Quarta-feira, 1 de Julho de 2009
Os Açores de hoje e os Açores de ontem

 

 

 

  Foto retirada do livro AMBIENTES AÇORIANOS, ( pág. 57) de Francisco Ernesto de Oliveira Martins

 

 

Os Açores de hoje são muito diferentes dos Açores de outrora. Estradas bem asfaltadas e cuidadas no lugar das de terra e pedras. Casas modernas, adaptadas com todo o conforto, substituíram as acanhadas e frias moradias de pedra. O alimento ontem escasso e caro, hoje, importado, pode-se obter a qualquer hora. As distâncias longas e intermináveis, vencidas com as embarcações, se reduziram para minutos ou poucas horas com os aviões. O estudo tornou-se mais acessível e prolongado, com o incremento de escolas públicas de qualidade e a Universidade dos Açores, em Ponta Delgada. E o mais importante, as conquistas dos benefícios sociais e da cidadania estão aí para todas as gentes, garantindo-lhes a dignidade e suprindo as carências do dia a dia.

 

Já os antigos açorianos não tiveram essa sorte. Lutaram muito para se fixarem na terra e tirar dela e do mar a sobrevivência. Enfrentaram os caprichos da natureza, as dificuldades do território, passaram fome. Por longos anos conviveram com o ostracismo que se abateu sobre as ilhas. Quando precisaram emigrar, regaram com suor e sangue a nova terra, ajudaram na construção de outras nações. Pela necessidade muitas vezes se anularam e se submeteram. Mas foram eles que propagaram a língua, a cultura e a fé do seu povo, como marcas de sua presença em todas as partes do mundo aonde chegaram. Resgatar a saga e memória desses antepassados é preservar a identidade do povo açoriano. Só assim as jovens gerações, do conforto e da tecnologia, podem avaliar a qualidade de suas raízes, quem são e de quem provieram.

 

Já os descendentes dos emigrantes, que nasceram e vivem lá fora, têm uma outra forma genética e psicológica de ser. São produtos da miscigenação e de outro ambiente. Não são os açorianos de hoje e nem os de antigamente.  É um novo povo, que se reconhece como filho da nova terra, apesar das origens ilhoas. No entanto, quando conhecem a história dos seus avós, aprendem a valorizar mais as suas raízes, a derrubar enganosos preconceitos.

 

Como açoriana que viveu a infância nos Açores e que voltou à sua terra já madura, como turista, vejo as diferenças das épocas. A importação de linguajar, modos e costumes, a adopção de outras comodidades e modernidades estrangeiras. A construção de casas com outra arquitectura, a inserção de diferentes hábitos alimentares e culturais são coisas que estão alterando perigosamente o perfil físico e antropológico dos Açores. Deve-se desenvolver sem perder a identidade. Talvez por isso, é que os governos regionais de certas ilhas, como Pico, Faial, São Miguel,..., investem forte nos intercâmbios culturais com Santa Catarina (Brasil). A finalidade é de fazer o caminho inverso da emigração, trazendo de volta a cultura e a arquitectura açorianas antigas, preservadas ali durante séculos graças ao abandono e esquecimento daquele povo colonizador que ocupou parte do sul brasileiro.  É uma tentativa açoriana de reavivar as raízes. É uma forma de mostrar aos Manezinhos de Florianópolis as suas origens.  

 

 Maria Eduarda Fagundes

Uberaba, 24 de Junho de 2009.

 

 Açores de hoje

 

 Flores, Açores 2007 ( foto de Maria Eduarda Fagundes)

 


tags:

publicado por Henrique Salles da Fonseca às 09:58
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


artigos recentes

PERU – 6

PERU – 5

PERU – 4

PERU – 3

PERU – 2

PERU – 1

ESCRITORES ESQUECIDOS

LIDO COM INTERESSE - 19

LIDO COM INTERESSE – 73

ESTAREMOS TRAMADOS ENQUAN...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

links
Contador

contador de visitas para site
blogs SAPO
subscrever feeds