalho.
            Houvesse, entre nós, muitas empresas para empregar gente, e que soubessem estimular e reconhecer o mérito dos que bem trabalham! E trabalhadores não ingratos, mas empenhados no seu trabalho!
            Houvesse, entre nós, estabelecimentos de ensino que preparassem os futuros cidadãos segundo os preceitos de Abraham Lincoln!
            Infelizmente, somos mais um povo de palavras, embora não de palavra. Não! Seguíssemos nós os tais preceitos, juntássemos a acção à palavra, não seríamos mais o povo periférico contra o qual reclama Sócrates. Porque o que nos torna mesmo periféricos, não é a falta do TGV, mas os “centos de anos de solidão” traduzidos em paralisia, atraso, falta de educação, falta de respeito pelas coisas sagradas, entre as quais o desejo de ser competente e bom profissional, o amor por nós como nação, como família, como seres humanos com ética.
            Mas o “Fiat Lux” não nos atingiu. Talvez pela periferia. Esperemos que com o TGV...
 Berta Brás

tags:

publicado por Henrique Salles da Fonseca às 10:09
link do post | comentar | favorito
|

3 comentários:
De Henrique Salles da Fonseca a 19 de Setembro de 2009 às 14:51
RECEBIDO POR E-MAIL:

O Decálogo de Lincoln, publicado por Henrique Salles, e destacado por Berta Brás, merece ser lembrado, em tempos de tantas inconsequências, e em todos os tempos.

O direito ao respeito e à preservação da própria dignidade é universal. Não admite discriminações, nem à direita nem à esquerda.

Aliás, para direitos, não existe essa classificação: direita/esquerda. Todos são todos. Que os nossos políticos e todos os nossos pensadores dêem destaque ao Decálogo de Lincoln, e estarão evitando muitas injustiças e construindo a desenvolvimento e a prosperidade da nação, com justiça, respeito e solidariedade.

É que os nossos políticos, de políticos têm muito pouco ou nada. Por outro lado, ainda acho que temos Instituições de Ensino que seguem princípios idênticos aos de Lincoln. Se não os tivéssemos, talvez o País já tivesse ido à banca rota. O Relatório Jacques Dellors, está bem nessa linha, numa perspectiva mais ampla.

Mas, quem o lê?

JPeralta



De Henrique Salles da Fonseca a 20 de Setembro de 2009 às 00:36
RECEBIDO POR E-MAIL:

O Relatório de Jacques Dellors aqui mencionado parece ter grande interesse. Poderia o senhor Peralta indicar onde se pode ler tal documento ?
Gato pela atenção
Luís Soares de Oliveira


De Maresdelsur a 31 de Janeiro de 2011 às 19:41
Nao e de Lincoln
http://maresdelsur.wordpress.com/page/3/
e de bocket e ....nao realmente uma coisa....muito legal


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


artigos recentes

PERU – 5

PERU – 4

PERU – 3

PERU – 2

PERU – 1

ESCRITORES ESQUECIDOS

LIDO COM INTERESSE - 19

LIDO COM INTERESSE – 73

ESTAREMOS TRAMADOS ENQUAN...

ÉTICA E INFINITO

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

links
Contador

contador de visitas para site
blogs SAPO
subscrever feeds