Domingo, 5 de Julho de 2009
OS MEDIA E O COMPORTAMENTO DA CRIANÇA

 

Os meios de comunicação são forças muito poderosas, que conseguem vencer pais, família, amigos, professores, conhecidos... e até uma nação.
 
A nossa cultura é muito permissiva, permito-me dizer promiscua, "é proibido proibir" alguém o disse, é URGENTE não ouvir este conselho.
 
 A CRIANÇA ouve, vê e lê, a toda a hora, anúncios que promovem os brinquedos bélicos, os heróis aguerridos, a agressividade, a lei do mais "esperto", a irresponsabilidade, a adulteração das palavras e dos seus significados, as frases com conotações sexuais, a beleza física, a comida "pré-fabricada",... Vê pessoas promovidas a "heróis da nação" por actos que de heróico nada têm.
 
 
 
Pensemos na obesidade que ataca cada vez mais as nossas crianças, que lhes afecta a saúde e, consequentemente, a qualidade de vida, o que tem reflexos na delapidação do nosso erário público. 
 
Passar horas em frente de um televisor, ou de um computador, impede-as de: ler um livro, ouvir contar uma história, falar com um amigo imaginário, sonhar que voam, colher uma flor, afagar um cão, acalentar uma boneca,  brincar às casinhas, jogar à bola, andar de bicicleta, trepar a uma árvore, escalar um muro...
 
Há estudos que comprovam que este imobilismo, muitas vezes acompanhado pelo consumo compulsivo de pipocas, de Chipicaos, de gomas, de chocolates,... aumenta e muito o índice de massa corporal, deste aumento até à obesidade vai um pequeno passo.
 
É tão fácil passar um fim-de-semana inteiro em frente de um ecrã! Não é que a CRIANÇA não gostasse de ir brincar para outro lugar, até talvez gostasse, mas sempre que começa um novo filme ou um novo jogo, a dopamina (*) actua sobre os tecidos cerebrais e antes que ela se aperceba já o Sol "foi dormir".
 
Cada "dia" que passa, neste corre-corre da vida moderna, o tempo para a CRIANÇA dedicar à actividade física e mental vai sendo cada vez mais curto.
 
Pensemos na violência que tanto tem alimentado os media, com relatos que vão ao absurdo do pormenor.
 
Não é apanágio dos dias de hoje os pais queixarem-se contra a pressão da sociedade. Actualmente há uma diferença, para além da alteração de determinados valores sociais, há a proliferação da tecnologia, que os desvaloriza.
 
Existem cada vez mais crianças a usarem linguagem agressiva, quer no modo como é expressa corporalmente, quer nas palavras usadas, a desrespeitarem e a ameaçarem fisicamente os outros. Muitas destas crianças não estão com este tipo de atitude a reproduzirem o que vêem ou ouvem em casa, estão a reproduzir o que vêem e ouvem nos meios de comunicação.
 
Infelizmente, sempre houve, há e haverá crianças com perturbações a cometerem actos semelhantes ou ainda piores, capazes de comportamentos extremos e que não foram influenciadas pelos media.
 
Como definir o que é um comportamento extremo? Este depende sempre do que é normal. Se na sociedade em que está inserida, é "normal" a aceitação de insultos, de confrontos verbais e físicos, o comportamento extremo pode ir até à situação de crianças que matam outras crianças, o que infelizmente, é cada vez mais frequente em países como os Estados Unidos, a Inglaterra e outros.
 
A ligação entre os meios de comunicação e as atitudes e comportamentos tem sido motor de arranque para investigações bastante aprofundadas, exaustivas e cientificamente comprovadas.
 
E que dizer do desempenho escolar?
 
A capacidade de leitura das nossas crianças tem vindo a diminuir e a culpa, infelizmente, não é apenas dos professores, a solução seria muito mais fácil. Saber ler requer tempo, são necessários, em média, quatro ou cinco anos para se adquirir a capacidade básica de leitura.
 
A televisão e o computador oferecem uma informação imediata, não é necessário esforço, é um caminho fácil por isso a CRIANÇA pouco motivada para a leitura, sente-se frustrada e desiste do "esforço" muito facilmente.
 
Há, evidentemente, muitos outros factores que estão por trás da crise de leitura das nossas crianças, mas, uma coisa é certa, se elas passarem muito tempo em frente ao televisor ou ao computador, essa capacidade não se desenvolve ou então, a duração desse desenvolvimento é extremamente longa, com grandes custos para todos nós.
 
Nem tudo está perdido!
 
Como fazer frente a este panorama? Como minimizar os efeitos negativos apontados?
 
A educação de uma CRIANÇA não passa por a desligarmos totalmente dos media. Tal seria impossível, além disso, estes meios podem oferecer oportunidades de informação bastante preciosas.
 
Há que ponderar num equilíbrio, orientá-la de forma a saber tomar decisões que a tornem num cidadão responsável.
 
Sem conhecer receitas e sem grandes pretensões, vou enumerar princípios simples, do conhecimento de todos, com base no bom senso:
 
  • Ter sempre presente que uma mensagem é, normalmente, compreendida de forma diferente por uma criança de 3 anos e outra de 7 ( a título de exemplo);
  • Estabelecer regras, que devem ser explicadas, a limitarem o número de horas que podem ser dedicadas aos meios de comunicação;
  • Durante as refeições meios de comunicação "fora de serviço";
  • No quarto da criança, computador, televisão ou jogos de vídeo não devem entrar;
  • Estar atento ao tipo de programas a que a criança pode aceder;
  • Ter regras bastante precisas sobre o uso da Internet;
  • Saber dizer NÃO.
                                         ..........
 
CORRAM PAIS! Há muito que passou a hora de ligar, ou desligar, o bem estar físico e psíquico dos vossos filhos com os media.
 
 Maria Teresa Monteiro
 
 (*) A dopamina é um neuro-transmissor, que tem como função estimular o sistema nervoso central; está por detrás da dependência do jogo (incluindo os tecnológicos), do sexo, do álcool e de outras drogas. Numa linguagem "vulgar" pode dizer-se que é o químico do cérebro "feliz".
 
 
 
 


publicado por Henrique Salles da Fonseca às 10:50
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De Henrique Salles da Fonseca a 5 de Julho de 2009 às 16:27
RECEBIDO POR E-MAIL:

Um bom estudo, que deveríamos todos ler e os pais aplicar. Infelizmente os pais - a família - são hoje impotentes perante o poder mediático que não é sensível à saúde física e mental dos jovens e os governos também não. E os pais que pretendam contrariar, agem, não por bom senso - que o é - mas por despotismo, como será chamado. Creio que a sociedade está condenada, cada vez mais condenada, cada vez mais impotente, apesar do saber e da experiência e do bom senso de alguns. Começa na infância a distribuição de presentes, a não recusa dos brinquedos, cada vez mais brinquedos e jogos e o computador avassalador, e as programações mediáticas, cada vez mais traduzindo violência, todos os tipos de violência, até à banalização do ser humano, como ser que não é mais respeitado e que um dia trilhará os mesmos caminhos e outros - quem sabe? - ainda mais violentos e despidos de humanismo.
Berta Brás


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


artigos recentes

ADEUS

CRIAR TRABALHO: O AMBICIO...

O CULTO AO ESPÍRITO SANTO...

(IR)RACIONALIDADE TRUMPIS...

MEDO OU FOBIA

DEPOIS DO…

DONALD TRUMP – 3

DONALD TRUMP - 2

DONALD TRUMP - 1

ENCONTROS DE ESCRITORES

arquivos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

links
Contador

contador de visitas para site
blogs SAPO
subscrever feeds