Quinta-feira, 31 de Outubro de 2013
“SINGING IN THE RAIN” – A ONOMÁSTICA DA NEGAÇÃO – 5

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O TEXTO DE EDGAR ALLAN POE

The Raven

[First published in 1845]

 

Once upon a midnight dreary, while I pondered weak and weary,
Over many a quaint and curious volume of forgotten lore,
While I nodded, nearly napping, suddenly there came a tapping,
As of some one gently rapping, rapping at my chamber door.
`'Tis some visitor,' I muttered, `tapping at my chamber door -
Only this, and nothing more.'

Ah, distinctly I remember it was in the bleak December, And each separate dying ember wrought its ghost upon the floor.
Eagerly I wished the morrow; - vainly I had sought to borrow
From my books surcease of sorrow - sorrow for the lost Lenore -
For the rare and radiant maiden whom the angels name Lenore -
Nameless here for evermore. (estr. 2)

And the silken sad uncertain rustling of each purple curtain
Thrilled me - filled me with fantastic terrors never felt before;
So that now, to still the beating of my heart, I stood repeating
`'Tis some visitor entreating entrance at my chamber door -
Some late visitor entreating entrance at my chamber door; -
This it is, and nothing more,'

Presently my soul grew stronger; hesitating then no longer,
`Sir,' said I, `or Madam, truly your forgiveness I implore;
But the fact is I was napping, and so gently you came rapping,
And so faintly you came tapping, tapping at my chamber door,
That I scarce was sure I heard you' - here I opened wide the door; -
Darkness there, and nothing more.

Deep into that darkness peering, long I stood there wondering, fearing,
Doubting, dreaming dreams no mortal ever dared to dream before;
But the silence was unbroken, and the darkness gave no token,
And the only word there spoken was the whispered word, `Lenore!'
This I whispered, and an echo murmured back the word, `Lenore!'
Merely this and nothing more. (Estr. 5)

Back into the chamber turning, all my soul within me burning,
Soon again I heard a tapping somewhat louder than before.
`Surely,' said I, `surely that is something at my window lattice;
Let me see then, what thereat is, and this mystery explore -
Let my heart be still a moment and this mystery explore; -
'Tis the wind and nothing more!'

Open here I flung the shutter, when, with many a flirt and flutter,
In there stepped a stately raven of the saintly days of yore.
Not the least obeisance made he; not a minute stopped or stayed he;
But, with mien of lord or lady, perched above my chamber door -
Perched upon a bust of Pallas just above my chamber door -
Perched, and sat, and nothing more.

Then this ebony bird beguiling my sad fancy into smiling,
By the grave and stern decorum of the countenance it wore,
`Though thy crest be shorn and shaven, thou,' I said, `art sure no craven.
Ghastly grim and ancient raven wandering from the nightly shore -
Tell me what thy lordly name is on the Night's Plutonian shore!'
Quoth the raven, `Nevermore.'

Much I marvelled this ungainly fowl to hear discourse so plainly,
Though its answer little meaning - little relevancy bore;
For we cannot help agreeing that no living human being
Ever yet was blessed with seeing bird above his chamber door -
Bird or beast above the sculptured bust above his chamber door,
With such name as `Nevermore.'

But the raven, sitting lonely on the placid bust, spoke only,
That one word, as if his soul in that one word he did outpour.
Nothing further then he uttered - not a feather then he fluttered -
Till I scarcely more than muttered `Other friends have flown before -
On the morrow he will leave me, as my hopes have flown before.'
Then the bird said, `Nevermore.'

Startled at the stillness broken by reply so aptly spoken,
`Doubtless,' said I, `what it utters is its only stock and store,
Caught from some unhappy master whom unmerciful disaster
Followed fast and followed faster till his songs one burden bore -
Till the dirges of his hope that melancholy burden bore
Of "Never-nevermore."'

But the raven still beguiling all my sad soul into smiling,
Straight I wheeled a cushioned seat in front of bird and bust and door;
Then, upon the velvet sinking, I betook myself to linking
Fancy unto fancy, thinking what this ominous bird of yore -
What this grim, ungainly, ghastly, gaunt, and ominous bird of yore
Meant in croaking `Nevermore.'

This I sat engaged in guessing, but no syllable expressing
To the fowl whose fiery eyes now burned into my bosom's core;
This and more I sat divining, with my head at ease reclining
On the cushion's velvet lining that the lamp-light gloated o'er,
But whose velvet violet lining with the lamp-light gloating o'er,
She shall press, ah, nevermore! (estr. 13)

Then, methought, the air grew denser, perfumed from an unseen censer
Swung by Seraphim whose foot-falls tinkled on the tufted floor.
`Wretch,' I cried, `thy God hath lent thee - by these angels he has sent thee
Respite - respite and nepenthe from thy memories of Lenore!
Quaff, oh quaff this kind nepenthe, and forget this lost Lenore!'
Quoth the raven, `Nevermore.' (Estr. 14)

`Prophet!' said I, `thing of evil! - prophet still, if bird or devil! -
Whether tempter sent, or whether tempest tossed thee here ashore,
Desolate yet all undaunted, on this desert land enchanted -
On this home by horror haunted - tell me truly, I implore -
Is there - is there balm in Gilead? - tell me - tell me, I implore!'
Quoth the raven, `Nevermore.'

`Prophet!' said I, `thing of evil! - prophet still, if bird or devil!
By that Heaven that bends above us - by that God we both adore -
Tell this soul with sorrow laden if, within the distant Aidenn,
It shall clasp a sainted maiden whom the angels name Lenore -
Clasp a rare and radiant maiden, whom the angels name Lenore?'
Quoth the raven, `Nevermore.' (estr. 16)

`Be that word our sign of parting, bird or fiend!' I shrieked upstarting -
`Get thee back into the tempest and the Night's Plutonian shore!
Leave no black plume as a token of that lie thy soul hath spoken!
Leave my loneliness unbroken! - quit the bust above my door!
Take thy beak from out my heart, and take thy form from off my door!'
Quoth the raven, `Nevermore.'

And the raven, never flitting, still is sitting, still is sitting
On the pallid bust of Pallas just above my chamber door;
And his eyes have all the seeming of a demon's that is dreaming,
And the lamp-light o'er him streaming throws his shadow on the floor;
And my soul from out that shadow that lies floating on the floor
Shall be lifted - nevermore!

 

FIM

 Berta Brás



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 09:01
link do post | comentar | favorito
|

“SINGING IN THE RAIN” – A ONOMÁSTICA DA NEGAÇÃO – 4

 

 

 

 

O TEXTO DE BAUDELAIRE

Edgar Allan Poe

Le Corbeau

Traduction de Charles Baudelaire

 

«Une fois, sur le minuit lugubre, pendant que je méditais, faible et fatigué, sur maint précieux et curieux volume d’une doctrine oubliée, pendant que je donnais de la tête, presque assoupi, soudain il se fit un tapotement, comme de quelqu’un frappant doucement, frappant à la porte de ma chambre. « C’est quelque visiteur, — murmurai-je, — qui frappe à la porte de ma chambre ; ce n’est que cela, et rien de plus. »

 

Ah ! distinctement je me souviens que c’était dans le glacial décembre, et chaque tison brodait à son tour le plancher du reflet de son agonie. Ardemment je désirais le matin ; en vain m’étais-je efforcé de tirer de mes livres un sursis à ma tristesse, ma tristesse pour ma Lénore perdue, pour la précieuse et rayonnante fille que les anges nomment Lénore, — et qu’ici on ne nommera jamais plus. (estr. 2 / Lenore ; Lenore)

 

Et le soyeux, triste et vague bruissement des rideaux pourprés me pénétrait, me remplissait de terreurs fantastiques, inconnues pour moi jusqu’à ce jour ; si bien qu’enfin, pour apaiser le battement de mon cœur, je me dressai, répétant : « C’est quelque visiteur qui sollicite l’entrée à la porte de ma chambre, quelque visiteur attardé sollicitant l’entrée à la porte de ma chambre ; — c’est cela même, et rien de plus.»

 

Mon âme en ce moment se sentit plus forte. N’hésitant donc pas plus longtemps : «Monsieur, — dis-je, — ou madame, en vérité j’implore votre pardon ; mais le fait est que je sommeillais, et vous êtes venu frapper si doucement, si faiblement vous êtes venu taper à la porte de ma chambre, qu’à peine étais-je certain de vous avoir entendu.» Et alors j’ouvris la porte toute grande ; — les ténèbres, et rien de plus!

 

Scrutant profondément ces ténèbres, je me tins longtemps plein d’étonnement, de crainte, de doute, rêvant des rêves qu’aucun mortel n’a jamais osé rêver ; mais le silence ne fut pas troublé, et l’immobilité ne donna aucun signe, et le seul mot proféré fut un nom chuchoté : «Lénore!» — C’était moi qui le chuchotais, et un écho à son tour murmura ce mot : «Lénore!» — Purement cela, et rien de plus. (Estr. 5 : / Lenore ; Lenore)

 

Rentrant dans ma chambre, et sentant en moi toute mon âme incendiée, j’entendis bientôt un coup un peu plus fort que le premier. «Sûrement, — dis-je, — sûrement, il y a quelque chose aux jalousies de ma fenêtre ; voyons donc ce que c’est, et explorons ce mystère. Laissons mon cœur se calmer un instant, et explorons ce mystère ; — c’est le vent, et rien de plus.»

 

Je poussai alors le volet, et, avec un tumultueux battement d’ailes, entra un majestueux corbeau digne des anciens jours. Il ne fit pas la moindre révérence, il ne s’arrêta pas, il n’hésita pas une minute ; mais, avec la mine d’un lord ou d’une lady, il se percha au-dessus de la porte de ma chambre ; il se percha sur un buste de Pallas juste au-dessus de la porte de ma chambre ; — il se percha, s’installa, et rien de plus.

 

Alors cet oiseau d’ébène, par la gravité de son maintien et la sévérité de sa physionomie, induisant ma triste imagination à sourire : « Bien que ta tête, — lui dis-je, — soit sans huppe et sans cimier, tu n’es certes pas un poltron, lugubre et ancien corbeau, voyageur parti des rivages de la nuit. Dis-moi quel est ton nom seigneurial aux rivages de la Nuit plutonienne ! » Le corbeau dit: «Jamais plus

Je fus émerveillé que ce disgracieux volatile entendît si facilement la parole, bien que sa réponse n’eût pas un bien grand sens et ne me fût pas d’un grand secours ; car nous devons convenir que jamais il ne fut donné à un homme vivant de voir un oiseau au-dessus de la porte de sa chambre, un oiseau ou une bête sur un buste sculpté au-dessus de la porte de sa chambre, se nommant d’un nom tel que Jamais plus!

 

Mais le corbeau, perché solitairement sur le buste placide, ne proféra que ce mot unique, comme si dans ce mot unique il répandait toute son âme. Il ne prononça rien de plus ; il ne remua pas une plume, — jusqu’à ce que je me prisse à murmurer faiblement : «D’autres amis se sont déjà envolés loin de moi ; vers le matin, lui aussi, il me quittera comme mes anciennes espérances déjà envolées. » L’oiseau dit alors : « Jamais plus!»

 

Tressaillant au bruit de cette réponse jetée avec tant d’à-propos : « Sans doute, — dis-je, — ce qu’il prononce est tout son bagage de savoir, qu’il a pris chez quelque maître infortuné que le Malheur impitoyable a poursuivi ardemment, sans répit, jusqu’à ce que ses chansons n’eussent plus qu’un seul refrain, jusqu’à ce que le De profundis de son Espérance eût pris ce mélancolique refrain : Jamais, jamais plus!

 

Mais, le corbeau induisant encore toute ma triste âme à sourire, je roulai tout de suite un siège à coussins en face de l’oiseau et du buste et de la porte ; alors, m’enfonçant dans le velours, je m’appliquai à enchaîner les idées aux idées, cherchant ce que cet augural oiseau des anciens jours, ce que ce triste, disgracieux, sinistre, maigre et augural oiseau des anciens jours voulait faire entendre en croassant son Jamais plus!

 

Je me tenais ainsi, rêvant, conjecturant, mais n’adressant plus une syllabe à l’oiseau, dont les yeux ardents me brûlaient maintenant jusqu’au fond du cœur ; je cherchais à deviner cela, et plus encore, ma tête reposant à l’aise sur le velours du coussin que caressait la lumière de la lampe, ce velours violet caressé par la lumière de la lampe que sa tête, à Elle, ne pressera plus, — ah! jamais plus! (estr. 13 / She)

 

Alors il me sembla que l’air s’épaississait, parfumé par un encensoir invisible que balançaient des séraphins dont les pas frôlaient le tapis de la chambre. « Infortuné ! — m’écriai-je, — ton Dieu t’a donné par ses anges, il t’a envoyé du répit, du répit et du népenthès dans tes ressouvenirs de Lénore ! Bois, oh ! bois ce bon népenthès, et oublie cette Lénore perdue ! » Le corbeau dit : « Jamais plus!» (Estr. 14 : Lenore ; Lenore)

 

«Prophète ! — dis-je, — être de malheur ! oiseau ou démon, mais toujours prophète ! que tu sois un envoyé du Tentateur, ou que la tempête t’ait simplement échoué, naufragé, mais encore intrépide, sur cette terre déserte, ensorcelée, dans ce logis par l’Horreur hanté, — dis-moi sincèrement, je t’en supplie, existe-t-il, existe-t-il ici un baume de Judée ? Dis, dis, je t’en supplie ! » Le corbeau dit : « Jamais plus

 

«Prophète ! — dis-je, — être de malheur ! oiseau ou démon ! toujours prophète ! par ce Ciel tendu sur nos têtes, par ce Dieu que tous deux nous adorons, dis à cette âme chargée de douleur si, dans le Paradis lointain, elle pourra embrasser une fille sainte que les anges nomment Lénore, embrasser une précieuse et rayonnante fille que les anges nomment Lénore. » Le corbeau dit : « Jamais plus ! » (Estr. 16 : Lenore ; Lenore, com perífrase)

 

«Que cette parole soit le signal de notre séparation, oiseau ou démon ! — hurlai-je en me redressant. — Rentre dans la tempête, retourne au rivage de la Nuit plutonienne ; ne laisse pas ici une seule plume noire comme souvenir du mensonge que ton âme a proféré ; laisse ma solitude inviolée ; quitte ce buste au-dessus de ma porte ; arrache ton bec de mon cœur et précipite ton spectre loin de ma porte ! » Le corbeau dit : « Jamais plus !»

 

Et le corbeau, immuable, est toujours installé, toujours installé sur le buste pâle de Pallas, juste au-dessus de la porte de ma chambre ; et ses yeux ont toute la semblance des yeux d’un démon qui rêve ; et la lumière de la lampe, en ruisselant sur lui, projette son ombre sur le plancher ; et mon âme, hors du cercle de cette ombre qui gît flottante sur le plancher, ne pourra plus s’élever, — jamais plus !

 

(continua)

 

 Berta Brás



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 08:55
link do post | comentar | favorito
|

“SINGING IN THE RAIN” – A ONOMÁSTICA DA NEGAÇÃO – 3

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O TEXTO DE MACHADO DE ASSIS

 

O Corvo

 

Em certo dia, à hora
Da meia-noite que apavora,
Eu, caindo de sono e exausto de fadiga,
Ao pé de muita lauda antiga,
De uma velha doutrina agora morta,
Ia pensando, quando ouvi à porta
Do meu quarto um soar devagarinho,
E disse estas palavras tais:
"É alguém que me bate à porta de mansinho;
Há de ser isso e nada mais".

 

Ah! Bem me lembro! Bem me lembro!
Era no glacial Dezembro; Cada brasa do lar sobre o colchão reflectia
A sua última agonia.
Eu ansioso pelo Sol, buscava
Sacar daqueles livros que estudava
Repouso (em vão!) à dor esmagadora
Destas saudades imortais
Pela que ora nos céus anjos chamam Lenora,
E que ninguém chamará mais. (est 2 / Lenore; Lenore)

E o rumor triste, vago, brando

Das cortinas ia acordando
Dentro em meu coração um rumor não sabido,
Nunca por ele padecido.
Enfim, por aplacá-lo aqui, no peito,
Levantei-me de pronto, e "Com efeito,
(Disse), é visita amiga e retardada
"Que bate a estas horas tais.
"É visita que pede à minha porta entrada:
"Há de ser isso e nada mais".

Minh'alma então sentiu-se forte;
Não mais vacilo, e desta sorte
Falo: "Imploro de vós - ou senhor ou senhora,
Me desculpeis tanta demora.
"Mas como eu, precisando de descanso
"Já cochilava, e tão de manso e manso,
"Batestes, não fui logo, prestemente,
"Certificar-me que aí estais".
Disse; a porta escancarada, acho a noite somente,
somente a noite, e nada mais.

Com longo olhar escruto a sombra
Que me amedronta, que me assombra.
E sonho o que nenhum mortal há já sonhado,
Mas o silêncio amplo e calado,
Calado fica; a quietação quieta;
Só tu, palavra única e dileta,
Lenora, tu, com um suspiro escasso,
Da minha triste boca sais;
E o eco, que te ouviu, murmurou-te no espaço;
Foi isso apenas, nada mais. (Estr, 5 / Lenore, Lenore)

Entro co'a alma incendiada.
Logo depois outra pancada
Soa um pouco mais forte; eu, voltando-me a ela:
"Seguramente, há na janela
Alguma coisa que sussurra. Abramos,
"Eia, fora o temor, eia, vejamos
"A explicação do caso misterioso
Dessas duas pancadas tais,
"Devolvamos a paz ao coração medroso,
"Obra do vento, e nada mais".

Abro a janela, e de repente,
Vejo tumultuosamente
Um nobre corvo entrar, digno de antigos dias.
Não despendeu em cortesias
Um minuto, um instante. Tinha o aspecto
de um lord ou de uma lady. E pronto e recto,
Movendo no ar as suas negras alas,
Acima voa dos portais,
Trepa, no alto da porta em um busto de Palas:
Trepado fica, e nada mais.

Diante da ave feia e escura,
Naquela rígida postura,
Com o gosto severo, - o triste pensamento
Sorriu-me ali por um momento,
E eu disse: "Ó tu que das nocturnas plagas
"Vens, embora a cabeça nua tragas,
"Sem topete, não és ave medrosa,
"Dize os teus nomes senhoriais;
"Como te chamas tu na grande noite umbrosa?"
E o corvo disse: "Nunca mais".

Vendo que o pássaro entendia
A pergunta que eu lhe fazia,
Fico atónito, embora a resposta que dera
Dificilmente lha entendera.
Na verdade, jamais homem há visto
Coisa na terra semelhante a isto:
Uma ave negra, friamente posta
Num busto, acima dos portais,
Ouvir uma pergunta a dizer em resposta
Que este é seu nome: "Nunca mais".

No entanto, o corvo solitário
Não teve outro vocabulário.
Como se essa palavra escassa que ali disse
Toda sua alma resumisse,
Nenhuma outra proferiu, nenhuma.
Não chegou a mexer uma só pluma,
Até que eu murmurei: "Perdi outrora
"Tantos amigos tão leais!
"Perderei também este em regressando a aurora".
E o corvo disse: "Nunca mais!"

Estremeço. A resposta ouvida
É tão exacta! é tão cabida!
"Certamente, digo eu, essa é toda a ciência
"Que ele trouxe da convivência
"De algum mestre infeliz e acabrunhado
"Que o implacável destino há castigado
"Tão tenaz, tão sem pausa, nem fadiga,
"Que dos seus cantos usuais
"Só lhe ficou, na amarga e última cantiga,
"Esse estribilho: "Nunca mais".

Segunda vez nesse momento
Sorriu-me o triste pensamento;
Vou sentar-me defronte ao corvo magro e rudo;
E, mergulhando no veludo
Da poltrona que eu mesmo ali trouxera,
Achar procuro a lúgubre quimera,
A alma, o sentido, o pávido segredo
Daquelas sílabas fatais,
Entender o que quis dizer a ave do medo
Grasnando a frase: "Nunca mais".

Assim posto, devaneando,
Meditando, conjecturando,
Não lhe falava mais; mas, se lhe não falava,
Sentia o olhar que me abrasava.
Conjecturando fui, tranquilo, a gosto,
Com a cabeça no macio encosto
Onde os raios da Lâmpada caíam,
Onde as tranças angelicais
De outra cabeça outrora ali se desparziam
E agora não se esparzem mais. (Estr. 13: / She)

Supus então que o ar, mais denso,
Todo se enchia de um incenso,
Obra de serafins que, pelo chão roçando
Do quarto, estavam meneando
Um ligeiro turíbulo invisível:
E eu exclamei então: "Um Deus sensível
"Manda repouso à dor que te devora
"Destas saudades imortais.
"Eia, esquece, eia, olvida essa extinta Lenora".
E o corvo disse: "Nunca mais". (estr. 14: / Lenore; Lenore)

"Profeta, ou o que quer que sejas!
"Ave ou demónio que negrejas!
"Profeta sempre, escuta: Ou venhas tu do inferno
"Onde reside o mal eterno,
"Ou simplesmente náufrago escapado
"Venhas do temporal que te há lançado
"Nesta casa onde o Horror, o Horror profundo
"Tem os seus lares triunfais,
"Dize-me: existe acaso um bálsamo no mundo?"
E o corvo disse: "Nunca mais".

"Profeta, ou o que quer que sejas!
"Ave ou demónio que negrejas!
"Profeta sempre, escuta, atende, escuta, atende!
"Por esse céu que além se estende,
"Pelo Deus que ambos adoramos, fala,
"Dize a esta alma se é dado inda escutá-la
"No Éden celeste a virgem que ela chora
"Nestes retiros sepulcrais,
"Essa que ora nos céus anjos chamam Lenora!"
E o corvo disse: "Nunca mais!" (Estr. 16 / Lenore; Lenore, com perífrase)

"Ave ou demónio que negrejas!
"Profeta, ou o que quer que sejas!
"Cessa, ai, cessa! (clamei, levantando-me) cessa!
"Regressando ao temporal, regressa
"À tua noite, deixa-me comigo...
"Vai-te, não fique no meu casto abrigo
"Pluma que lembre essa mentira tua.
"Tira-me ao peito essas fatais
"Garras que abrindo vão a minha dor já crua"
E o corvo disse: "Nunca mais".

E o corvo aí fica; ei-lo trepado
No branco mármore lavrado
Da antiga Palas; ei-lo imutável, ferrenho.
Parece, ao ver-lhe o duro cenho,
Um demónio sonhando. A luz caída
Do lampião sobre a ave aborrecida
No chão espraia a triste sombra; e fora
Daquelas linhas funerais
Que flutuam no chão, a minha alma que chora
Não sai mais, nunca, nunca mais!

 

(continua)

 

 Berta Brás



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 08:30
link do post | comentar | favorito
|

“SINGING IN THE RAIN” – A ONOMÁSTICA DA NEGAÇÃO – 2

 

 

Uma meia-noite sombria de tempestade em Dezembro (atmosfera preferencial nas histórias fantásticas de Allan Poe), um bater à porta que o poeta vai abrir, desculpando a sua demora com as leituras pretensamente apaziguadoras do seu sofrimento pela morte de Lenora, só o sombrio da noite e “nada mais” / “rien de plus /“nothing more” encontra. Um regressar, novo bater à janela que vai abrir, um corvo que entra, majestoso e se posta sobre estatueta de PalasAtena, segundo Pessoa (outra inépcia, não seguida pelos tradutores anteriores) – colocada sobre o umbral da porta e “nada mais” / “rien de plus” / “nothing more”, expressões que finalizarão as sete primeiras estrofes, as 11 seguintes concluindo com o “never more” onomatopaico, da voz roufenha ou sussurrante do Corvo - “nunca mais” / “jamais plus nas demais versões consultadas, o “never more” do efémero existencial. A estranheza progressiva do Poeta pela aparente resposta do Corvo às suas interpelações ou monólogos, a fúria progressiva daquele, a impassibilidade do Corvo que jaz, para sempre, sobre a cabeça de Palas, sinónimo da loucura do narrador, na sua dor irremediável, no seu esquecimento impossível.

E os textos, e a minha gratidão por esta via informática, que jamais julgaria possível:

 

O TEXTO DE PESSOA:

 

 

 

O CORVO *
(de Edgar Allan Poe)

 

Numa meia-noite agreste, quando eu lia, lento e triste,
Vagos, curiosos tomos de ciências ancestrais,
E já quase adormecia, ouvi o que parecia
O som de alguém que batia levemente a meus umbrais.
"Uma visita", eu me disse, "está batendo a meus umbrais.

É só isto, e nada mais."

 

Ah, que bem disso me lembro! Era no frio Dezembro,
E o fogo, morrendo negro, urdia sombras desiguais.
Como eu queria a madrugada, toda a noite aos livros dada
Para esquecer (em vão!) a amada, hoje entre hostes celestiais -
Essa cujo nome sabem as hostes celestiais

Mas sem nome aqui jamais! (Estrofe 2: / Lenore; Lenore)

 

Como, a tremer frio e frouxo, cada reposteiro roxo
Me incutia, urdia estranhos terrores nunca antes tais!
Mas, a mim mesmo infundindo força, eu ia repetindo:
"É uma visita pedindo entrada aqui em meus umbrais;
Uma visita tardia pede entrada em meus umbrais.

É só isto, e nada mais".

 

E, mais forte num instante, já nem tardo ou hesitante,
"Senhor", eu disse, "ou senhora, decerto me desculpais;
Mas eu ia adormecendo, quando viestes batendo,
Tão levemente batendo, batendo por meus umbrais,
Que mal ouvi..." E abri largos, franqueando-os, meus umbrais.

Noite, noite e nada mais.

 

A treva enorme fitando, fiquei perdido receando,
Dúbio e tais sonhos sonhando que os ninguém sonhou iguais.
Mas a noite era infinita, a paz profunda e maldita,
E a única palavra dita foi um nome cheio de ais -
Eu o disse, o nome dela, e o eco disse aos meus ais

Isso só e nada mais. (Estr. 5: / Lenore; Lenore)

 

Para dentro então volvendo, toda a alma em mim ardendo,
Não tardou que ouvisse novo som batendo mais e mais.
"Por certo", disse eu, "aquela bulha é na minha janela.
Vamos ver o que está nela, e o que são estes sinais."
Meu coração se distraia pesquisando estes sinais.

"É o vento, e nada mais."

 

Abri então a vidraça, e eis que, com muita negaça,
Entrou grave e nobre um corvo dos bons tempos ancestrais.
Não fez nenhum cumprimento, não parou nem um momento,
Mas com ar solene e lento pousou sobre os meus umbrais,
Num alvo busto de Atena que há por sobre meus umbrais,

Foi, pousou, e nada mais.

 

E esta ave estranha e escura fez sorrir minha amargura
Com o solene decoro de seus ares rituais.
"Tens o aspecto tosquiado", disse eu, "mas de nobre e ousado,
Ó velho corvo emigrado lá das trevas infernais!
Dize-me qual o teu nome lá nas trevas infernais."

Disse o corvo, "Nunca mais".

 

Pasmei de ouvir este raro pássaro falar tão claro,
Inda que pouco sentido tivessem palavras tais.
Mas deve ser concedido que ninguém terá havido
Que uma ave tenha tido pousada nos meus umbrais,
Ave ou bicho sobre o busto que há por sobre seus umbrais,

Com o nome "Nunca mais".

 

Mas o corvo, sobre o busto, nada mais dissera, augusto,
Que essa frase, qual se nela a alma lhe ficasse em ais.
Nem mais voz nem movimento fez, e eu, em meu pensamento
Perdido, murmurei lento, "Amigo, sonhos – mortais
Todos – todos já se foram. Amanhã também te vais".

Disse o corvo, "Nunca mais".

 

A alma súbito movida por frase tão bem cabida,
"Por certo", disse eu, "são estas vozes usuais,
Aprendeu-as de algum dono, que a desgraça e o abandono
Seguiram até que o entono da alma se quebrou em ais,
E o bordão de desesperança de seu canto cheio de ais

Era este "Nunca mais".

 

Mas, fazendo inda a ave escura sorrir a minha amargura,
Sentei-me defronte dela, do alvo busto e meus umbrais;
E, enterrado na cadeira, pensei de muita maneira
Que queria esta ave agoureira dos maus tempos ancestrais,
Esta ave negra e agoureira dos maus tempos ancestrais,

Com aquele "Nunca mais".

 

Comigo isto discorrendo, mas nem sílaba dizendo
À ave que na minha alma cravava os olhos fatais,
Isto e mais ia cismando, a cabeça reclinando
No veludo onde a luz punha vagas sombras desiguais,
Naquele veludo onde ela, entre as sombras desiguais,

Reclinar-se-á nunca mais! (estrofe 13 / She)

 

Fez-se então o ar mais denso, como cheio dum incenso
Que anjos dessem, cujos leves passos soam musicais.
"Maldito!", a mim disse, "deu-te Deus, por anjos concedeu-te
O esquecimento; valeu-te. Toma-o, esquece, com teus ais,
O nome da que não esqueces, e que faz esses teus ais!"

Disse o corvo, "Nunca mais". (estrofe 14 / Lenore, Lenore)

 

"Profeta", disse eu, "profeta - ou demónio ou ave preta!
Fosse diabo ou tempestade quem te trouxe a meus umbrais,
A este luto e este degredo, a esta noite e este segredo,
A esta casa de ânsia e medo, dize a esta alma a quem atrais
Se há um bálsamo longínquo para esta alma a quem atrais!

Disse o corvo, "Nunca mais".

 

"Profeta", disse eu, "profeta - ou demónio ou ave preta!
Pelo Deus ante quem ambos somos fracos e mortais.
Dize a esta alma entristecida se no Éden de outra vida
Verá essa hoje perdida entre hostes celestiais,
Essa cujo nome
sabem as hostes celestiais!"

Disse o corvo, "Nunca mais". (Estrofe 16: / Lenore; Lenore, com perífrase)

 

"Que esse grito nos aparte, ave ou diabo!", eu disse. "Parte!
Torna à noite e à tempestade! Torna às trevas infernais!
Não deixes pena que ateste a mentira que disseste!
Minha solidão me reste! Tira-te de meus umbrais!
Tira o vulto de meu peito e a sombra de meus umbrais!"

Disse o corvo, "Nunca mais".

 

E o corvo, na noite infinda, está ainda, está ainda
No alvo busto de Atena que há por sobre os meus umbrais.
Seu olhar tem a medonha cor de um demónio que sonha,
E a luz lança-lhe a tristonha sombra no chão mais e mais,

Libertar-se-á... nunca mais!

 

Fernando Pessoa

 

* Traduzido de The Raven, de Edgard Allan Poe, ritmicamente conforme com o original.

 

(continua)

 

 Berta Brás



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 05:43
link do post | comentar | favorito
|

“SINGING IN THE RAIN” – A ONOMÁSTICA DA NEGAÇÃO – 1

 

Lembrei-me do “Ninguém” com que o astucioso Ulisses se identificou junto de Polifemo – depois de embriagar o horrendo Ciclope que lhe matara parte dos companheiros – nome que, na sua ambiguidade, serviu à vontade para Ulisses se livrar do ataque dos outros Ciclopes que Polifemo chamara em seu auxílio: se “Ninguém” o estava a matar, os brados de Polifemo eram falaciosos e por isso aqueles o abandonaram e aos seus berros, com benefício para o “sábio grego” e companheiros restantes da chacina ciclópica.

 

Como trocadilho, o indefinido “Ninguém” será usado ainda onomasticamente por Gil Vicente, no “Auto da Lusitânia”, em visão maniqueísta, como opositor a “Todo-o-Mundo”, nos seus atributos de humildade e despojamento, contra a arrogância e materialismo do segundo. Também Garrett atribui a auto denominação de “Ninguém” à personagem “D. João de Portugal”, da peça “Frei Luís de Sousa”, de polissemia simbolizando o aniquilamento existencial, pela desolação íntima absoluta e simultaneamente o orgulho vingativo da personagem traída na sua honra de nobre impoluto, pairando como ameaça de punição pelo remorso futuro de quem o traiu.

Mas o assunto sobre a negação pronominal ou adverbial como termos da onomástica simbólica surgiu em dia sombrio de chuva, pela evocação do “Never More” com que aparentemente se denominou o Corvo do poema romântico “THE RAVEN” do escritor americano Edgar Allan Poe, publicado em 1845, ano do nascimento de Eça de Queirós.

 

 

 

Um poema narrativo, que encontro na Internet, juntamente com as traduções de Fernando Pessoa, de Machado de Assis e que Baudelaire já traduzira para francês em 1853 em prosa poética, talvez mais expressiva e fiel do que os versos em português, embora nenhuma tradução consiga transpor, pela estridência dos sons evocados no poema inglês, que actores ingleses tão magistralmente interpretam no Youtube, toda uma atmosfera sinistramente nocturna de um Inverno tempestuoso de Dezembro, lúgubre de evocação de uma Lenore morta e em vão recordada e em que o “Never more” (“Jamais plus” / “Nunca mais”) da voz do Corvo é significativo da irreversibilidade da morte, como já o mito de Orpheu o dissera e os seus seguidores o decantaram, mais ou menos elegiacamente. Mas os sons ingleses, mais fechados, a acrescentar a todo um poema de sonoridades e asperezas casando-se com a regularidade métrica de rimas internas e aliterações, logo prendem, sobretudo se recitados nas extraordinárias representações inglesas.

 

Fernando Pessoa consegue transmitir idêntica mensagem de regularidade rítmica, um tanto artificial, nas suas rimas internas e aliterações, o quadro de irrealidade e sinistro que Poe verterá no seu poema, mas a ocultação do nome Lenora pela vaga perífrase amada”, (essa cujo nome) (estr. 2), “o nome dela” (5), “ela” (13), “o nome da que não esquece” (14), “essa hoje perdida”, “essa cujo nome (16), em vez do nome “Lenora”, que Baudelaire respeita, nas mesmas estrofes, correspondentes, de resto, aos do poema original e Machado de Assis não integralmente, estranha-se como uma falha, na arquitectura de sonoridade que Pessoa tentou imprimir-lhe, genialmente também.

 

Mas o poema de Baudelaire – em prosa poética - parece-me ser o mais claro, fiel e expressivo do conteúdo do poema de Poe, narrativo-dramático – e dramatizável, como o provam os intérpretes do texto inglês da Internet, a que temos acesso.

 

(continua)

 

 Berta Brás



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 05:04
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 30 de Outubro de 2013
FRASE DO DIA

Numa entrevista publicada no fim-de-semana, Sócrates mostrou por que lhe tenho chamado 'o Vale e Azevedo da política'. Com uma diferença: Vale e Azevedo é mais educado.

 

 José António Saraiva (‘Sol’, 28 de Outubro, 2013)



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 21:04
link do post | comentar | favorito
|

O FUTURO A DEUS PERTENCE... MAS...

 

 

Velho adágio! Desde tempos imemoriais procurando ser desmentido pelos “espertos”! A esta casta pertenciam os sacerdotes da alta antiguidade, as pitonisas em Delfos, e continua nos astrólogos, cabalísticos, feiticeiras, bruxas, xinguilas, ngangas, xamãs, leitores de tarô, “intérpretes” de búzios ou das entranhas de animais, e até naqueles que “simplesmente lendo” as linhas da mão ficam a prever tudo!

 

Até Zaratustra é posto à prova. Os séculos vão passando e, depois de qualquer acontecimento de destaque sempre aparecem uns estudiosos que relacionam esse caso com escritos zaratustrianos! Vê-se que não têm muito em que ocupar a mente!

Aos profetas bíblicos não terá sido tão difícil anunciar a palavra de Deus, porque, homens santos, sempre acreditavam que os homens um dia (quando?) seriam melhores. Anunciou-a até Francisco de Assis e os homens de boa vontade; os que pregam que o paraíso pode estar mesmo aqui, na Terra.

 

Conta a Bíblia que um dia José, vendido como escravo para o Egipto, interpretou o terrível sonho do faraó e previu os sete anos de fartura seguidos dos sete de fome. Talvez o único, e assim mesmo, estando escrito na Bíblia... ninguém cientificamente garante a sua veracidade.

 

A ciência dos futuros, disse Platão, é a que distingue os deuses dos homens, e daqui lhes veio sem dúvida aquele antiquíssimo apetite de serem como deuses. Aos primeiros homens, a quem Deus tinha infundido todas as ciências, só a dos futuros lhes faltava, e esta o Demónio lhes prometeu, quando lhes disse: Sereis como Deuses, conhecendo o bem e o mal.

 

No homem “a esperança é a última a morrer”, mas apesar de muito “seguras”, as promessas dos antigos profetas, cansavam o povo de tanto esperar por elas. Esperavam e desesperavam, porque primeiro se lhes acabava a vida do que se concretiza a esperança!

 

Deixavam os pais em testamento as esperanças aos filhos, aos netos e nem estes chegavam a ver o cumprimento do esperado.

 

A Abraão prometeu Deus as terras da Palestina, mas foi preciso que Josué as conquistasse com a espada, talvez mil anos mais tarde!

 

É sempre maior a utilidade do conhecimento das cousas passadas do que só a esperança nas futuras. Por isso os egípcios não olhavam para o deus do céu porque, mesmo vivendo exclusivamente das águas para a agricultura, não era o deus do céu que as mandava, mas o Nilo que as trazia!

 

Não só a ciência como o bom senso, permitem hoje que se faça um pouco de futurologia a curto prazo! A longo... ainda não.

 

Com tanto desperdício por estupidez e cupidez, a Europa entrou numa espiral invertida. Não como os tornados que puxam tudo para cima, mas outra que a está puxando para baixo. E assim não foi difícil antever que os governos que foram apanhados pelo rebentar da crise fossem postos fora. Grécia, Itália, Espanha e Portugal, Holanda, Grã-bretanha, e agora a França, terra dos bons vinhos, gastronomia e greves, sobretudo greves, que tanto ajudam a corroer por dentro. E outros se seguirão.

 

Nenhum dos novos governos que entrou ou vai entrar para enfrentar a crise sairá indemne. Vão todos perecer porque não têm mais meios para sair da recessão. Parece que ainda não entenderam o “recado” do FMI: Não é com arrocho que se avança, mas com criação de postos de trabalho, que se faz a riqueza.

 

É aqui que entra a esperança, a tal que, mesmo anunciada pelos profetas sempre morria com cada geração. E nova espiral se forma.

 

Um dia os países vão poder voltar a viver com alguma dignidade. Quando? Por enquanto... esperança. Só.

 

A bola de cristal no que diz respeito aos EUA não também aparece muito nítida! Mas à sua volta a energia que se sente é negativa.

 

Apanhados no mesmo turbilhão da Europa, e talvez o principal responsável de toda esta desgraça, lutam vigorosamente para sobreviver. Mas, oh! Perversa esperança! Aproximam-se as eleições para a presidência e o candidato da extrema-direita, um fundamentalista cristão (não será um contra-senso um cristão ser fundamentalista em vez de universalista?) vai querer continuar a manter os privilégios dos milionários, abandonando às suas sortes os menos favorecidos.

 

E os milionários são os fabricantes de armas, a indústria farmacêutica, a Bolsa, a banca. Mesmo na nebulosa que circunda a “bola de cristal” parece antever-se uma maior degradação do país mais rico do mundo! E um aumento – se tanto for possível – da tensão no Médio Oriente.

 

Além disso, segregacionistas, até hoje não se perdoam ter perdido as últimas eleições para um negro! Isso os fundamentalistas não engolem. A esperança, nos EUA, será o voto dos jovens, dos latinos e dos mais desfavorecidos, que os há aos milhões no país da teórica “Liberdade e Igualdade”. E eu gostaria de apostar nesta esperança.

 

Para o mundo inteiro a esperança está no Quinto Império! O Império do Espírito Santo, com um imperador menino, sem fome e sem presos, nem cadeias. O “quando” é que demora. Vão passar-se gerações e gerações até que isso aconteça.

 

No Brasil, o país do futuro que Stefan Zweig “previu” há mais de setenta anos, tarda também a chegar. O país não entrará no futuro enquanto tiver um congresso podre, uma corrupção incomensurável, uma educação deficiente, treze milhões de pobres, um governo de compadrios escusos, um judiciário que obedece ao executivo, e nem mesmo distribuindo dinheiro, não por caridade mas para compra de votos, em vez de investir com força, muita força, na criação de postos de trabalho.

 

O Quinto Império é um sonho. A verdadeira esperança. E é bonito sonhar. Mas não chega. Entretanto é preciso combater, os muitos “status quo” que impedem, impossibilitam, que todos os povos alcancem o seu Futuro.

 

25/04/2012

 

 Francisco Gomes de Amorim



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 14:42
link do post | comentar | favorito
|

LIBERDADE DE IMPRENSA

 

Todos os regimes tendentes à ditadura são favoráveis ao controle da mídia. É a forma de não serem investigados e, no exercício do poder, agirem sem tutela e sem que o povo saiba o que ocorre nos porões do poder.

 

Vimos que países como a Alemanha de Hitler, Cuba de Fidel, a Rússia de Stalin, Chile de Pinochet, Itália de Mussolini e outras ditaduras conhecidas sempre controlaram a imprensa para que pudessem livremente manipular o povo.

 

Na actualidade, Venezuela e Argentina, com Maduro e Cristina tudo fazem para calar os meios de comunicação livres. O sucesso maior foi de Maduro, hoje um quase ditador naquele país, que, inclusive, silenciou os órgãos contrários ao Governo, impondo a venda do mais importante canal de televisão a seus amigos. Desta forma, seu desgoverno na nação em que há alta inflação e baixo crescimento e, em que tudo falta inclusive papel higiénico – sem qualquer alusão às limpezas que devem lá ser feitas no país pelos estragos que causou – não pode ser desconhecido.

 

O mesmo ocorre na Argentina, em que pese ter maiores anticorpos democráticos.

 

No Brasil, quanto mais os governos de esquerda falham – veja-se a alta inflação, baixo PIB, máquina administrativa adiposa e outros ingredientes de uma política sem rumo – a ideia de controlo da mídia volta a ser proposta pelo partido da Presidente.

 

Fala-se que a sociedade organizada é que deveria controlá-la. Ora, não há sociedade organizada de esquerda, que normalmente monta, com um pequeno número de pessoas suas associações civis, e se manifesta como se falasse em nome de 193 milhões de brasileiros!!!

 

A sociedade organizada é aquela que vota. E a sociedade desorganizada é aquela que vai às ruas para denunciar o que não gosta.

 

Ora, a mídia constitui os pulmões da sociedade e para ser livre não pode ser tutelada nem pelo Governo, nem por pequenas instituições criadas para dar respaldo aos donos do poder.

 

A garantia maior da democracia, não vem dos governos, mas da investigação permanente da mídia. E esta deve ser sempre livre.

 

  Ives Gandra da Silva Martins



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 08:46
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 29 de Outubro de 2013
DR. JORGE RENATO FERNANDES

Faleceu ontem em Goa o meu grande Amigo Dr. Jorge Renato Fernandes, ilustre médico da Escola Médica de Goa, fundador da Sociedade de Amizade Indo-Portuguesa, Cavaleiro da Ordem de Cristo.

 

Grande perda para as relações entre a Índia e Portugal e para o relançamento da Cultura Indo-Portuguesa.

 

Oremos...

 

Henrique Salles da Fonseca



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 21:54
link do post | comentar | favorito
|

JÁ ENTÃO ERA ASSIM...

 

O governo do Estado deve basear-se nas quatro virtudes cardeais e, sob esse ponto de vista, a situação de Portugal não é satisfatória.

 

A força reside em parte na população; é pois preciso evitar o despovoamento, diminuindo os tributos que pesam sobre o povo.
 

Impõem-se medidas que travem a diminuição do número de cavalos e de armas.

 

É preciso assegurar um salário fixo e decente aos coudéis, a fim de se evitarem os abusos que eles cometem para assegurar a sua subsistência.

 

É necessário igualmente diminuir o número de dias de trabalho gratuito que o povo tem de assegurar e agir de tal forma que o reino se abasteça suficientemente de víveres e de armas; uma viagem de inspecção, atenta a estes aspectos deveria na realidade fazer-se de dois em dois anos.

 

A Justiça só parece reinar em Portugal no coração do Rei [D. João I]e de D. Duarte e dá ideia que de lá não sai porque, se assim não fosse, aqueles que têm por encargo administrá-la comportar-se-iam mais honestamente.

 

A Justiça deve dar a cada qual aquilo que lhe é devido e dar-lho sem delonga. É principalmente deste último ponto de vista que as coisas deixam a desejar: o grande mal está na lentidão da Justiça.

 

Quanto à temperança, devemos confiar sobretudo na acção do clero, mas tenho a impressão de que a situação em Portugal é melhor do que a dos países estrangeiros que visitei.

Enfim, um dos erros que lesam a prudência é o número exagerado das pessoas que fazem parte da casa do Rei e da dos Príncipes de onde decorrem as despesas exageradas que recaem sobre o povo, sob a forma de impostos e de requisições de animais.

 

Acresce que toda a gente ambiciona viver na Corte, sem outra forma de ofício.

 

 

Carta enviada de Bruges pelo Infante D. Pedro ao Infante D. Duarte, futuro Rei, em 1426 – resumo feito por Robert Ricard e constante do seu estudo «L’Infant D. Pedro du Portugal et “O Livro da Virtuosa Bemfeitoria”», in Bulletin des Études Portugaises, do Institut Français au Portugal, nova série, tomo XVII, 1953, pp. 10-11.

 

 



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 18:55
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


artigos recentes

ADEUS

CRIAR TRABALHO: O AMBICIO...

O CULTO AO ESPÍRITO SANTO...

(IR)RACIONALIDADE TRUMPIS...

MEDO OU FOBIA

DEPOIS DO…

DONALD TRUMP – 3

DONALD TRUMP - 2

DONALD TRUMP - 1

ENCONTROS DE ESCRITORES

arquivos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

links
Contador

contador de visitas para site
blogs SAPO
subscrever feeds