Domingo, 26 de Julho de 2009
Restaurar a Pátria

 

 
A decantada crise económica não é mais que um tumor de fixação de um mal generalizado e profundo. Efectivamente do que se trata é da contumaz e desabrida subversão de uma ordem. Verdadeiramente o que está em curso é a destruição ignominiosa dos fundamentos e dos valores de uma Civilização. A crise não é propriamente de economia, mas de doutrina e de autenticidade.
 
O despudor hedonista, a ânsia materialista, o desaforo consumista, tornaram o Ocidente ocioso, guloso e balofo; a adopção desse filho espúrio que é o existencialismo ateu justificou a alienação do seu sentido, da sua missão, do seu destino; com o mesmo efeito, a promoção da versão eufemista e anestesiante de existencialismo, aquilo a que hoje se vai chamando humanismo para significar-se o homem referenciado a si próprio.
 
consumo
O deus consumo, novo ícone
 
Descambou-se numa civilização do comprimido e do botão, símbolos míticos da renúncia ao sofrimento e ao esforço; de renúncia ao merecimento. Vivem-se as falácias do progresso e do bem-estar como simples frutos de reivindicação e, como resultado, as frustrações que geram o niilismo que se afirma e massifica. Impera o pacifismo, mistificação da paz, para justificar a desmobilização que nos prepara para ser presas fáceis de qualquer paz que não é a nossa.
 
O pragmatismo que começou por ser uma tentadora filosofia do senso comum e prático e se converteu na confusão entre a prossecução da verdade e a prossecução do útil imediato. A tecnocracia que cingiu a avaliação dos custos dos bens de que gozamos a um cálculo económico-contabilistico imediatista e vem propor como objectivos para o destino das nações, números, taxas, e que se vangloria de atingi-los como se governar se reduzisse a gerir cifras.
 
Os governantes dos regimes que nos sujeitam não alcançam ou não querem assumir a responsabilidade que os legitimaria, ou seja, a defesa dos autênticos princípios e valores pátrios, o prescutar dos clamores abafados da nacionalidade, o apontar e dirigir objectivos de dignidade, de grandeza e de missão, o realizar de um destino.
 
Perdida a perspectiva da história, subalternizada a Honra, repudiado o Heróico, ficamos à mercê de um qualquer internacionalismo, ficamos satisfeitos com as aparências e devotos do comodismo. Esquecemos, fazemos por esquecer, que mesmo os bens materiais de que dispomos e em que as gerações de hoje se atafulham despreocupadamente são árduas afirmações civilizacionais, frutos de uma cultura milenária e de uma esforçada luta de conquista. Merecê-los – quando eles nos não dominam, nem diminuem, nem adulteram – não resulta só de ter moeda para dar em troca, mas também da disponibilidade para nos batermos. Nos tempos que correm pululam os exemplos de que assim é, e, triste sinal dos tempos, concomitantemente os exemplos de tibieza dos supostos primeiros responsáveis em defender uma herança e fazê-la prosperar. Crise de pensamento, crise de acção, crise de identidade; desordem nos espíritos, desordem na convivência, desordem nos objectivos; eis a degradação do Ocidente.
 
Assim, particularmente, está Portugal, país sem projecto, amputado no espaço, na população e na alma, cerceado na vocação, distraído do destino. Não se fale então em recuperar a economia, antes afirme-se o imperativo de restaurar a Pátria.   
 
 
 
Herlander Duarte
 
 

tags:

publicado por Henrique Salles da Fonseca às 11:11
link do post | comentar | favorito
|

3 comentários:
De Henrique Salles da Fonseca a 26 de Julho de 2009 às 18:52
RECEBIDO POR E-MAIL:

Uma análise extraordinária sobre a crise ocidental e a responsabilidade do existencialismo na subversão dos princípios, um texto sobre que urgiria meditar para arripiar caminho, se ainda for possível.
Berta Brás


De petitprince a 26 de Julho de 2009 às 19:04
É um facto que a crise civilizacional, perfeitamente autofágica , que teve o seu início nos relativismos antropológicos do sec . XiX e na ingénua pretensão de "restaurar" indiscriminadamente as culturas dos povos cristianizados, acabou, como seria inevitável, por afectar todas as áreas que alicerçavam a sociedade ocidental e, consequentemente, os valores que as tinham encaminhado com vista a um projecto de Humanidade.

Apesar do grande desenvolvimento que o Ocidente conheceu durante o Renascimento, a Educação, a Família, o Trabalho, a Economia, a Ciência e a Arte mantiveram-se fiéis à sua matriz civilizacional. A "descoberta" da Antiguidade Clássica não teve, de modo algum, as consequências que viriam a ter no sec . XIX as descobertas das culturas do "novo mundo" e o retrocesso que, na ânsia de conhecer o Homem nas suas mais remotas origens, daí advieram.

O mito do "bom selvagem", a que se seguiu o mito do "bom revolucionário", não só pôs em causa os valores que estruturavam a Civilização, como gerou alguns contravalores que, acolhidos entusiasticamente como meios pela comunidade cientifica, foram geradores de correntes de pensamentos que se consolidaram nos diversos "ismos ".
Correntes de pensamento que, apoiadas por uma sociedade vulnerável a outros valores e materialmente orientada para outros fins, haveriam de resultar na pleíade de manifestações intelectuais e sociais que marcaram o sec . XX.

Era fatal que o sec . XXI começasse em crise! Faltava-lhe tudo!
Ainda assim, graças - talvez ...- à não total subversão dos valores por parte de uma, ainda que debilitada, considerável camada social, levou algum tempo a dar-se conta dessas carências.

Acontece que o retrocesso português foi extremamente marcante porque, concretamente, nos fez regressar à primitiva forma.

É óbvio que Portugal não poderia manter intocável o seu estatuto de império ultramarino. Mas é também óbvio que não o poderia ter feito de modo mais grosseiro e inconsciente!

Perdido tudo - a "pesada herança" em toneladas de ouro aferrolhadas no Banco de Portugal, os benefícios que advinham do Ultramar, o sentido pátrio, a consistência da Fé, as elites formadas nos valores tradicionais - Portugal ficou à mercê de "uns quaisquer" que tenham o arrojo de se apresentar em cena, cativar plateias e, consoante as suas pessoas, arrecadar os proventos do espectáculo.
Transformou-se na "jangada de pedra" que o "notorious " Saramago, et alter, vêm querendo pôr a navegar em turvas águas. Só ainda não saiu do cais porque está ancorada na Europa.

Queira-se ou não, é inegável, como afirmou Braudel , que a Civilização Ocidental é de matriz cristã. E que Portugal é um País católico. É bom que cada um de nós tenha isso em mente. Malgreé tout ...


De Adriano Lima a 28 de Julho de 2009 às 23:09
Há muita verdade derramada nesta peça. Mas acho excessivamente pessimista a conclusão final sobre Portugal. Afinal de contas, o nosso país não podia deixar de reflectir a crise ética e cultural que o mundo contemporâneo hoje atravessa. A crise advém essencialmente do nosso entendimento sobre a modernidade, com a excessiva confiança que demos à razão, à ciência e à tecnologia, sem percebermos que a ciência e a tecnologia não passam de meros instrumentos para a realização da nossa humanidade. E o problema é que a crise de valores é mais notória no mundo ocidental, que abre brechas incríveis nas suas muralhas mediante um conceito de liberdade individual e de tolerância que outras civilizações não consentem, pelo que logo aí se deflagra um confronto com armas desiguais.
A realização do ser humano tem de ser conseguida pela via da razão, que deve orientar e determinar a nossa vontade. Como diria Nietzsche, a busca de uma ética racional é o fundamento indispensável da nossa liberdade e da nossa autonomia como seres humanos. E é assim que, em Portugal, nos julgámos perdidos e sem rumo, quando o mal é geral e somos apenas mais uns que se queixam da natureza medíocre, corrosiva e invasiva do fenómeno político. Longe já vai o tempo em que bastava erguer muralhas à volta da cidade para se livrar dos malefícios do inimigo. Hoje a ameaça é outra e o repensar da civilização é a única maneira de estruturar uma nova ética, embora a meu ver de nada adianta se não o fizermos com uma consciência assumidamente planetária.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


artigos recentes

PERU – 6

PERU – 5

PERU – 4

PERU – 3

PERU – 2

PERU – 1

ESCRITORES ESQUECIDOS

LIDO COM INTERESSE - 19

LIDO COM INTERESSE – 73

ESTAREMOS TRAMADOS ENQUAN...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

links
Contador

contador de visitas para site
blogs SAPO
subscrever feeds