Sábado, 31 de Março de 2012
DESABAFO



Alguns anos depois de ter nascido, o meu pai conheceu um estranho, recém-chegado à nossa pequena cidade.

Desde o princípio, o meu pai ficou fascinado com este encantador personagem e em seguida convidou-o a viver connosco.

O estranho aceitou e desde então tem estado sempre lá em casa.

Enquanto eu crescia, nunca perguntei sobre o seu lugar na minha família; na minha mente jovem já tinha um lugar muito especial.

Os meus pais passaram a ser instrutores complementares: a minha mãe ensinou-me o que era bom e o que era mau e o meu pai ensinou-me a obedecer.

Mas o estranho era o nosso narrador.

Mantinha-nos enfeitiçados por horas com aventuras, mistérios e comédias.

Ele tinha sempre respostas para qualquer coisa que quiséssemos saber de política, história ou ciência.

Conhecia tudo do passado, do presente e até podia predizer o futuro!

Levou a minha família ao primeiro jogo de futebol.

Fazia-me rir e chorar.

O estranho nunca parava de falar, mas o meu pai não se importava.

Às vezes, a minha mãe levantava-se cedo e calada, enquanto nós ficávamos a escutar o que ele tinha para nos dizer, mas só ela ia à cozinha para ter paz e tranquilidade. (Agora, passados todos estes anos, pergunto-me se ela teria alguma vez rezado para que o estranho se fosse embora).

O meu pai dirigia o nosso lar com certas convicções morais, mas o estranho nunca se sentia obrigado a honrá-las.

As blasfémias e os palavrões, por exemplo, não eram permitidos em nossa casa. Nem por nós, nem pelos nossos amigos ou de qualquer um que nos visitasse. Entretanto, o nosso visitante de longo prazo usava sem problemas uma linguagem imprópria que às vezes queimava os meus ouvidos e que fazia o meu pai retorcer-se e a minha mãe ruborizar.

O meu pai nunca nos permitiu beber álcool mas o estranho animou-nos a tentá-lo e mesmo a fazê-lo com regularidade.

Fez com que o cigarro parecesse fresco e inofensivo e que os charutos e os cachimbos fossem distinguidos. Falava livremente (talvez demasiado) sobre sexo. Os seus comentários eram às vezes evidentes, outras vezes sugestivos e geralmente vergonhosos.

Agora sei que os meus conceitos sobre relações foram influenciados fortemente durante a minha adolescência por esse estranho.

Repetidas vezes o criticaram, mas ele nunca fez caso aos valores dos meus pais, mesmo assim, permaneceu la em casa.

Passaram-se mais de cinquenta anos desde que o estranho chegou. Desde então mudou muito; já não é tão fascinante como era de princípio. Não obstante, se hoje você pudesse entrar na casa dos meus pais, ainda o encontraria sentado no seu canto, esperando que alguém escutasse as suas conversas ou dedicar o seu tempo livre a fazer-lhe companhia...

Seu nome? Nós chamamos-lhe Televisor.

 

Nota final:

Agora, adulto, tenho uma esposa que se chama Computador e um filho que se chama Telemóvel

  

Recebido por e-mail; Autor não identificado


tags:

publicado por Henrique Salles da Fonseca às 19:20
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

DEFENDER A LÍNGUA PORTUGUESA EM OLIVENÇA – 6
"ALÉM GUADIANA" – TRÊS ANOS DE ACTIVIDADE

A inesperada recuperação do português
em Olivença
(resumo de acontecimentos de três anos: 2008-2011)


LANÇAMENTO DAS SEGUNDAS LUSOFONIAS NA "CASA O ALENTEJO" (12-Maio de 2011)



O “Além Guadiana" não hesitou em avançar para uma nova edição de Lusofonias, e tratou de fazer a sua divulgação na "Casa do Alentejo", em 12 de Maio de 2011.
A Imprensa portuguesa, ainda que convocada, não compareceu em grande medida, com excepção da Agência Lusa, que publicou um excelente artigo sobre este grupo de oliventinos.
 São dessa notícia as informações que se seguem.

«A associação 'Além Guadiana' apelou hoje a um maior apoio do Estado Português e das diversas instituições ligadas à cultura, para "manter acesa a chama" da língua portuguesa em Olivença.

"Falta apoio português. Não só do Estado, mas também das instituições e dos media. Os meios de comunicação social portugueses deveriam ir a Olivença ver as coisas de outro prisma", afirmou Eduardo Machado, que aproveitou para sublinhar que o 'terreno' da associação "é apenas a cultura".

"Queremos tratar as coisas com naturalidade. Respeitamos todas as posições, mas o nosso terreno é a cultura", afirmou, referindo-se às rivalidades e preconceitos ainda existentes e à necessária mudança de mentalidades, sublinhando: "O português em Olivença não é uma língua estrangeira".

O responsável falava na primeira iniciativa pública da 'Além Guadiana' em Portugal, que decorreu na Casa do Alentejo, em Lisboa, e serviu não só para fazer um balanço dos três anos de actividades desta associação sem fins lucrativos mas também para apresentar a segunda edição do festival 'Lusofonias', que decorrerá em Olivença nos dias 28 e 29 deste mês.» (Fim da citação da Lusa).

E, na verdade, o novo festival de Lusofonias, de dois dias, decorreu em 28 e 29 de Maio de 2011. 
16 de Setembro - O SEGUNDO FESTIVAL DE LUSOFONIAS (28 e 29 de Maio de 2011)

Teremos de fazer algumas considerações prévias, ainda que com o risco de cair em "repetições".

É difícil descrever o que representou, ou representa, histórica e culturalmente, este "festival" de cultura portuguesa e lusófona para, e em primeiro lugar, Olivença, para Portugal, e para o espaço lusófono.
Trata-se, recordemos, do renascer de toda uma Cultura (a portuguesa) num lugar onde, desde 1801, a mesma deixou de ser "oficial", e onde, durante cerca de duzentos anos, muito se fez para a aniquilar.
São habitantes locais, oliventinos genuínos, que, sem entrarem em considerações politicas e considerações sobre litígios de soberania, reivindicam a sua cultura tradicional e a sua pertença ao espaço lusófono. É um tanto confrangedor, para não usar expressões mais críticas que não se dê maior destaque ao que ali ocorre em consequência disso.


No dia 28 de Maio, Sábado, após uma alocução das autoridades locais (com a presença de todas as forças políticas oliventinas) numa curta cerimónia de abertura, as "Lusofonias" foram oficialmente abertas ao público. Pavilhões de instituições portuguesas e de comércio e artesanato (com destaque para a doçaria), que se estendiam por duas secções da antiga Carreira, numa amostra muito significativa da cultura portuguesa. O grupo Gigabombos, de Évora, desfilou no local, e, depois, por toda a cidade.

Seguiu-se uma leitura pública, essencialmente por oliventinos, de textos em Português. Documentários e teatro, música, corais alentejanos, bem como actuações de escolas locais (sempre na língua de Camões), seguiram-se pela noite fora.
Note-se que estavam presentes elementos culturais de vários países lusófonos, e não só de Portugal.


Uma exposição fotográfica, aliás apresentada com destaque, mereceu muita atenção, intitulada "O meu olhar sobre a Olivença Portuguesa", do oliventino Jesus Valério. Muita gente a elogiou.


À noite, houve um espectáculo público, um concerto do cantautor espanhol (e extremenho) Luís Pastor, "padrinho" do evento, que teve o cuidado de quase só usar a língua portuguesa, cantando temas portugueses, e recordando grandes cantautores portugueses (a começar por Zeca Afonso).


No dia 29 de Maio, Domingo, reabriu o espaço dos pavilhões, e actuou o Rancho folclórico de Maceira da Lixa (Porto). Seguiram-se canções e dramatizações, uma vez mais em Português e a "cargo" de alunos de escolas locais, e ainda mais música por um grupo português.
Só por volta das 24.00 se deu por encerrado o evento, um sucesso que levará, decerto, a Associação oliventina "Além Guadiana" a continuar a esforçar-se por devolver a Olivença a sua cultura e língua tradicionais, com iniciativas como esta ou outras similares, para além de um trabalho contínuo e diário nesse mesmo sentido.


A dita Associação renova o apelo para que, em Portugal, e sem preconceitos, haja uma maior divulgação das suas actividades, bem como apoios, basicamente culturais, já que os seus objectivos são deste teor, e não outros.
É infelizmente necessário repetir que nem sempre parece estar a haver uma clara compreensão destes aspectos, o que muito se lamenta.


INTEGRAÇÃO NA LUSOFONIA

Só no dia 8 de Junho de 2011 a RTP, no "Portugal em Directo", mostrou a boa reportagem que fizera em Olivença no dia 28 de Maio de 2011. Sirva de desculpa o período eleitoral que se vivia então em Portugal. Afinal, os oliventinos só querem ser ouvidos, sem discriminações.


"A língua de Camões fala-se ininterrompidamente em Olivença desde finais do século XIII". Estas são palavras do Presidente da Associação Além Guadiana, o já citado Joaquín Fuentes Becerra, "Este o mais importante legado português. Até meados do século XX, 150 anos após a mudança de nacionalidade, a língua maioritária era o Português, apesar de não ter tido qualquer apoio institucional".
Becerra acrescenta que, hoje em dia, para além de conservada pelos mais velhos, a língua portuguesa já está a ser ensinada nas escolas.


"Estamos no caminho correcto, mas faz falta uma aposta mais forte para que a língua portuguesa não se perca em Olivença. A língua é tudo". E, sem abordar aspectos políticos, Becerra reclama para a localidade a sua "INTEGRAÇÃO NA LUSOFONIA".

Parece que algo de novo, e talvez um tanto inesperado, está a surgir no espaço lusófono. Ignorá-lo, fingir que não existe, começa a ser impossível. E insuportável!

 
UMA NOITE PARA RECORDAR (Fados em Olivença, 21-JULHO-2011)

(*)
Fados na Rua dos Saboeiros
Era uma noite calma. Quinta-feira, 21 de Julho de 2011, à noite. Um palco montado a meio da rua. Rua dos Saboeiros. Calle Bravo Murillo, oficialmente.

O enquadramento do palco era belo. Um velho nicho, caiado de branco, que outrora albergou um qualquer santo ou santa. Talvez em nome de um ofício. Quiçá de uma qualquer devoção, pessoal ou colectiva. Talvez em memória de algo. Ou de coisa nenhuma. Fé, certamente. Como sabê-lo?

Meia rua, defronte do palco, cheia de cadeiras, com algumas mesas, uma ou outra reservada para as autoridades locais e
autárquicas, tudo em frente do Bar promotor do evento, o "Pub Limbo". O espectáculo, alentejanamente, recebeu o nome de "Luar na Chuné". "Chuné" alentejana, visível, com o luar a bater-lhe. E o nicho, com enfeites barrocos. Também com a Luar a bater-lhe.

Nas cadeiras, sentou-se muita gente. Esmagadoramente locais. E esperou-se. Não muito.
Toy (António) Faria, de Elvas, começou a cantar o primeiro fado. E continuou com o segundo. Depois, a voz forte de Patrícia Leal. Uma surpresa. Da Azaruja. Uma voz igual às melhores. Por fim, João Ficalho, de Borba. Cantando.... mas também, e sempre, tocando viola. Acompanhando também os outros.

Só um não cantou. João Esquetim, de Portalegre, creio. Mas... era ele que dava o som ao fado. Som que tirava da Guitarra
portuguesa.

Momentos surpreendentes. Principalmente quando um fadista, Toy (António) Faria, fez um apelo ao público para que o
acompanhasse. E ele assim fez. Uma e outra vez, entoando "Canto o Fado".

Outro momento alto: Patrícia Leal cantou "Por uma Lágrima". Dificuldade e responsabilidades acrescidas. Um primor de
execução!

Todos estiveram bem. Cantores, público, organizadores. Com destaque para a Associação local "Além Guadiana". Que teima lutando contra o silêncio, a apatia, a indiferença.
Porque a cultura lusitana está ali, e é de todos evitando interferências políticas ou questões delicadas.

Mas está presente.

Foi uma noite de fados em Olivença. Essa localidade incómoda. Mas com uma grande personalidade!


Estremoz, 26 de Julho de 2011

 Carlos Eduardo da Cruz Luna

(FIM)

 

(*)http://www.google.pt/imgres?q=fado%2Bem%2BOliven%C3%A7a&um=1&hl=pt-PT&sa=N&biw=1024&bih=735&tbm=isch&tbnid=mGZnskY9HHmkkM:&imgrefurl=http://www.alemguadiana.com/portugues/galeria%2520por/espanol.html&docid=bYP1uECacBCpsM&imgurl=http://www.alemguadiana.com/fotos%252520powerpoint/AG16.jpg&w=400&h=300&ei=ar12T5PrLIGr0QWC1OGjDQ&zoom=1&iact=rc&dur=2&sig=109573699884915906692&page=1&tbnh=131&tbnw=175&start=0&ndsp=22&ved=1t:429,r:6,s:0&tx=80&ty=95


tags:

publicado por Henrique Salles da Fonseca às 09:01
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 30 de Março de 2012
ALGARVE - SOTAVENTO ADIADO

 

O caso de Tavira

 

Desde há vários anos que venho defendendo a necessidade e o interesse no desenvolvimento náutico do país em geral e do Sotavento em particular, com resultados práticos quase nulos.

 

O primeiro município que estudei foi o de Tavira pela razão simples de ter raízes familiares nesta cidade, passar todo o tempo disponível aqui e até ter sido durante quase dez anos nela residente.

 

Em 2004 apresentei no congresso do Racal uma comunicação sobre o desenvolvimento do Sotavento onde sugeri o estabelecimento de cerca dez mil postos de amarração, dos quais 2000 seriam em Tavira.

 

Como é sabido a maior riqueza potencial desta cidade é o conjunto das actividades marítimas que é possível praticar aqui, quase todas elas passíveis de usufruto todo o ano, com excepção do Sol e praia que não chega a dois meses de prática, do golfe e de actividades culturais e desportivas ligadas ao património e à serra e ainda da capacidade muito mal aproveitada da produção agrícola aliás essencial para contribuir para a maximização do valor acrescentado do produto turístico.

 

Durante muito anos os nossos responsáveis davam a ideia de que só conheciam o Sol e praia, esquecendo-se de que o turismo no Algarve se iniciou exactamente ao contrário, quando os ingleses vinham passar os meses de Outubro a Março e não no verão, esquecimento este que levou ao desenvolvimento de estruturas imobiliárias de baixo nível de qualidade e a taxas de sazonalidade elevadas.

 

A prática do golfe veio diminuir esta anomalia mas para diminui-la ainda mais, ou até eliminá-la, a única solução era e é o desenvolvimento das actividades náuticas, o que não exclui as outras atrás indicadas.

 

Assim foram apresentadas aos autarcas tavirenses várias sugestões concretas e realizáveis desde há quase duas décadas.

 

Durante a gestão do Eng. Macário Correia, seguindo a política anti-mar do seu partido PSD nessa época, nunca se conseguiu qualquer iniciativa neste capítulo.

 

Durante as últimas eleições dei todo o apoio que pude ao candidato do PS, Dr. Jorge Botelho, tal como tinha dado ao seu antecessor Eng. Fialho Anastácio nas anteriores, porque ele me mostrou interesse real nesta melhoria essencial para combater o desemprego e fortalecer a vida económica da
autarquia ou seja dos tavirenses.

 

Para concretizar estas ideias foram apresentados publicamente os ante projectos que garantiriam a Tavira uma redução relevante da taxa de sazonalidade, a criação de postos de trabalho e uma contribuição efectiva para a educação náutica da população em geral e da juventude em particular, o que é vital para se obter a máxima qualidade do produto turístico náutico.

 

Mas nada aconteceu até agora.

 

Todas as tentativas para colaborar com o actual Presidente da Câmara de Tavira têm sido frustradas e não se pode dizer mal recebidas, porque nem sequer o foram de todo.

 

Dois anos já se passaram. O desemprego continua a subir.

Quanto a iniciativas concretas para inverter este situação: nada.

 

As recomendações expressas pela UE ainda há alguns dias em Lisboa são no sentido do desenvolvimento náutico, certamente muito direccionadas
para Portugal pois é de facto o país europeu com maior atraso nesta matéria mas até agora nem o Governo nem as Autarquias mais apropriadas para este desenvolvimento têm mostrado interesse e iniciativas concretas.

 

E após 12 anos de anti mar parecia que os votos de mudança foram claros. Mas nada mudou, pelo menos até agora. Porquê? Não é de certo por falta de dinheiro, porque a maior fatia de investimento deverá ser realizada por privados e a que cabe à Autarquia não só é reduzida mas segundo foi anunciado na reunião de Lisboa terá ajudas comunitárias, se houver apresentação de projectos.

 

Então o que se passa com a Autarquia de Tavira?

 

Entretanto a cidade definha, os jovens têm que procurar trabalho fora, a reorganização indispensável da Autarquia com vista a reduzir custos e aumentar a competitividade dos tavirenses é adiada e a população e os políticos locais entretêm-se a dizer mal da “troika” mas nada fazem para contribuir para alterar a situação que esteve em grande parte na origem desta crise.

 

É tempo para que os responsáveis pelos destinos da Autarquia mostrem que são capazes de mudar o rumo em que vivemos nestes últimos vinte anos e transformem esta maravilhosa cidade num local desenvolvido e sustentado onde se elimine o desemprego e a emigração dos jovens.

 

Tavira, 13 de Dezembro de 2011

 

 José Carlos Gonçalves Viana

 

Publicado no Postal do Algarve em 3 de Fevereiro de 2012



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 17:55
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

DEFENDER A LÍNGUA PORTUGUESA EM OLIVENÇA – 5
 
 "ALÉM GUADIANA" – TRÊS ANOS DE ACTIVIDADE

A inesperada recuperação do português em Olivença
(resumo de acontecimentos de três anos: 2008-2011)


(*)
UM MERCADO MENSAL



O final de 2010 e o princípio de 2011 viram realizar-se mais uma iniciativa deste prolixo grupo oliventino: um mercado mensal de artesanato e antiguidades portuguesas.
O primeiro efectuou-se a 11 de Dezembro de 2010, o segundo a 8 de Janeiro de 2011. O terceiro em 12 de Fevereiro de 2011. E assim por diante!


Pela primeira vez, em mais de duzentos anos, ressurgiu o mercado antigo tradicional de Olivença aos Sábados, nas suas características originais. Na verdade, este evento efectua-se num local distinto do mercado mais convencional (Adro da Igreja manuelina da Madalena), que é no mesmo dia da semana.


Foi curiosa a primeira edição, não só pelo afluxo de interessados, mas também por algumas das motivações expressas. Muitas louças tradicionais (do Redondo, por exemplo), e mobiliário, também tradicional, foram adquiridos porque
lembrava aos compradores objectos vistos em casa de antepassados seus, onde constituíam uma espécie de relíquias. Note-se que, na falta do seu tradicional mercado, muitos oliventinos, durante mais de cem anos, se deslocavam a Elvas ou a outras localidades, procurando obter os produtos (então de utilidade doméstica, ou de decoração) a que estavam tradicionalmente habituados.


 Carlos Luna
(continua)
(*)http://www.google.pt/imgres?q=feira%2Bprodutos%2Bportugueses%2BOliven%C3%A7a&um=1&hl=pt-PT&sa=N&biw=1024&bih=735&tbm=isch&tbnid=LFeMQWMz4hIgNM:&imgrefurl=http://estrolabio.blogs.sapo.pt/2011/02/09/&docid=IxUbOqOQ5ZZ_KM&imgurl=http://c8.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/baf0679f9/7981075_ZmdCq.jpeg&w=500&h=375&ei=z2x1T9SpEpTv8QO82o2zDQ&zoom=1&iact=hc&vpx=534&vpy=318&dur=2881&hovh=194&hovw=259&tx=152&ty=130&sig=109573699884915906692&page=2&tbnh=160&tbnw=208&start=24&ndsp=16&ved=1t:429,r:10,s:24

tags:

publicado por Henrique Salles da Fonseca às 09:15
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quinta-feira, 29 de Março de 2012
SE NÃO FOSSE O 1.º DE DEZEMBRO

 

 

 

 

Este artigo não seria escrito se não tivesse havido 1º de Dezembro. Ou seria escrito em Castelhano. Não seria escrito neste jornal, que
não existiria. Não haveria Língua Portuguesa como a conhecemos hoje – teríamos sido sujeitos a longa aculturação espanhola, somando mais 370 anos de usurpação aos 60 de domínio dos Filipes.

 

Não haveria a querela do Acordo Ortográfico, porque não haveria o Português, nem o problema da regulação do uso universal da nossa
língua. Estaríamos hoje com os galegos, esbracejando pela cidadania linguística. Não haveria Rui Reininho e a sua 'Pronúncia do Norte', nem Pedro Abrunhosa e o seu 'Momento' ou Jorge Palma e 'Encosta-te a Mim', o 'Ó Gente da Minha Terra' de Mariza, o 'Fado Tropical' de Chico Buarque. Fernando Pessoa não seria o que é, nem a Mensagem. Camões e 'Os Lusíadas' seriam talvez desconhecidos, literatura esquecida ou clandestina. Veríamos filmes dobrados – em Castelhano. O Fado não seria Património Imaterial da Humanidade. Não existiria sequer o fado, antes outra coisa qualquer de sonoridade espanhola.

 

Já não teríamos declarado o sobreiro árvore nacional. Não seríamos o maior produtor mundial de cortiça – seria Espanha. O nosso porco
preto alentejano seria porco ibérico para toda a vida, sem apelo nem agravo. Teríamos centrais nucleares na bacia do Tejo e talvez na do Douro, não só do lado de lá, mas do lado de cá. Não haveria lado de cá e de lá. A política espanhola de transvases afectando os nossos rios estaria aí em pleno.

 

Não haveria D. João IV, nem D. João V e o seu Convento de Mafra, nem D. João VI e a originalidade fundadora da corte no Brasil. Não
haveria o próprio Brasil – em lugar dessa criação do génio e do acaso português, teriam surgido outras coisas, fruto de colonizações retalhadas de holandeses, franceses, espanhóis e ex-portugueses falando espanhol. Não haveria o samba e a bossa nova. Não haveria Angola, nem Moçambique. O espaço de Moçambique estaria repartido por países anglófonos e no de Angola seria outro retalho qualquer de colonizações holandesa, alemã, francófona, talvez espanhola. São Tomé e Príncipe estaria na Guiné Equatorial, como Fernando Pó e
Ano Bom. A Guiné-Bissau moraria na francofonia, Cabo Verde provavelmente também. Não haveria a morna, nem a coladeira, talvez o zouk de Guadalupe e Martinica. Timor seria holandês e, portanto, indonésio. Macau teria acabado, pouco depois de ser. Não teria havido a guerra do Ultramar, porque não teria havido Ultramar. Não existiria a CPLP. Nem haveria sequer o Fórum Ibero-Americano, antes qualquer coisa hispano-americana. Não haveria o navio-escola 'Sagres'. O nosso mar português não seria.

 

Não teríamos o Eusébio. Não teríamos festejado o louco terceiro lugar do Mundial de Inglaterra 1966, mas alguns teriam celebrado a
Espanha campeã do Mundo na África do Sul 2010. O Benfica e o FC Porto provavelmente nunca teriam sido campeões europeus. A Académica nunca teria ganho a Taça de Portugal – não haveria Taça de Portugal. Com sorte, Benfica, Porto, Sporting, outro, poderiam ter ganho a Copa Generalíssimo ou a Taça do Rei.

 

E o mesmo ministro fará desta uma nova empresa espanhola?

 

Não haveria Cardeal Patriarca de Lisboa, título do século XVIII. Não haveria um só cardeal português no Consistório de Roma. Não
existiria a Conferência Episcopal – os nossos bispos estariam na conferência espanhola.

 

Teria havido o terramoto de 1755, mas não o Marquês de Pombal, nem a baixa pombalina. As invasões francesas teriam sido uma passeata com cicerone espanhol. Não haveria a questão de Olivença – seríamos todos nós Olivença. Teríamos tido na mesma as lutas liberais, mas não entre D. Pedro e D. Miguel, antes envolvidos nas longas guerras do carlismo. Não teríamos tido nem Afonso Costa, nem Salazar, antes dois breves episódios republicanos, um fugaz no século XIX, outro nos anos 30 seguido da guerra. Teríamos tido a Guerra
Civil, seguida do Generalíssimo e da restauração monárquica com rei espanhol.

Teríamos sofrido o terrorismo da ETA. Não haveria Cavaco Silva, presidente; nem, antes, Jorge Sampaio, Mário Soares, ou Ramalho Eanes. Seria D. Juan Carlos.

Não teríamos Passos Coelho, nem Paulo Portas, antes Mariano Rajoy e Garcia-Margallo. Não teríamos Ministério dos Negócios Estrangeiros – seríamos somente um negócio de estrangeiros. Não teríamos Assembleia da República, apenas as Cortes Generales.

 

Aqui chegados, eu compreendo perfeitamente que as Cortes de Madrid chumbassem o nosso feriado do 1º de Dezembro, primeiro o Congresso dos Deputados, logo a seguir o Senado. Mas a Assembleia da República fazer isso?

Não pode ser.

 

 José Ribeiro e Castro

Deputado e ex-líder do CDS-PP


tags:

publicado por Henrique Salles da Fonseca às 17:20
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

DEFENDER A LÍNGUA PORTUGUESA EM OLIVENÇA – 4
 
 Porta do Calvário
"ALÉM GUADIANA" – TRÊS ANOS DE ACTIVIDADE


A inesperada recuperação do português em Olivença
(resumo de acontecimentos de três anos: 2008-2011)





16 de Setembro - UMA ESPÉCIE DE «DIA DE PORTUGAL»... DOIS DIAS DEPOIS



A inauguração das primeiras ruas com os nomes em Português, teve lugar no meio de uma espécie de festival promovido pela Associação citada, denominado «Lusofonias».
No sentido de promover a cultura e a língua portuguesa, a organização do evento elegeu como imagens promocionais da iniciativa Amália Rodrigues, Fernando Pessoa e Vasco da Gama.

A "Além Guadiana" justificou estas escolhas: «São ícones de Portugal e da sua História. Como curiosidade posso dizer que os familiares de Vasco da Gama são originários de Olivença e desta forma vamos relembrar esse facto».
A iniciativa cultural contou com a colaboração do Ayuntamiento de Olivença, da Associação para o Desenvolvimento Rural da Comarca de Olivença e da Junta da Extremadura, e consistiu ainda num vasto conjunto de actividades, entre as quais se destacaram peças de teatro, música, literatura e animação de rua.


Em paralelo, houve uma zona reservada a exposições, onde estiveram artesãos, um espaço dedicado à gastronomia e a instituições do espaço lusófono, bem como trabalhos ao vivo e animação musical a cargo de grupos de Portel (Évora).

Procedeu-se a uma leitura pública contínua em português, na qual participaram oliventinos de todas as idades lendo ou recitando na língua de Camões. Este foi um dos pontos altos que a organização destaca deste dia dedicado ao mundo lusófono.


Durante a manhã ocorreu também uma demonstração de folclore, através do grupo "La Encina" de Olivença e a actuação das Cantadeiras de Granja (Évora).


No período da tarde foi projectado no Espácio para la Creación Joven, o filme "O Leão da Estrela", e houve actividades de animação nas ruas, bem como ainda a actuação dos alunos de português da escola pública Francisco Ortiz, de Olivença.

A "Estória da Galinha e do Ovo" e "O Canto dos Poetas", ambos interpretados pela associação "Do Imaginário" de Évora, foram dos atractivos desta iniciativa promovida pela associação "Além Guadiana".

 Carlos Luna
(continua)

tags:

publicado por Henrique Salles da Fonseca às 08:47
link do post | comentar | favorito
|

TERÁ AINDA SOLUÇÃO A CRISE?

 

 

(A de 1918 ou a de 2011?)

 

Considerando que por todas as partes deste Reino haja falta de pão, de que entre todas as partes do mundo soi a ser muy abastado, e vendo como agora está posto em tamanha carestia, que não há quem se sustente, e isto por falta de homens de lavrarem as terras...

(Provisão de D. Fernando, dada em Santarém aos 26 de Junho de1375).”

 

 

Para a humanidade dividida em nações de interesses diferenciados e até opostos, há um princípio na política económica – o maior
enriquecimento nacional– não pela acumulação de stocks monetários, mas pelo desenvolvimento das forças produtivas.

 

Com tantas leis e decretos sobre o trigo e farinhas, em Portugal, em 1914/15, efeito da guerra, o trânsito de farinhas e do trigo foi então
enredado em exigências de justificações e guias. Reviveu a economia medieval.

 

E quanto mais apertadas foram as regulamentações e maior o número de imposições legais, mais a fraude alastrou e contaminou a tudo e a todos, frustrando os melhores intentos.

 

O primeiro passo de uma nação, para aproveitar suas vantagens, é conhecer perfeitamente as terras que habita, o que em si encerram, o que de si produzem, o que são capazes.

Abade Correia da Silva – 1750-1823.

 

(*)

 

No começo do século XIX já cientistas excluíam Portugal das zonas tipicamente cerealíferas, afirmando que a cultura dos cereais é
contrariada pelo clima.

 

Andam os desviados da nossa missão agrícola de país hortícola e pomícola, admiravelmente dotado pela natureza para as culturas
arbóreas e arbustivas.

 

Já não era pequeno mal que apoquentassem a lavoura, manietando-a a alta das rendas e, sobretudo, a falta de capital. Além da alta
taxa de juros que absorve a grande parte dos proventos que a empresa poderia dar. Pode-se dizer que ainda hoje a usura tem nas suas mãos a sorte da agricultura portuguesa.

 

Além disso, não sabemos produzir, nem sabemos vender.

 

A consciência nítida do interesse geral encontra-se apenas nas sociedades bem constituídas e num grau de força e prosperidade tal
que a consideração do bem público pode abafar os egoísmos que surgem.

 

Nos povos em decadência enfraquece o espírito nacional, o que quer dizer que a consciência dos laços de solidariedade se apaga ou
desaparece, como se deixasse de existir o interesse comum.

 

A nação não existe já como um todo vivo, mas como uma soma inerte de elementos quase independentes.

 

Não havia decerto necessidade de provações tão duras como a desta guerra (e desta crise), para o convencimento da decadência portuguesa. Tornou-se infelizmente bem patente o relaxamento dos laços sociais.

 

É exactamente um tal estado que nos explica como neste povo em que subsistem os defeitos de uma organização comunitária no que
respeita à falta de confiança e dependência do poder público para a solução de todos os problemas, o Estado de quem tudo se espera, é precisamente o menos apto a fazer alguma coisa.

 

Produz-se por interesse, não por patriotismo nem por filantropia.

 

- Terá ainda solução a crise?

 

Tem-se em geral uma impressão errada de resistência e vitalidade dos povos, quando estas se comparam à fraca resistência individual.

 

Há um tão natural e poderoso instinto de conservação e de vida no fundo das sociedades, quando porventura atacam pelo espírito as
instituições vitais para qualquer povo. É afinal difícil desorganizar por completo; e pode um povo descer na escala dos povos fracos, improgressivos, até à ínfima miséria social, mas não ultrapassando um limite mínimo as suas condições de vida, porque é nela tenaz e poderosa a resistência a toda a dissolução.

 

Por outro lado, nestes termos, são escusados temores.

Mesmo abandonado a si próprio, às suas decisões tradicionais, aos seus hábitos inveterados, ao seu trabalho, à monotonia do seu viver diário, mesmo portanto sem ministros, sem sábios, sem legislações complicadas – o povo conseguiria viver.

 

- Terá ainda solução a crise?

 

O que pelo menos se pode desde já asseverar é que, pelo caminho que as coisas levam, e convertidos afinal em novas causas do mal, os
remédios com que se tem procurado diminui-lo, tudo se irá agravando, porque certamente ainda há pior que o estado actual.

 

A nossa preparação para o futuro tem já neste momento todos os defeitos contrários ás qualidades exigidas.

 

Provavelmente nós sofreremos a guerra... quando começar a Paz.

 

(Texto retirado da “Questão cerealífera” e da “Crise das Subsistências” escritos por António de Oliveira Salazar em 1914 e 1918).

 

Mas... depois da tempestade, a bonança!

 

Rio de Janeiro, 27/10/2011

 

 Francisco Gomes de Amorim

 

(*)http://www.trekearth.com/gallery/Europe/Portugal/South/Beja/Mertola/photo384072.htm



publicado por Henrique Salles da Fonseca às 00:02
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quarta-feira, 28 de Março de 2012
DEFENDER A LÍNGUA PORTUGUESA EM OLIVENÇA – 3
 
 
"ALÉM GUADIANA" – TRÊS ANOS DE ACTIVIDADE


A inesperada recuperação do português
em Olivença
(resumo de acontecimentos de três anos: 2008-2011)



TOPONÍMIA EM PORTUGUÊS



A Câmara Municipal de Olivença decidiu começar a recuperar os antigos nomes em português das ruas da localidade.
A iniciativa partiu, claro, da associação cultural “Além Guadiana” que apresentou à Câmara e aos diferentes representantes políticos de Olivença um projecto pormenorizado para a valorização da toponímia oliventina, com unânime aceitação.


O projecto, com início a 12 de Junho de 2010, e que prossegue, estando já quase confluído em Janeiro de 2011, contempla a adição dos antigos nomes das ruas aos actuais, mantendo a mesma tipologia e estética nas placas. Assim, resgatam-se as denominações das ruas, dos becos, das calçadas, etc., que configuram o conjunto histórico encerrado nas muralhas
abaluartadas, com um total de 73 localizações.
Recorde-se que a maior parte da toponímia urbana de Olivença foi substituída ou modificada na primeira metade do século XX, embora quase todos os nomes continuassem a ser utilizados pela população apesar das alterações, como nos casos da rua da Rala, da rua da Pedra, da Carreira, etc.

A Associação "Além Guadiana", num comunicado, esclarecia: «os antigos nomes das ruas falam-nos do passado português da "Vila", como popularmente é conhecida a cidade, desvelando aspectos diversos, amiúde desconhecidos, da sua história. Estes remontam a séculos atrás, muitos deles à Idade Média, aludindo a pessoas ilustres da História, a antigos grémios de artesãos, a santos objecto da devoção popular ou à fisionomia das ruas, entre outros aspectos. "A rua das Atafonas, a Calçada Velha, o Terreiro Salgado e o beco de João da Gama" são alguns exemplos.»

Mais dizia a comunicado: «Com esta iniciativa pretende-se, enfim, realçar um interessante componente da rica herança cultural oliventina, a toponímia, contribuindo para testemunhar a história partilhada deste Concelho e para a tornar visível em cada recanto intramuros. Os nomes ancestrais dos espaços públicos conformam uma janela que convida a assomar-se e a explorar a apaixonante história de Olivença. Expressados na sua originária língua portuguesa, constituem o testemunho vivo de uma cidade onde se respiram duas culturas e são um veículo que encoraja os mais novos a manter a língua que ainda falam as pessoas mais velhas o município. Para a associação Além Guadiana, trata-se de uma iniciativa com fins didácticos, culturais e turísticos, com a qual se resgata para o presente uma parte do passado oliventino.»


 Carlos Luna
(continua)

tags:

publicado por Henrique Salles da Fonseca às 15:17
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|

OS LIMITES DA POLÍTICA
 

O Governo não é dono disto. Apenas administra temporariamente a coisa pública em prol do bem comum. Em tempos de aperto toma naturalmente poderes de excepção. Mas mesmo na emergência deve ter consciência daquilo que não lhe compete. Não basta ter permissão e vantagem. É preciso bom senso para saber que há coisas que ultrapassam a conjuntura. Como os feriados.

 

O anterior Governo, aquele que levou o País à beira da ruína, achou-se com direito a mudar coisas básicas da sociedade, simplesmente por ter maioria ocasional. Enquanto tratava mal daquilo que lhe competia, atrevia-se a mexer no que tinha o dever de respeitar. Porque a definição de casamento e os limites da vida não podem estar ao sabor de coligações de momento.

 

O modelo original de núpcias da Lei n.º 9/2010 de 31 de Maio deve-se a um conjunto de deputados que achou que uma simples votação, sem referendo, quase sem consulta e discussão, pode alterar um dado básico da civilização. No caso do aborto (Lei 16/ /2007 de 17 de Abril) ao menos houve referendo, mas seguido de fraude.

Porque a pergunta a sufrágio era sobre a despenalização, mas o Governo sentiu-se com poder para estabelecer a liberalização e subsidiação do aborto.

 

Para perceber a diferença, era como se a descriminalização do consumo de drogas aprovada há 11 anos (Lei n.º 30/2000 de 29 Novembro) implicasse a distribuição de heroína barata pelo Estado. Espantoso que esta supina desonestidade política não só tenha vingado, mas seja a única coisa intocável pelos cortes na Saúde do actual Governo.

 

Os extremos a que chegou o Executivo Sócrates são difíceis de igualar, porque ainda seria preciso referir a promoção do divórcio (Lei n.º 61/2008 de 31 de Outubro), manipulação de embriões (Lei 32/06, de 26 de Julho), etc. Mas o actual Governo, no meio das medidas duras da troika, já exorbita das suas funções quando se pensa com direito a mexer nos feriados.

 

As celebrações comunitárias que temos, com raízes culturais profundas, não são exageradas nem exigem reforma. Aliás o Governo não apresenta nenhuma razão específica para as alterações que pretende. Vai mudar os feriados, não por causa de problemas dos feriados, mas simplesmente para as pessoas trabalharem mais. Ora se a questão é laboral, lide-se com ela em termos laborais. Mexa-se no horário de trabalho ou cortem-se dias de férias, mas não se toque naquilo que recebemos em herança e que temos de deixar aos que nos sucederem. Será que também vamos cortar o hino para acelerar as cerimónias ou vender o Algarve para pagar dívida?

 

A culpa do exagero é nossa. Este tempo, que perdeu o sentido da ética, tradição e dignidade, atribui à lei e política responsabilidades que não lhes cabem, em substituição da honra e moral em que deixou de acreditar. Quando pedimos ao Estado que nos resolva todos os problemas ou, pior, se acusamos os políticos de tudo o que corre mal, não nos podemos admirar que eles tomem liberdades com coisas que não lhes competem.

 

As gerações futuras vão rir desta triste época em que as leis se medem em dúzias por semana e julgam regular tudo, da violência familiar às brincadeiras de crianças e qualidade do ar. A atitude de ingenuidade e arrogância que subjaz a esta inflação legislativa e paternalismo regulatório fará as delícias dos nossos sucessores, que entretanto terão aprendido as terríveis consequências deste dirigismo desabrido. Que, aliás, mostra evidentemente a sua ineficácia, porque apesar de todos os programas, estratégias e aparato político, continua a haver fogos florestais, acidentes rodoviários, crises económicas.

 

No meio da confusão é difícil aos ministros conhecer os seus limites. Não interessa se têm poder para o fazer. Evidentemente que no Governo há legitimidade legal e constitucional para alterar o que pretende. O que lhe falta é outra legitimidade mais profunda. Trata-se simplesmente de uma coisa que não lhe compete, porque aí falamos, não de legislatura, mas de séculos. Como no caso do casamento e da vida, a lei só vale no respeito da civilização.

 

 JOÃO CÉSAR DAS NEVES

 

DN 2011-11-07

 

 


publicado por Henrique Salles da Fonseca às 00:07
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Terça-feira, 27 de Março de 2012
DEFENDER A LÍNGUA PORTUGUESA EM OLIVENÇA – 2
 (*)
 
"ALÉM GUADIANA" – TRÊS ANOS DE ACTIVIDADE

A inesperada recuperação do português em Olivença
(resumo de acontecimentos de três anos: 2008-2011)



A JORNADA DE FEVEREIRO DE 2008



Falou primeiro o Presidente da Junta da Extremadura espanhola, Guillermo Fernández Vara. Curiosamente, um oliventino. Foi comovente ouvi-lo confessar que, na sua casa paterna, o Português era a língua dos afectos.
O Presidente da Câmara de Olivença, Manuel Cayado, falou em seguida.

Joaquín Fuentes Becerra, presidente da Associação "Além Guadiana", destacou e insistiu no aspecto cultural da Jornada.


Juan Carrasco González, um conhecido catedrático, falou depois.


Seguiu-se Eduardo Ruíz Viéytez, Consultor do Conselho da Europa, que explicou as recomendações críticas deste, ao Estado Espanhol, em relação ao Português de Olivença.
Falou depois Lígia Freire Borges, do Instituto Camões, que destacou o papel da Língua Portuguesa no mundo.
Após o almoço, foi a vez de ouvir a voz de alguns oliventinos, em Português, bem alentejano no vocabulário e no sotaque, não faltando críticas e denúncias de situações de repressão linguística não muito longe no tempo.
Falaram depois Domingo Frade Gaspar (pela fala galega) e José Gargallo Gil (Línguas minoritárias).
Seguiu-se Manuela Barros Ferreira, da Universidade de Lisboa, que relatou a experiência significativa de recuperação do
Mirandês.
Falou finalmente o Presidente da Câmara Municipal de Barrancos, a propósito dos projectos de salvaguardar o dialecto
barranquenho.
No final, foi projectado um curto filme sobre o Português oliventino, realizado por Mila Gritos (Milagros Rodrígues Perez). Nele surgiam oliventinos a contar a história de cada um, sempre em Português.


Deu por encerrada a sessão Manuel de Jesus Sanchez Fernandez, da Associação Além-Guadiana.
Os assistentes e os promotores da Jornada abandonaram o local, já de noite, convictos de que tinham assistido a algo notável.

Estava dado um passo de gigante para a recuperação de cultura lusa em Olivença.

Cerca de um ano, um pouco mais, depois, nova surpresa!


 Carlos Luna
(continua)
(*)http://www.google.pt/imgres?q=oliven%C3%A7a&um=1&hl=pt-PT&sa=N&biw=1024&bih=735&tbm=isch&tbnid=qTmSlT3LoiClRM:&imgrefurl=http://cafeportugal.net/pages/noticias_artigo.aspx%3Fid%3D2284&docid=OATzqmhvPxqd2M&imgurl=http://cafeportugal.net/resources/3/files/artigos/image/olivenca02.jpg&w=800&h=600&ei=kQRyT83YAsKx0AXrrOT_Dw&zoom=1&iact=hc&vpx=725&vpy=287&dur=3459&hovh=194&hovw=259&tx=137&ty=119&sig=109573699884915906692&page=1&tbnh=118&tbnw=153&start=0&ndsp=23&ved=1t:429,r:11,s:0

tags:

publicado por Henrique Salles da Fonseca às 19:06
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
14
15

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


artigos recentes

LIDO COM INTERESSE - 19

LIDO COM INTERESSE – 73

ESTAREMOS TRAMADOS ENQUAN...

ÉTICA E INFINITO

ARENDT E MARX

PELA ROTA DA ÍNDIA

ONTOLOGIA E ÉTICA

LIDO COM INTERESSE – 72

LIDO COM INTERESSE – 17

AS MEDALHAS QUE NÃO TIVE

arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

links
Contador

contador de visitas para site
blogs SAPO
subscrever feeds